Pular para o conteúdo principal

Discorso sulla verità

Silvia Montefoschi

LA DOMANDA DELLE DOMANDE: che cos’è Verità?
COLORO CHE SONO (nella verità) non hanno bisogno di fare gruppo, di fare rete come gli atomi che fanno molecola, reti molecolari.
COLORO CHE SONO nella verità non hanno bisogno di sostenersi a vicenda per farsi forza in quanto è la verità stessa e non il gruppo, la loro forza.
COLORO CHE SONO nella verità non hanno bisogno di convertire gli altri, di convincere gli altri, di fare proselitismo ma la stessa energia la possono utilizzare con più proficuo nel mantenersi fedeli alla verità che è la loro forza.

La verità è la Relazione stessa.
La Relazione è Dio, la Verità e se noi siamo FEDELI alla Relazione, la Relazione è FEDELE a noi.
Chi è con Dio non è mai solo.
La MENZOGNA ha le gambe corte e prima o dopo i nodi vengono al pettine: per questo la Menzogna ha bisogno di fare gruppo, di fare massa, di convertire, poichè sa di non essere forte.
E’ la VERITA’ che da la forza, la vera forza, solo la Verità rende forti e nutre veramente.
Non si tratta di servire la Verità ma di ESSERE la verità.
COLORO CHE SONO sono la VERITA’ altrimenti non potrebbero ESSERE poichè solo la VERITA’ fa ESSERE sempre più ESSERE.
Le menzogne non superano il loro tempo e si confutano da sè.
I tempi della menzogna possono essere anche molto lunghi ma non infiniti: la Verità regge la prova dell’infinito.
Ci vuol ben altro che un esperimento per confutare la Verità ma “n” esperimenti perchè la verità è sempre l’eccezione alla regola e non la regola.
“IO SARO’ CIO’ CHE SARO’” disse il Dio.
La VERITA’ è la RELAZIONE.
Il Pensiero infatti non RAPPRESENTA la realtà ma la CREA.
“IO SARO’ CIO’ CHE SARO’” ci ricorda e ci ammonisce.
Quindi basta con i feticismi di ogni tipo e lasciamo che la RELAZIONE diventi ciò che deve diventare: soprattutto non facciamo resistenza perchè intanto per quanti anni o secoli se non millenni le resistenze possano rallentare il PROCESSO AUTOCONOSCITIVO DEL PENSIERO alla fine LA VERITA’ IN INFINITO DIVENIRE TRAVOLGE I FILISTEI.

Comentários

  1. a proposito da verdade e de deus, como explica que uma pessoa crente seja mentirosa, mentirosa de coisas pequenas e de coisas grandes, que se auto desculpa pedindo perdão a deus.
    e vira a página da mentira e escreve nova pagina de mentiras

    Cara Adriana, como psicologa, qual a razão de uma pessoa mentir, mentir muito, ao ponto de perder a credibilidade junto dos que os rodeiam e continuar a mentir. Estará associado a algum trauma de infância? Sempre ouvi dizer q há uma fase em q as crianças mentem, qdo aprendem o poder da palavra. Mas continuar a mentir pela vida fora?
    se me puder ajudar, obrigada!

    ResponderExcluir
  2. Crenças religiosas são o que diz a palavra: "crenças". Crer não quer dizer SER. Tornar-se algo em que se acredita é trabalho PSICOLÓGICO não espiritual. E é desse trabalho minucioso, profundo e nem sempre luminoso que tantos religiosos fogem, intensificando crenças e orações. Enquanto isso sua casa, interna e externa, está à mercê do que eles não querem ver.

    ResponderExcluir
  3. obrigada pela resposta Adriana

    e porquê que as pessoas mentem? refiro-me a mentiras que prejudicam os outros e às vezes ao proprio mentiroso

    ResponderExcluir
  4. Por que? Porque são ruins? Não se dão conta das consequências? Foram acostumadas assim? Não se dão conta de mentir? Vária razões...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …