Pular para o conteúdo principal

SÓ MUDAMOS A NÓS MESMOS... VERDADE?

Adriana Tanese Nogueira


Uma das grandes lições da vida é aquela de  aprender a aceitar o fato que não podemos "mudar aos outros". Em teoria, todos concordam com essa frase: mudamos só a nós mesmos, não aos outros. Quem já tentou mudar alguém conhece o impasse, é como tentar derrubar uma parede de borracha: ela sempre volta ao estado anterior. Entretanto, se avançarmos no autoconhecimento fazemos uma descoberta bem interessante: podemos mudar aos outros, sim! O movimento que permite esse processo é dialético, não linear "causa-efeito". 

Vamos entender como funciona essa dialética da mudança. Fase 1: quero mudar meu namorado porque ele está fazendo coisa errada, sofre e/ou me faz sofrer. Fase 2: já fiz de tudo e ele não muda, parece até que quanto mais eu tento mais ele fortalece o jeito errado que estou tentando mudar. Eu só posso mudar a mim mesma. Fase 3: Resolvi entender meu comportamento e me trabalhar. Aconteceu que, mudando a mim mesma eu induzo sem querer mudanças nele.

Nossa identidade e modo de ser são o resultado de uma aliás de muitas relações. Nós somos relação. Quem não sabe que o filho de pais agressivos com toda probabilidade irá repetir os mesmos abusos sobre seus filhos? Que a criança rejeitada se tornará um adulto que rejeita? Temos inúmeras provas de que podemos mudar aos outros - para pior. Basta bater (física ou psicologicamente) muito numa pessoa por tempo suficiente e o dia em que ela terá uma arma (física ou psicológica) nas mãos irá usá-la. A questão, então, que nos interessa é como criar mudanças positivas. Quando se pensa em mudar alguém se visualiza uma processo que retire o ruim da outra pessoa e deixe ou desenvolva o bem. E como é difícil fazer isso acontecer!

O fato é que não podemos moldar o outro. Cada um já vem com bagagem e história, e aqui entra a questão da aceitação da outra pessoa e do respeito por ela. Temos que ver se queremos realmente a tal pessoa ou se queremos usar o indivíduo para fazer dele o ideal que temos na nossa cabeça. Por outro lado, porém, o nosso comportamento influencia, sim, o do outro, e isso porque formamos todos um sistema onde qualquer mudança se reflete no todo.

Em sistemas pequenos como o da relação a dois as mudanças repercutem com muita mais intensidade do que em sistemas grandes como o social. Se observarmos com atenção, toda relação responde a leis internas. Uma mulher solícita, que se coloca em segundo plano, que não assume o que precisa terá marido e filho preguiçosos e egoístas, ambos usando sua posição, um de "homem da casa" e o outro de "filhinho da casa", para manter as conveniências deles. Uma mulher ingênua demais terá um homem aproveitador, e o fraco terá a manipuladora. E assim em diante.

Num movimento dialético, é possível ver claramente a interrelação entre um e outro. Logo, a frase "só se pode mudar a si mesmos" continua válida mas numa nova acepção. O crânio de cada um é individual e fechado, mas a psicologia não existe trancada no  individual. Nada está separado de nada, estamos todos em relação. A contaminação se espalha com rapidez. E é por isso que escrevo este artigo, para fomentar a mudança. Cada ato nosso tem repercussões. É por isso que quando uma relação precisa de mudanças, basta que um comece o processo que o outro terá de lidar com ele, inevitavelmente. Quem sabe o que faz e porque faz pincela o mundo de novas cores.

Comentários

  1. Não só gostei como peço licença para adotar a frase: "Quem sabe o que faz e porque faz pincela o mundo de novas cores." Muito bom o seu artigo; continue assim e semppre estarei por aqui a lê-los.

    ResponderExcluir
  2. Estou gostando muito do seu site!!! Ha uns dias que venho lendo ele aos poucos diariamente... E estou gostando muito!!! Obrigado pelos excelentes textos!!! Como eu disse, estou gostando muito!!! Talvez vc jah deve ter ouvido de outros, mas: Nao sabia que Psicologia era tao legaaaalll!!!

    ResponderExcluir
  3. Muito bons seus artigos Adriana! parabéns....

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pelas excelentes reflexões...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…