Pular para o conteúdo principal

ORGANIZAÇÃO E DISCIPLINA

Adriana Tanese Nogueira

Toda empreitada requer organização e disciplina. Com a primeira criam-se as condições para a realizção de um projeto, com a segunda se matém o passo que leva ao resultado final. Alguns dizem que essas capacidades começam no berço e que uma vez perdida a oportunidade de aprendê-las, é muito difícil conseguir desentortar o que cresceu torto. Mas isso não é verdade. Existem abordagens efetivas para promover organização e disciplina. Nos negócios como na vida, não basta ter visão, precisa também saber implementar e levar adiante o que se idealizou e se sabe ser possível.

Organização e disciplina são como as duas pernas que permitem a caminhada rumo aos nossos objetivos. A organização começa pelas idéias: definir o que se quer, como se quer e o tempo que queremos ou dispomos para realizar o projeto. Sem objetivos claros não tem como traçar estratégias, as quais devem ser tanto mais precisas quanto queremos que sejam efetivas.

Estratégias são o marco de um projeto: elas representam a resposta à pergunta “Como vamos chegar lá?”. Para criar estratégias é preciso conhecer o ambiente no qual estamos realizando nosso projeto e a partir daí definir a melhor abordagem para alcançar nossos potenciais interlocutores.

A disciplina entra em cena ao implementar o projeto. Assim como são precisos nove meses ou dez luas para gestar um filho, da mesma forma a idéia na cabeça para sair do mundo ideal e entrar naquele real necessita de tempo. Essa transição até a realização plena requer a disciplina, por exemplo, a continuidade dos hábitos saúdaveis para os nossos objetivos. Há coisas que precisam ser feitas com regularidade, todos os dias, às vezes até sempre no mesmo horário. Há iniciativas que precisam ser tomadas, há trabalho a ser feito que não pode esperar, mesmo que estejamos cansados ou que outras coisas apareçam no caminho. Disciplina é a força interior que agarra o timão do navio e o mantém na direção escolhida.

Uma vez que o projeto começa a ganhar asas, a organização é como o óleo do motor graças ao qual o carro anda suavemente. Assim como o óleo, a organização precisa de períodicos checkups: novos aspectos podem precisar ser acrescentados, deve-se  rever o que já existe, aprimorar e burilar para melhores resultados. Tudo muda, precisamos não só nos atualizar como atualizar a forma como trabalhamos, portanto afinar a organização. Naturalmente, é pela disciplina que esse processo constante de crescimento acontece. Aparentemente, a fé move montanhas, mas se você não se levantar da cadeira e for fazer uma série de atividades repetidas todos os santos dias, dando um passo atrás do outro sem parar, com certeza não chegará à montanha.

Concluindo, uma boa organização é o resultado de uma mente clara. Pode haver agitação em volta, muita coisa para fazer, mas há de haver um espaço mental onde se enxergam as coisas com tranquilidade para poder organizá-las, caso contrário se é atropelados por emergências e eventos de todo tipo. Disciplina é a consequência do caráter da pessoa que sabe se manter firme diante das mais variadas tentações e distrações.


Excesso de organização e disciplina porém são o fruto da mente neurótica. Colocar organização e disciplina acima de tudo é acaba por destruir o próprio sentido do projeto, a alma do mesmo. Se organização e disciplina são como as duas pernas que nos permitem avançar, não nos esqueçamos que também temos uma cabeça e um coração.

Comentários

  1. ok muito boa essa força de insentivo. gostei. no meu blogeer que fiz recentemente tem um pouco dessa força. www.mdcs3.blogspot.com DEUS te ilumine. + e +

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …