Pular para o conteúdo principal

SABER SOFRER E AMADURECER

Ninguém gosta de sofrer. Entretanto, às vezes é essencial saber viver o pathos, ou seja, receber o golpe, admitir a dor e ficar com ela. “Pathos” vem do grego antigo e significa sentir, ou melhor padecer. Para os gregos, mesmo as emoções positivas são “sofridas” porque emoção é algo que não controlamos, nos pega à nossa revelia, nos tira da zona de conforto, de controle e da razão. Sentir por si só é con-sentir, aceitar sentir, aceitar experimentar algo que nos atinge sem pedir licença, descambalhando nossa rotina. Mas, pior do que sentir é sentir o sofrimento.  

Por isso muita gente foge. É possível fugir da dor antes mesmo de senti-la. Existe uma espécie de sensor psíquico (a resistência freudiana), um radar que registra sinais mínimos abaixo do limiar da consciência e prontamente reage a eles. Eventos desagradáveis, verdades que não se queriam que existissem, descobertas amargas e outros fenômenos do tipo são captados numa fração de segundo e promovem a fuga imediata do ego, que finge então que "não sente, não sabe, não vê"... A pessoa retrai sua percepção para não encarar a visão emergente, foge o dar-se conta. Evitar a tomada consciência tem a função fundamental de manter o status quo, porque depois que nos tornamos conscientes de algo não podemos mais fingir. A tomada de consciência é a única forma efetiva para promover um movimento progressivo que não tem retorno.

Para esquivar-se do impacto do que dói, o ego deve criar distrações. Estamos cheios de oportunidades para isso: TV, música, amigos, festas, compras, esportes, trabalho... Tudo pode se tornar uma forma de escape de si mesmo. Mas como nem sempre a distração funciona e a angústia se faz mais forte, outra estratégia é posta em ação: deslocar a ansiedade que está logo abaixo do limiar da consciência para outros lugares e situações, menos comprometedoras (estratégia psíquica apontada pela primeira vez por Freud no seu Interpretação dos Sonhos de 1899). Por exemplo, brigamos, criamos um alvoroço do nada ou exagerado, ou seja, despistamos nossa consciência para evitar perceber o que temos medo de encarar. Simples, não? Basta um pouco de honestidade e prática para perceber a dinâmica.

Saber sofrer significa então deixar cair o telão e descortinar o está por trás dele, atrás das aparências. Sofrer, às vezes, é como tomar um remédio amargo. É desagradável, pode ser intragável, mas uma vez que o aceitamos temos uma chance real de cura. E então podemos fazer planos reais para nossa vida. Este é o passo que marca o amadurecimento pessoal

Dói enxergar que o pai que amamos nos prejudicou, sem saber, sem querer, mas fez. Dói se dar conta que a mãe nos traiu, sem saber, sem querer, mas fez. Dói encarar que a promessa implícita foi quebrada porque a vida mudou e levou. Dói identificar a insensibilidade e a inveja onde se acreditava estar pisando em terreno seguro. Dói se dar conta que as pessoas que amamos ou que consideramos amigas não são exatamente como imaginávamos, ou melhor não o são mesmo. E dói descobrir que as escolhas de vida que fizemos 10, 20 ou o ano passado não significam mais nada para nós hoje, pelo contrário nos desviam do que somos.

Saber sofrer é aceitar a desfeita de crenças que não mais se sustentam, meras fantasias infantis. Saber sofrer é lembrar-se de que somos também pequenos e não sabemos muita coisa. É reconhecer que o mundo, a verdade e o todo são maiores do que nós e que algo foi vencido. Algo precisa ficar para trás, a criança que foge do dodói - para o adulto nascer.


Adriana Tanese Nogueira

Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, interprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321 www.adrianatanesenogueira.org

Comentários

  1. Pois é, mas parece que hoje em dia, um 'comprimidinho' é sempre mais fácil...

    ResponderExcluir
  2. Entendo que se não passamos por essas etapas, não crescemos...
    O nosso ego sempre tenta nos proteger de todo sofrimento e isso também é um sofrimento. O remédio é realmente muito amargo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…