Pular para o conteúdo principal

O arquétipo da Mãe Má nos homens

Adriana Tanese Nogueira

Homens também possuem os arquétipos femininos (por isso, o trabalho com as Deusas dá as boas vindas aos homens) e neles podemos observar os sinais da atuação do arquétipo da Mãe Má. Vejamos um exemplo.

João é pai. Ele se sente só, os filhos já adultos não lhe dedicam muito tempo. Na realidade, ele não tem uma boa comunicação com eles. Há mágoas não resolvidas, e ele enterrou bem fundo os sentimentos de culpa por não ter sido um bom pai. Ele permanece no racional, pensa que fez o que pôde, sabe de seus erros mas não vai além. E a situação com os filhos continua a mesma. João não pode reconhecer que a razão não resolve o sentimento. Sentimento de culpa se supera somente pedindo desculpa e, possivelmente, sendo perdoados. Mas quando a culpa é grande demais não se consegue nem mesmo pedir desculpas.

O sentimento de João está preso em seu peito, junto a muitos outros conteúdos difíceis de se lidar. Alguns deles podem pegar a dianteira e governar suas ações como quando o arquétipo da Mãe Má assume o controle. Querendo os filhos perto, João inconscientemente os puxa para si usando fios invisíveis.

A Mãe Má não enfrenta e não joga na cara, não bate boca, não exige, não cobra - explicitamente. Mas faz tudo isso por baixo dos panos, criando sentimentos de culpa naqueles que ela quer manter próximos, mostrando-se vulnerável e necessidata, ingênua e boazinha. As garras da Mãe Má querem controle, posse, domínio. Não conseguindo ser amada pelo que é, ela pega o que quer pela cobrança indireta, sutil e silenciosa. Daí serve ser bons, ingênuos e vulneráveis: a entrada na psique dos outros é garantida (até que os outros não atinem para a verdade, mas isso pode demorar muito tempo).

Luiz é pai e também tem problemas de comunicação com seus filhos. O dinheiro é um elemento forte na relação com eles: quem segue Luiz ganha vantagens mas também tem de estar sob seus mandamentos. Luiz ama os filhos, mas não sabe expressar amor. Sua baixa auto-estima lhe impede de mostrar sensibilidade e disponibilidade. Ele quer ter os filhos perto e com esse objetivo se mantém distante, os faz penar, os faz sentir que não merecem, que devem conquistá-lo. E nesse esforço de conseguir ser amados pelo pai, Luiz os mantém em suas garras, melhor: nas garras da Grande Mãe Má dentro dele.

Ambos, João e Luiz, tiveram mães que, apesar das grande diferenças entre elas, utilizaram da chantagem e da cobrança para manter seus filhos em sua rede afetiva. A mãe de João era autoritária e desconfiada da autoridade masculina, a de Luiz era mais sutil em seu jogo inconsciente, ela amava em palavras e desamava e desconsiderava nos gestos. As consequências foram mais graves do que as produzidas pela mãe de João. Autoridade explícita é sempre melhor do que aquela por baixo dos panos e mascarada por sorrisos e bondade.

A Grande Mãe Má é interesseira, invadente, joga uma queda de braço silenciosa, cobra fazendo-se de vítima no intuito de ter influência direta sobre o outro. Ao contrário da Grande Mãe Boa que dá a vida, a nutre e a promove, que quer seus filhos felizes do jeito que melhor os agradar, aquela Má é aquela que tem comportamento oposto à fala. Temendo ficar só, temendo não ser amada e de fato sentindo-se só e não amada, ela "cuida" dos outros naquela acepção que significa "controlar os outros", ou então se distancia dos mesmos para fazer com que sua ausência marque a presença e prenda a atenção.

Homens também têm afeto, necessidade, desejos e carência. Eles também sofreram o desamor de pais ausentes e de mães infelizes. Homens brilhantes podem ter relações afetivas fracassadas porque não sabem administrar seus sentimentos feridos, seus afetos sem voz e sem vez. O macho humano ainda não lida bem com o coração e seus labirintos, ele prefere se trancar nas alturas de suas racionalizações disfarçadas de racionalidade. Enquanto isso, filhos, amantes e amigas é melhor que fiquem de olho nos sutis jogos de esses homens lançam como espertos pescadores noturnos.

Comentários

  1. Maravilhoso!
    Mas preciso ler mais de uma vez, com menos avidez!
    bjs.

    ResponderExcluir
  2. Outra coisa importante, e analisar as mulheres com quem estes homens se casaram....afinal de contas um e o "gancho" do outro, nao e verdade?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …