Pular para o conteúdo principal

Sonho sobre como funciona o casamento patriarcal

Adriana Tanese Nogueira

A sonhadora assiste à seguinte cena:


Há uma moça que tem três pretendentes. O primeiro era jovem como ela, o segundo andava sempre com um amigo com o qual fazia tudo, o terceiro era um homem bem mais velho. Ela se encontra com o primeiro, rapaz legal. Sendo os dois jovens se sintonizam bem. Em seguida, deveria se encontrar com o segundo, que porém estava malhando junto ao amigo e portanto não aparece. Então, irrompe no local o terceiro meio apressado e decidido em ter o que queria. Ele pega as mãos da moça que parecia uma menina perto dele. Ela não ia muito com a cara dele, mas ele assume a liderança e ela, por ser jovem e ingênua, segue. Nada de mal parece acontecer... O homem a pega pelas mãos e inicia uma espécie de dança. Na dança a dois, como se sabe, o homem leva. Ao terminar a dança, surge uma nova mulher. Ela parece mais velha do que a moça e se encontra ao lao do homem, como mulher dele. No chão está uma figura humana escura, como se fosse uma folha grossa de papelão, deitada no chão. O homem diz: Isso não existe mais.

Análise do sonho:



A moça representa a mulher,  jovem porque inexperiente. É ingênua porque se deixa levar pelas aparências, pelo charme da superfície, pelo antigo jogo da sedução.

O primeiro homem representa o novo homem, jovem ainda ou seja ainda imaturo. É o modelo masculino do futuro. Por ser novo ainda não tem força o suficiente para "fincar".

O segundo homem representa o homem narcisista e egocêntrico, aquele cujo interlocutor não é seu feminino interno (e portanto nem o externo) mais outro igual a ele. Este é o homem mentalmente homossexual, que transa com as mulheres mas ama mesmo o mundo masculino (o próprio). Os valores do feminino lhe são estranhos. É um homem que está ocupado consigo mesmo.

O ser mais velho do terceiro homem representa sua força. O experiente "sabe como se faz", funciona segundo um modelo testado e retestado. É o homem que se insere no padrão masculino tradicional e o atua com toda a autoridade que vem de milênios de tradição. 

O homem mais velho que se une à jovem representa o modelo patriarcal de relacionamento onde ele é quem sabe e quem lidera e ela é quem é instruída e é levada. Ela entrega as rédeas de sua vida a ele. Ele é chefe, ela é seguidora. Para que esse modelo funcione, ela precisa ser "mais jovem", o que não significa necessariamente ter menos anos mas manter aquela atitude mental e emocional da jovem ingênua que pouco sabe, muito crê, sonha e confia. Com os anos, esse "ser jovem" significa simplesmente "ser (manter-se) imatura".

Sabendo o que quer, o homem mais velho pega as mãos da moça: as mãos representam o nosso operar. Ao pegar as mãos de alguém você inviabiliza a pessoa de fazer qualquer outra coisa a não ser "estar nas tuas mãos". De fato, quantas mulheres se realizam como pessoas dentro de casamentos patriarcais?

Ele toma as mãos dela e a leva (não a convida) para uma dança: a dança da corte. Ele é mestre, sabe muito bem o que faz. Braços levantados, em volta dos corpos, voltas e meia voltas, passos cruzados. A dança não dura muito (como não dura muito o tempo gostoso do namoro quando "ele era diferente"). No final dela, o casal está criado, a moça de antes não existe mais e no lugar dela tem uma nova mulher.

Não haveria problemas se não houvesse uma sobra. A operação de acasalamento produz uma sobra: a SOMBRA. A sombra da mulher que o homem declara "não existir mais" é a pessoa de antes com tudo o que dela não se encaixa na presente relação. Para que excluiría-se algo se não porque esse algo não cabe no modelo, na situação, nas regras do jogo?

Lembramos que no sonho, a moça não estava muito interessada no homem mais velho, entretanto agora dessa falta de desejo inicial não restou mais nada, assumiu a posição de mulher dele, a mulher que o homem criou (Eva saindo da costela?). Da identidade inicial não nada restou, só uma sombra.

A sombra das mulheres formatadas para caber no casamento patriarcal contém então os resíduos de sua personalidade originária que foram eliminados para que a formatação funcionasse (ou seja o casamento se sustentasse). Entre esses resíduos encontramos: sua independência, seu pensamento e seus desejos.

Comentários

  1. que pena que ainda hoje existam mulheres assim, seja por motivos emocionais ou financeiros... :(

    ResponderExcluir
  2. Isto não foi um sonho, foi minha realidade, inclusive em não me interessar no início. Mas, às vezes, de tempos em tempos, tinha forças para encarar minha sombra, e então vinham as brigas. Infelizmente, há pouco tempo cheguei a conclusão que ele era misógino (na minha interpretação), pois a culpa de todos os nossos problemas era minha, chegando até a me culpar por não fazer atividade física. Ele vivia me dizendo pra mudar, então depois de mais de uma década eu mudei, só que não era bem pra o destino que ele esperava, eu me "re-conheci" e me fortaleci. Como ele não pretende mudar (já que ele nunca acha que errou), infelizmente pra ele e pra nós, vamos seguir cada um ao seu modo. Fico torcendo pra que ele consiga lidar com suas dores, trabalhando seu interior, para que enfim consiga ser feliz.

    ResponderExcluir
  3. Eu torço para que vc reencontre a si mesma e se empodere. Boa sorte!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…