Pular para o conteúdo principal

Saber agir

Adriana Tanese Nogueira

Os que, para agir,
esperam sempre que tudo seja perfeito,
jamais realizarão alguma coisa.


A insistência na busca pelo momento certo para tomar uma decisão necessária perde aquele momento em que a brisa chega e enche as velas, permitindo o início de uma nova jornada. A teimosia na idéia de que hão de haver determinadas circunstâncias antes de fazer o que se sabe tem que ser feito, é uma forma indireta de declarar não só a própria insegurança, quando efetivar a auto-sabotagem. Indecisão é uma experiência comum, alguns são mais outros menos indecisos. A única certeza da indecisão é que quanto mais ela persiste menores as chances de algo realmente vir a acontecer.

A indecisão alimenta a inércia. Na física, para mover um objeto é preciso de uma força
igual ou superior à sua massa, que é energia inerte. O mesmo vale em psicologia, o hábito produz "massa", quanto mais arraigado o hábito maior a força necessária para tomar a atitude que leva à mudança. Quando é preciso um evento traumático para que a pessoa decida algo é porque ela está há muito tempo vacilando na indecisão. Esse vacilo provocou o aprofundamento do problema, levando à gravidade de suas consequências.

A inércia engorda a covardia. Quanto menos se age mais se teme dar o primeiro passo. Menor é o hábito a tomar decisões, maior é o medo de fazer algo diferente. O movimento que parece pequeno para o atleta é vivenciado como avassalador para quem vive sentado no sofá vendo TV. Indecisos crônicos são como obesos. O potencial para a mudança está estocado em gordura solidificada, prejudicial à saúde psíquica. Movimento é vida, tudo o que vive se mexe. Quanto menos nos mexemos mais estamos próximos à morte. Somente o morto está parado. Movimento psíquico é tão necessário quanto o físico e significa: entender, perguntar-se, mudar de idéia, clarear, discernir, duvidar, sacudir costumes, rever medos e limites... A covardia fortalecida pela falta de atitudes produz um círculo vicioso, até que um evento grave, sério e, muitas vezes, irreversível obrigue a fazer algo, geralmente quando é tarde demais para que o final seja realmente feliz.

O medo do novo e do diferente é inerente aos seres vivos. Animais e humanos sofrem o mesmo temor. Ter medo do estranho não é o problema, mas ficar no medo sim. Permanecer paralizado na insegurança e, ainda por cima, encobrir a verdade com argumentos fictícios é problemático.

Duas armas são usadas para a auto-sabotagem na hora de agir. Há as racionalizações que pessoas que se prezam lógicas e racionais gostam de usar. E há os limites circunstanciais que as demais consomem com desenvolutra. Racionalizações são raciocínios mascarados de lógica cuja função é esconder a realidade. Confundem com sua aparente verdade, parecem convencer e convencem os miopes de intelecto. Os limites circunstanciais são diversos. Uma pessoa não decide fazer algo porque "não tem dinheiro", o que quer dizer que não quer parar de gastar dinheiro em outras coisas para canalizar os recursos financeiros segundo um novo projeto. Ou então, pode ser que "não seja o momento certo", porque agora tem antes que terminar isso ou iniciar aquilo, esperar a esposa ou o marido fazer isso ou aquilo, os filhos cresceram, a promoção chegar, o Natal passar e assim em diante. 
O resultado é o mesmo. Perder o momento de agir enfraquece a vontade. O momento certo de agir se sente não se pensa. A partir da elaboração intelectual de uma série de condições, uma pessoa chega à conclusão que tem que tomar determinada atitude. Em seguida, ela vai começar a sentir crescer dentro de si essa necessidade (por sua vez, a elaboração também surgiu de um sentir) até chegar a um ponto em que deveria entrar a ação. Se a ação for postergada demais, todo o projeto murcha, como um balão que espera por subir ao céu mas é bicado pela ave negra da indecisão. 

Quando se sabe que se está adiando demais? Quando se percebe que a força está cedendo lugar à covardia. Quando dúvidas tomam a dianteira, quando a pessoa se torna "perfeccionista" demais, detalhista demais, quando enfim, ela se enrola e faz de conta que está sendo "responsável", e "cuidadosa" então a verdade derradeira é que ela está perdendo o vigor daquela vontade original que a levou a pensar em agir, a querer agir. Falta-lhe caráter para assumir os passos que sua evolução interior lhe requer. Falta coragem de viver.

Comentários

  1. Menina, menina, menina! Maravilhoso!!!!

    ResponderExcluir
  2. Muito, muito bom. Vai me ajudar a desenvolver uma consulta com um paciente. Obrigada!!!!
    Leila

    ResponderExcluir
  3. E como se faz para sair da inércia?
    Para mudar de atitude?
    Para adquirir o carater que falta para assumir os passos que a evolução interior requer?

    Seria ótimo saber mais sobre isso.

    ResponderExcluir
  4. Obrigada Jacqueline! :-)
    Bom trabalho, Leila.
    Como se faz para sair da inércia, Ana? Começando uma boa terapia! Esse texto é genérico, mas no SEU caso o que está acontecendo que leva à inércia? Só conhecendo-a, só entrando nos detalhes. Pessoas humanas são únicas, é preciso olhá-las de perto e analisar o que está acontecendo para poder saber exatamente o que fazer. Sem o "exatamente" e o engajamento pessoal não há mudanças.

    ResponderExcluir
  5. No meu caso, nao sou indecisa pelo medo de me deparar com o novo, com o que eu desconheco, pelo contrario, busco caminhos que me levam e encontro a experiencias novas, ( e como se minhas escolhfas fossem baseadas nisso) a sair da ''rotina'' a todo momento. tenho vivido em funcao disso, e sinto que, quando nao consigo, me sinto extremamente frustrada.

    ResponderExcluir
  6. Tanto que já tenho tentado e até conseguido, mas ainda falta, não descobri qual meu problema,que nao consigo alavancar, o que preciso fazer, me sinto às vezes querendo vacilar, os pensamentos negativos ganharem, e eu me entregar ao cansaço e parar de procurar a solução! Quando parece que td está dando certo, acontece algo, tento ser flexível, mas às vezes acabo caindo na inércia.

    ResponderExcluir
  7. Leidimara, continue se buscando entender o que acontece com vc. Busque ajuda. Não desista.

    ResponderExcluir
  8. Prezada Adriana Tanese, gostei de sua mateia a respeito da inercia mental que muitas pessoas se queixão, passo por esse problema já faz muitos anos, começou na infância, já tenho quarenta e seis anos e continua;
    Essa indecisão tomar conta de mim, que devo fazer, pois está prejudicando várias áreas da minha vida, principalmente a de relacionamento e financeiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado, há uma única solução para todos nossos problemas: terapia. Por que? Porque para resolver seu problema, qualquer que seja, você precisa ENTENDER o que está acontecendo e isso significa AUTO-CONHECIMENTO. E onde pode conseguir o auto-conhecimento? Só em terapia. Não num livro porque é escrito para milhões de pessoas, nào pra você, mas no trabalho individual com outra pessoa que possa guiá-lo através do processo de autoconhecimento.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…