Pular para o conteúdo principal

INDIVIDUAR-SE E TRANSFORMAR O MUNDO

Adriana Tanese Nogueira



Não se individua quem não está em relação com o mundo,
mas quem se individua
opera sobre o mundo uma verdadeira trasformação.
Carl Gustav Jung 

Dizia Einstein que "não se pode resolver um problema no mesmo plano de consciência que o criou", significando que há de haver um salto de consciência, a evolução para uma nova visão da
realidade para que um problema aparentemente insolúvel seja superado ou resolvido. "Plano de consciência" quer dizer mentalidade, forma de ver, de entender-se, de interpretar e compreender a si e aos outros, ao mundo como um todo. Um plano de consciência é como o andar de um prédio. Evoluir é ir para o andar de cima e depois para o seguinte, e assim em diante. De cada andar se tem uma visão, quanto mais alto se vai mais coisas se enxergam. O que percebe a formiguinha que anda pelo tapete florido de sua sala? Será que ela vê o desenho que as flores formam? Ou não será que entrevê vagamente grandes manchas confusas, sem forma e sem sentido?

Ao nascermos e crescermos num determinado ambiente somo como as formiguinhas caminhando sobre um tapete persa de desenho complexo e multicolorido que nada mais parece que um chão desordenado de cores e traços que não querem dizer nada. Da mesma forma, no mundo interior estímulos e sensações se amontoam sem que saibamos dar razão deles, logos os declaramos "sem muito sentido". Pessoas de mente estreita julgam o que não compreendem como insensato ou inexistente, não passando por sua cabeça a possibilidade que falte a elas o conhecimento e os recursos necessários para entender. A formiguinha que tem sua rotina sobre o tapete persa não vê o que está além de seu pequeno nariz. Mas o mundo é maior. Há outros pontos de vista, superiores porque mais amplos.

Individuar-se corresponde ao processo que uma pessoa enfrenta e realiza para ir escapando das grades que aprisionam sua visão, para elevar-se sempre mais alto e, diferentemente do olho físico que quanto mais longe estiver do objeto mais embaçado o verá, na individuação a elevação da superfície permite maior definição. Um sujeito individuado é um indivíduo em alta definição, ou seja alguém no qual nada mais resta do que banaliza e reduz um indivíduo a mero espelho do que dele é esperado. Individuada é aquela pessoa que não é reflexo de estereótipos e modelos de comportamento, supostas "essências", repetição de tabus e preconceito, slogans e etc. E também não é o contrário deles.  

Há quem gostaria de mudar o mundo, todos gostariam de mudar suas vidas e o ambiente imediato que os rodeia. Mas como fazer isso permanecendo no mesmo plano de consciência do que se quer mudar? Pode-se modificar a configuração dos móveis da casa, mas mudar a casa implica evoluir como pessoa. Com enorme frequência, tem-se uma vaga idéia, uma "sensação" do que está errado e se reage ao ambiente com base nesse input interno. Entretanto, essa tática semi-inconsciente só produz reclamão, críticas e uma pseudo mudança, efêmera e transitória. Uma intuição vaga e um sentimento forte do que está errado não são minimamente suficientes para criar mudanças reais, pois é como acrescentar um temperinho exótico numa feijoada: vai perder-se no sabor denso do prato feito de cada dia.

A intuição e o sentir são as vanguardas do movimento de individuação, chegam para alertar, chamar a atenção, cutucar. Em seguida, deve haver o trabalho efetivo de tornar aquela intuição numa realidade interna própria, o que corresponde a uma mudança de governo interno, um reequilíbrio de poderes, um ajuste de prioridades, uma reflexão honesta sobre o que se pensa e faz, uma reelaboração da forma de relação e muito mais. Prestar atenção à intuição - que, segundo Einstein, é a coisa mais importante de todas - implica estar dispostos a uma revolução interna que leva a reavaliar todo um estilo de vida e uma identidade no mundo. Nesse processo, que é lento e profundo, uma pessoa vai de fato se tornando sempre mais ela mesma. Ela descobre que o que ela achava que era não passava de miragem, de fachada, de faz de conta para agradar, pertencer ao grupo, ser amada, etc. Quanto mais prosseguir o processo de individuação, mais o que há de único no indivíduo se manifesta ao mesmo tempo em que ele se torna também mais universal, mais próximo, de alguma forma, do humano, da essência de todos nós.

Para mudar o mundo precisa ter algo para contribuir que seja mais do que uma variação no menu de cada dia. A transformação sobre o mundo é operada por aqueles que já a realizaram antes dentro de si e, livres de estereótipos e compulsões internas, conscientes do quadro maior, podem inserir-se na realidade de forma tão criadora quanto efetiva.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…