Pular para o conteúdo principal

MAGNÍFICA E TERRÍVEL ADOLESCÊNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Nascer de novo, desta vez já grandes e, na verdade, grandes demais, com corpos que extrapolam a coordenação que por anos conseguiu-se conquistar. Pernas longas demais, braços remando pelo espaço, cabeças cheias de idéias, conhecimentos precoces, dúvidas, excitação, insegurança, perguntas sem respostas e respostas sem perguntas. Gigantescos pontos de interrogação pairam no ar. E o coração transbordando incompreensível quantidade de revolta, amor, ódio, medo, timidez, raiva, ansia e impulso. Vontade de viver, fazer, ser, chegar lá. Um "lá" que não se sabe bem onde fica...

A adolescência é um dos tempos mais delicados e complicados da vida humana. Por baixo da superfície despreocupada daquela criança crescida há galaxias sendo formadas e destruídas, vulcões arrotando paixões e altos pensamentos filosóficos sobrevoando o mundo desconhecido. Perguntas existenciais jamais verbalizadas e desejos infantis dos quais se tem vergonha ou orgulho.

Nesses anos alquímicos que substituem o tempo docemente irresponsável da infância muitas coisas ocorrem e estas vão se arrastando ou evoluindo, até chegar aos pés daquela montanha que representa o início da idade adulta. A adolescência é a preparação para a escalada. É nesse momento que os pais, que já tiveram muita paciência, precisam ter mais. Mais flexibilidade, mais inteligência, mais disposição e mais auto-crítica. Há de se fazer acrobacias mentais e sentimentais com filhos adolescentes para compreendê-los e acompanhá-los, para não empacar confusos diante daquela nova pessoa, lastimando a perda da linda criancinha (que não dava todos esses problemas. Onde ela foi parar?).

Adolescentes são pérolas humanas que podem se perder cedo demais, como aqueles os brotos que despontam no campo a qualquer aparição do sol, sem esperar pelo tempo certo da primavera, e se queimam e morrem. Os estímulos de um mundo conturbado e complexo invadem suas vidas e os adolescentes já vêm embebidos de valores globalizados que absorveram por anos na infância. Enquanto isso, seus pais estão muitas vezes ocupados e cansados demais para entender "o que é que está acontecendo". É na adolescência que o derralhamento do trem tem consequências de longo termo porque ao chegar aos pés daquela montanha que é o início da vida e responsabilidades adultas é preciso começar a subida com o pé certo para que lá na frente dê certo.

Tenho observado que quando há derralhamento entre os 15 e os, mais ou menos, 20 anos a confusão já reinava por muitos anos a fio, naquele começo da vida que haveria de servir para construir aquela personalidade e aquele espaço no mundo para o ser social e realizado que almejamos ser. E entra aqui outra função parental: além da paciência e flexibilidade há de se usar o punho de ferro, com amor, inteligência e pontualidade. Toda dureza há de ser pontual sem se arrastar no tempo e no sentimento. Ela é precisa e clara, nunca um "clima" de cobrança, ressentimento e insanidade. Dependendo da história e personalidade de cada um, pai ou mãe hão de segurar as rédeas com maior ou menor firmeza em um momento ou no outro (ou em vários!).


É importante não perder porém o sentido desse momento existencial, ele é também frágil. Adolescência é energia sutil e grosseira ao mesmo tempo, por isso deixa muitos pais desesperados. Entretanto, é preciso constantemente lembrar de que está ocorrendo uma metamorfose interior no adolescente e mesmo que ele pareça estar se divertindo e curtindo a vida, pais devem saber enxergar mais profundamente esse tempo complicado. Dele há de nascer um Homem e uma Mulher e é esta identidade que está sendo sofrida e deliciosamente gestada. Sejamos parteiras e parteiros.

Comentários

  1. Os adolescentes são mais terríveis do que magníficos. Que fase!!! Com certeza é a fase mais importante de uma pessoa, um grande desafio para nós mães e pais. Que sejamos todos iluminados com nossos adolescentes.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…