14/12/2011

CRIATIVIDADE E ESCOLA

Adriana Tanese Nogueira

Todos concordam que criatividade é algo positivo que deveria ser estimuladA nas crianças, e em qualquer momento da vida adulta. Encoraja-se os pais a escolherem jogos criativos para os filhos, buscam-se escolas que incentivem a criatividade e até empresa selecionam canditados criativos. Mas onde se aprende a criatividade? Se for nas escolas, como é então que algumas das pessoas mais criativas e ricas da modernidade não completaram o
currículo escolar como todos os pais desejam para seus filhos? E como é que várias outras que têm nível superior não alcançaram resultados profissionais interessantes e até mesmo nem realizaram a profissão pela qual estudaram?

Algumas das pessoas de maior sucesso nunca pisaram numa universidade, a não ser talvez para dar palestras sobre seus trabalhos: Henry Ford, fundador da Ford; Thomas Edison, fundador da General Electrics; Bill Gates, fundador da Microsoft; Mark Zucjerberg, fundador do Facebook, Richard Brason, fundador da Virgin Mobile; Walt Disney, fundador do Disney World; Steve Jobs, fundador da Apple (Kiyosai, 2011). Newton era bullied na escola. Retraído e tímido, chegou a ser considerado autista. Einsten, desengonçado e tímido, não ia bem na escola, sobretudo em matemática. Evidentemente, a criatividade desses indivíduos não veio da escola. Não foi o sistema educacional padronizado e socializado que lhes deu condições de se tornarem o que foram e são. Já dizia Joseph Campbell, gênio dos estudos sobre mitologia, que é preciso tomar cuidado com todo programa de ensino superior, porque a formatação mental que os estudantes hão de sofrer esmaga grande parte se não todo o espírito criativo.

Criatividade e escola parecem ser, em muitos aspectos, realidades opostas. Nas escolas, os alunos são guiados por um professor, um currículo, um trabalho escolar. Na criatividade, uma pessoa é guiada pelos movimentos interiores e invisíveis de seu espírito inquisidor, curioso e livre. Nas escolas não há em geral liberdade para pensar, discutir, questionar, mudar de rumo, inverter a rota e mudar de assunto. Nas escolas não se pode inventar. 

Quem inventa mudanças, incomoda. As escolas conforme o modelo produzem o aluno em série, se este pensasse demais atrapalharia a pauta do professor, o qual se perder o rítmo vai sofrer repercussões da diretoria, a qual pode por sua vez perder o financiamento público ou, se for particular, sofrer repercussões da parte de pais irados, que não entendem de criatividade. Nesse sistema ninguém de fato ganha, a não ser a lei da inércia. Todos perdem, mas sobretudo as crianças que teriam nessa idade flexibilidade mental de sobra para desenvolver sua criatividade.

A criatividade é uma expressão da mente humana que consiste no estabelecimento de relações novas e inusitadas entre conteúdos dados. A pessoa criativa olha e enxerga as coisas de forma diferente daquela nào criativa. Ela ousa formular novas hipóteses e tem autoestima suficiente para seguir os movimentos internos de seu pensamento sem crucificar o que pensa como "sem sentido" ou "idiotice". Toda pessoa que se denigra mesmo que de brincadeira está denunciando sua baixa autoestima e lançando um grito de socorro.

Não há criatividade sem liberdade. Seguir os caminhos inesperados e tortuosos do pensamento criativo é uma experiência que deve ser realizada livremente: sem notas e professores a quem prestar contas e sem o olhar desconfiado de um pai ou de uma mãe.
A condição que permite a criatividade é um estado de bem estar psíquico. A criatividade gera alegria, é uma atividade finalizada a si mesma, é puro prazer. O que não significa que ela seja fácil. Um indivíduo criativo tem mais trabalho daquele não criativo, mas seu esforço é movido pela necessidade interior. É uma busca gerada por um ímpeto interno que visa sua autorealização. É aquele trabalho que faz bem, que encanta e cativa e não pode ser parado até ser completado.

Como pode uma educação baseada num trilho pré-determinado e coletivo (não individualizado) oferecer condições para o desenvolvimento da criatividade que é algo altamente individual e único?

7 comentários:

  1. (Ñao repare nos erros do meu português, português não é a minha língua)

    "Algumas das pessoas de maior sucesso nunca pisaram numa universidade", e cita como exemplo Steve Jobs.. essa afirmação é errada.

    Na verdad, Steve Jobs assistiu na Universidade, mais ele abandonou pelo custo. Depois de abandonar a Universidade, ele ficou assistindo como aluno livre as aulas que ele consideraba interesante.

    Diz ele, que Caligrafía foi a materia que mais interesante era, foi a materia que inspirou ele no momento de criar o primeiro computador.. e que sem isso, os computadores não seríam o que são hoje.

    Da para concluir, que ele não tivesse assistido aquelas aulas, ele não tería a inspiração que teve.

    Ele relata a sua historia em um discurso que deu para os alunos de Stanford.. é um discurso excelente, recomendo para voçê ver.

    http://www.youtube.com/watch?v=1IWPuywHYNE

    ResponderExcluir
  2. Obrigada pelo acréscimo. Mas ele confirma o que estava dizendo. Se Caligrafia foi sua inspiração, isso significa que o currículo formal não é o que importa. Uma pessoa deve ser livre para seguir os redemoinhos da sua criatividade! Que bom que ele não teve dinheiro para cursar uma universidade, sem compromisso com a prestação de contas que uma universidade requer, sua mente estava livre para se dedicar ao que chamasse sua atenção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A pessoa criativa olha e enxerga as coisas de forma diferente daquela padrão. Ela ousa formular novas hipóteses e tem autoestima suficiente para seguir os movimentos internos de seu pensamento sem crucificar o que pensa como "sem sentido" ou "idiotice". Adriana, todas as pessoas são criativas, o ser humano é dotado originalmente de criatividade. O meio, as oportunidades, a personalidade são os fatores que a desencadeiam. A criatividade não necessariamente está nas famosidades, pode estar em um simples assentamento de azulejos, em um artesanato, em uma maneira diferente de cantar ou dançar. A escola trabalha, geralmente, o que todos devem, a princípio, saber; se o sujeito for criativo do jeito que vc coloca, a criatividade irá acentuar, pois o conhecimento gerado pela humanidade estará mais fácil de este sujeito agregar valor as suas criações.

      Excluir
  3. Além de tudo que já foi dito pelos colegas acima, acredito que o olhar holístico é preponderante para desencadear novas ideias e assim a criação daquilo que ninguém que está fechado em um conhecimento específico, pode ver.

    ResponderExcluir
  4. Com certeza, Angélica: holismo na abordagem ao ser humano e transdisciplinariedade na abordagem ao conhecimento.

    ResponderExcluir
  5. O ser humano como ser social depende das relações para sustentar a própria criatividade. Desvalorizar o ensino formal na tentativa de garantir a 'Liberdade' de criação é desvalorizar o conhecimento historicamente produzido pelo homem. Não há inovação se não houver conhecimento sobre o que já foi dito e criado.
    A educação sempre fora um instrumento dentro de um sistema politico economicamente projetado, e as relações se traduzem no modelo adequado para o trabalho. Mas hoje as necessidades são outras e a promessa de que a educação seria a salvadora de todos os males sociais, pelo menos no papel, passa para o criticismo a cerca da falta de credibilidade por parte do sistema educativo.
    O mais engraçado é não perceber os meios vinculados a nova promessa que sustenta discursos individualistas. A construção do saber e desenvolvimento do pensamento criativo não é regido pelo ato individual, mas pelo compartilhamento.

    ResponderExcluir
  6. Discordo. A criatividade não é sustentada pelas relações, de forma alguma. A criatividade é um processo interior do indíviduo, que pouco tem a ver com as relações a não ser em mínima parte. Aliás, depende justamente do indivíduo ter liberdade interior para poder ser criativos.
    Em segundo lugar, o sistema formal de ensino não se identifica de forma alguma com o conhecimento historicamente produzido pelo ser humano. Se assim fosse, ele não estaria tão defasado com o conhecimento presente.
    Terceiro, o artigo não contrapõe liberdade individual a conhecimento formal, mas quer questionar a MODALIDADE de ensino e sua EFICÁCIA.

    ResponderExcluir