Pular para o conteúdo principal

Dependência boa e dependência ruim

Adriana Tanese Nogueira

Num tempo de exaltação do ego, dependência é uma palavra "feia". Todos querem se orgulhar de serem independentes, sobretudo no que diz respeito às questões sentimentais. "Você não me ama? Ah é?" "Nem eu amo você, nunca amei e não estou nem aí...." Esse tipo de coisa. O ego é aquele sistema psíquico que baseia seu poder na percepção de sua própria independência. Independência da mãe e do pai, dos amigos, da mídia, da escola, do governo, independência de tudo. Ser independente é para o ego a condição de sua existência. Como dar conta então da dependência que surge toda vez que amamos?

Damos conta da seguinte forma: distinguindo entre dependências boas e dependências ruins. Há relações que nos deixam esgotados, há outras que nos fazem sentir mais fortes.
Há relações que requerem investimento contínuo e de mão única, outras em que as duas pessoas crescem e desabrocham. Existem relacionamentos que fazem com que nossa vida pessoal fique para trás, que percamos oportunidades e outras relações, que tiremos o foco de nós e o coloquemos somente na outra pessoa.

Amar é um forma de dependência, porque não só não escolhemos a quem amar como também não temos poder de deixar de amar. É ilusão de um ego infantil a de que se pode decidir deixar de amar. Ou não era amor de verdade e o sentimento simplesmente passou, ou é uma fantaisa que quer abafar a dor que a relação provoca. Quando amamos, a dependência surge pelo fato que não podemos ser completamente felizes sem a outra pessoa. A dependência positiva do outro não impede de viver e de viver bem. Podemos ainda assim ter prazer de viver, mas não aquela felicidade profunda que daria a presença do outro. Ao amar alguém dependemos da outra pessoa no sentido de que dependemos de sua existência, de seu bem estar, de suas opiniões, de seus sentimentos e de sua presença. Numa relação positiva, não há nada melhor do que isso: ter um ao outro e estar um pelo outro.

Esse tipo de dependência nos obriga a prestar atenção ao que queremos e a como queremos. Em relacionamentos equilibrados, o outro é visto como Outro e não como um pedaço de si. Consequentemente, se tende a ser e a dar o melhor de si, justamente por amor, por querer o bem. Conta-se com o outro e confia-se no ponto de vista do outro, apesar de vermos suas limitações e desafios. Amar é uma forma de cegueira inteligente. O amor é cego do ponto de vista do ego porque não é ele quem fez a escolha, mas o amor é inteligente porque enxerga o outro como Outro.

Nas dependências ruins, peças de um quebracabeça se unem no anseio de alcançar sua própria inteireza. Muitas pessoas estão deprimidas e esgotadas com a vida e pensam em encontrar alguém que irá dar-lhes afeto e companhia. "Irá dar-lhes...": a dependência negativa é essa daqui, baseada no projeto de receber antes mesmo de pensar em dar e no que dar. Há outras pessoas que dão em função de receber, dão dinheiro e/ou atenção para receber o mesmo (geralmente, criando uma dependência que poderia não ter existido).

Dependência ruim é a de casais que não conseguem fazer coisas separados, ou até mesmo passar umas horas sem se falar ao telefone. Com o tempo, a dependência se fortalece na exata medida em que ambos se enfraquecem como indivíduos.

Concluindo, podemos definir a dependência boa como aquele vínculo aprimora e enriquece os indivíduos em suas individualidades, e a dependência ruim como aquela relação que aprisiona o desenvolvimento individual e castra a subjetividade de cada um.


Comentários

  1. Muito interessante; quando você diz: "ou até mesmo passar umas horas sem se falar ao telefone. Com o tempo, a dependência se fortalece na exata medida em que ambos se enfraquecem como indivíduos.", pensei: eis uma verdade absoluta; pois vivi uma situação desse tipo.

    ResponderExcluir
  2. Muito bom seu post. Esclarece questoes que venho vivenciando, estou superando e voltando a encontrar o meu eu.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …