Pular para o conteúdo principal

O Mal: o que fazer com isso?

Adriana Tanese Nogueira

A questão do mal é antiguíssima. A teologia desenvolveu no passado um ramo chamado teodicéia que visa justificar o mal, no sentido de explicar a presença do mal num mundo criado por um Deus supostamente bom. Este é um desafio que deve ter atravessado a mente de todo mundo num hora ou outra da vida. É um dos assombros mais atordoantes o de enxergar a quantidade de mal existente apesar desse nosso cristianismo estar há 2000 anos batendo na tecla da infinita bondade de Deus. Por não encontrar respostas satisfatórias a essa pergunta, inúmeras pessoas se afastam da religião ou se afastam do raciocínio, agarrando-se a respostas dogmáticas. Mas dogmas não são pessoais. A solução a esse dilema deve tocar a alma de uma forma pessoal para ter efeito.

Carl Gustav Jung foi o primeiro - e, que eu saiba, único até hoje - a se debruçar de 
verdade sobre um assunto tão escabroso. O que ele fez, como bom cientísta, foi deslocar a conversa do plano da teologia para aquele da psicologia. Esta estratégia é sensata não só porque ele não era um teólogo como porque querendo permanecer do lado de cá do pensamento racional, aquele que indaga, pesquisa, compara dados, analisa e enfim processa informações de forma lógica, Jung não quis e não podia basear-se em dogmas para deles deduzir conhecimento. A ciência se fundamenta na experiência para dela extrair conhecimento, conhecimento este sujeito a mudança caso a experiência aponte para novas direções ao contrário dos dogmas que forçam a experiência dentro de idéias que permanecem imunes à realidade concreta. Mas cada coisa tem seu sentido, inclusive os dogmas religiosos. Não vamos porém ficar neles, agora.

Há um moralismo a respeito do mal. Todos os temem, dão as costas para ele e acabam por praticá-lo na surdina. As pessoas "boas" não gostam de falar do mal. Há quem ache que apontar o mal é fazer uma  "critica", o que é "feio". Há outros que acham de mau gosto falar do mal porque devemos é falar de coisas boas, manter a mente "positiva". Todas essas pessoas obtêm o simples resultado prático de permitir que comportamentos maus corram soltos e livres poluindo suas vidas e as dos outros. A idealização da luz produz tanta cegueira quanto a perda da luz. Bem dizia Don Juan de Carlos Castañeda "Muita luz é como muita sombra: não deixa ver."

A verdade é que não se sabe o que fazer com o mal. Se fecha um olho e chamamos isso de ser "tolerantes"; se releva e nos dizemos "bondosos"; aguentamos e nos acreditamos "fortes". Na minha modesta opinião, tudo isso não passa de ignorância, tolice e medo. Medo de encarar, ignorância por não saber o que fazer uma vez encarado, e tolice por inventar contos da carrocinha quando não passamos de cúmplices. Afinal, pior de quem faz o mal é quem vê (ou percebe) e se cala. Não existe indiferença ao mal: ou se é a favor ou se é contra. Não tem meio termo nessa questão.

Saber reconhecer o mal e aprender a lidar com ele não deve, contudo, ser uma forma de nos erguer ainda mais alto no plano dos beatos. Já foi feito isso, continua sendo feito e com péssimos resultados, entre eles: hipocrisia e crueldade. A única forma de enfrentar essa fera é encontrando-a dentro de nós, reconhecendo-a a partir de nós. Opa! Isso é desagradável, não? Mas necessário. Somente este caminho permite sermos tão humanos quanto radicais. Humanos porque entendemos de fato os outros. Mas entender não equivale a aceitar, é porque entendemos como funciona e como se livrar dele que podemos ser efetivamente e humanamente radicais na hora da atitude.

Essas ambiguidades pervadem a vida de cada um. De inúmeras formas bem e mal estão entrelaçados nas relações com quem amamos, nas nossas melhores intenções, na nossa generosidade, no nosso ambiente de trabalho. Reproduzimos o mal e complicamos a solução quando fechamos os olhos e fugimos, amedrontados, covardamente nos escondendo atrás de argumentos e falsas bondades. 

O que é o mal é uma questão filosófica e teológica que merece atenção. Mas nesse âmbito, não nos interessa saber o que é mal, interessa-nos viver melhor, na prática, no dia-a-dia. Sabemos do mal porque o reconhecemos: ele dói, tarpa as asas, prende, sufoca, inibe, dá medo, sabota, confunde, cria dúvidas... Aparece em pensamentos, sentimentos, sensações vagas, comportamentos, palavras, "esquecimentos", "distrações", e em muitas outras brechas.

Será que não está na hora de pegar o touro pelos cornos e enfrentar o assunto? Para quem está pronto este curso pode ser útil : A sombra em mulheres e homens, fruto de saber e vida, sangue e neurônios.

Comentários

  1. Adorei Adriana! Nunca gostei de empurrar o ruim com a barriga, mas ninguém gosta muito de resolver conflitos e admitir o mal. Eu mesma achava que o que eu não fosse capaz de fazer com alguém esse alguém não faria comigo. Em 2010 eu descobri que o mumdo não é cor de rosa assim... O curso é só presencial?

    ResponderExcluir
  2. Oi Ananda,o curso pode ser online também, com a duração de 4 semanas. O material é dado online e o fórum de discussão também. Se se interessar, me avise.

    ResponderExcluir
  3. Vamos organizar um mini-curso? Vou organizar isso e lançar no facebook, ok?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …