Pular para o conteúdo principal

DE JIMMY NEUTRON A HANNA MONTANA, DE GINGER A ALEX RUSSO: O QUE SERÁ DAS NOVAS GERAÇÕES?

Adriana Tanese Nogueira

O Jimmy Neutron era um desenho que voi veiculado pela Nickelodeon entre 2002 e 2006. Minha filha o assistia quando era menor. Ela voltou anos depois a procurá-lo no YouTube e passou uma tarde se divertindo. Aí veio até mim e me disse, "Mãe, você precisa escrever sobre o Jimmy Neutron! Ele não tinha vergonha de ser inteligente! Os programas para crianças mudaram muito!"

É verdade. De Jimmy Neutron, o menino que é gênio-e-tem amigos, passamos no mesmo ano a... pasmem! Hanna Montana, aa garota que começou simpatiquinha e terminou por ser uma das personagens mais arrogantes, prepotentes e egoístas do mundo televisivo. Nessa nova fase da mídia infantil, que tanta influência tem sobre as meninas a partir dos 3 anos de idade, o que conta é o bullying e a vantagem pessoal. Escola é secundária e aprender, supérfluo.

Aparentemente, ser inteligentes, aplicados e interessados não está na moda. Os Jimmys da vida viraram "nerds", definição reducionista dada a quem gosta de estudar por quem foge dos livros. Nos tempos do Jimmy Neutron ter e apreciar conhecimento não  correspondia a ser uma criança esquisita, agora equivale a ser uma pessoa desinteressante. Ser bacana e valorizar o conhecimento não combinam mais.

Para completar a deseducação que a Disney Channel está despejando sobre as novas gerações, a imagem dos pais decaiu para aquela de indíviduos fúteis e muitas vezes em competição com os filhos. De Contado por Ginger, ooutro desenho da Nickelodeon que foi ao ar entre 1998 e 2003 apresentando uma adolescente normal que escreve um diário, tem problemas com as amigas, se depila, tem uma mãe solteira com a qual conversa e troca idéias, passamos a Os Feiticeiros de Waverly Place que estreiou em 2007 trazendo aos palcos Alex Russo (Selena Gomez), espertinha ignorante, magérrima de roupas charmosas, cabelos perfeitos, maquiagem impecável, que tira o sarro de todos, inclusive dos próprios pais e sem o menor escrúpolo. "Consciência" é uma dimensão da vida humana que raramente entra no dia a dia dela, e, quando porventura acontece, é sempre por breves momentos porque, comos bem sabemos não é "cool", não é popular ter consciência. Entramos numa nova era, a de pais bobos e filhos arrogantes que estão no controle. 

Os resultados disso, pelo menos aqui nos Estados Unidos, estão visíveis nas escolas. O nível de superficialidade, fofocagem e manipulação entre meninas é assustador. A ambição existencial de todas é ser cantora, os objetivos a curto prazo é ser popular, isto é arrogantes e altivas, egoístas e insensíveis como suas ídolas. Aos meninos cabe ser partners à altura dessas novas mini-estrelas, conformando-se ao papel correspondente que tem elas como protagonistas. E, naturalmente, eles também cantam.

Aliás, cantar é um must. Todos hão de botar para fora toda a voz que tiverem no peito e cantar o hino da Disney Channel, que prega a todos que a melhor coisa do mundo é ser si mesmos, e que todos devemos ser amigos e ajudar a terra, ser ecológicos e respeitar a natureza (apesar do uso que se faz da comida nesses programas onde ela chega a ser usadas como objetos atirados contras os outros, o que é ultrajoso considerando que ainda há gente no mundo que não tem comida para sobreviver). Nessa esquizofrenia psico-cultural, as crianças do mundo real vivem no transe disneyano almejando ser como seus ídolos televisivos, enquanto seus pais, afobados para fazer as vontades de seus filhotes queridos, se apressam a gastar seu suado dinheiro para comprar a fantasia da Hanna Montana. Será que a Disney tem razão?

Comentários

  1. Adorei! Sao poucos os personagens que realmente acrescentam alguma coisa. Seria bacana tb ler uma analise dos personagens principais de Two and a Half Men e Gilmore Girls. :)

    ResponderExcluir
  2. Infelizmente, não conheço esses personagens e... por enquanto não vou ter a honra de conhecê-los...

    ResponderExcluir
  3. Não sei bem onde o erro começa, só sei que não termina.
    Gerações atrás, tínhamos os violentos Tom & Jerry, Picapau, Pernalonga... e eles não foram responsáveis por criar uma geração violenta. Porque, naqueles tempos, eram os pais que criavam os filhos, e não a TV. A TV era só um entretenimento, apreciado com moderação.
    Não sei se esses desenhos modernos estão criando "pequenas misses sunshine", se nossas crianças estão espelhando esse comportamento ditado pelos cartoons, ou se é exatamente o oposto - eles se tornam populares por espelharem a futilidade presente na nova geração. De qualquer maneira, não importa se eles dão a primeira dose ou se apenas sustentam o vício - o fato é que eles sustentam! Boa parte dos novos pais são adultos teleguiados - cresceram sendo "educados" pela TV. Consideram isso normal, portanto. Não dá para culpá-los! Não dá para dizer "tirem seus filhos da frente da TV", porque eles responderão: "não há nada de mal! Eu cresci assim e estou bem!".
    Está tudo errado!
    E só nos resta, mesmo, criticar, porque não parece ser possível consertar.

    ResponderExcluir
  4. Obrigada pela colocação, triste mas sensata :-)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …