Pular para o conteúdo principal

Vencendo o alcoolismo

Adriana Tanese Nogueira

Há um autor americano, Jack Trimpey que escreveu um livro revolucionário sobre o alcoolismo, chamado Rational Recovery ("Recuperação Racional"), o qual deu origem a uma linha de recuperação do alcoolismo que vai na direção oposta àquela proposta pelos Alcóolicos Anônimos.


Trimpey era ele mesmo dependente do álcool por muitos e muitos anos. Havia tentado parar e recorrido ao AA. Aparentemente, muitos alcoolicos não se reconhecem no AA. Nos EUA há a possibilidade da família fazer internação compulsória e da empresa exigir a internação como condição para a manutenção do emprego. O seguro de saúde paga pelas internações, que duram geralmente 30 dias e os hospitais também oferecem programas de desintoxicação e de recuperação para os dependentes químicos. Todos eles estão baseados nos Doze Passos inaugurados pelos AA. Existem hoje em dia adaptações dos Doze Passos para qualquer droga e extendeu-se para muitos distúrbios psicológicos. Tem o Neuróticos Anônimos e até os Emotivos Anônimos.


Conforme o autor do livro, porém, a proposta do AA é indigesta para muita gente, sem contar que as estatísticas confirmam que a taxa de recuperação é baixa. Com frequência quem vai ao AA já parou, ou já está decidido a parar. Em particular, Trimpey se incomodava com dois aspectos dos Doze Passos, interligados entre si: a idéia que alcoolismo é doença e a entrega ao "poder superior".


Que o alcoolismo é uma doença é uma interpretação bastante conhecida. Nos primórdios do surgimento do AA, o que ocorreu foi, na verdade, uma transposição da visão religiosa moralista, segundo a qual um alcoolismo (e toda dependência de droga) é um vício, algo moralmente condenável, resultado de uma alma fraca e pecadora, para a visão médica, segundo a qual o alcoolismo é uma doença. Em ambos os casos, a pessoa é vítima (do diabo ou do vírus/gene). No caso da doença é ainda mais vítima. Quem tem culpa por estar resfriado? Ou por ter uma bronquite, ou o alcoolismo? Diz-se, inclusive, que filhos de alcoólatras têm 50% de chance de se tornar alcoólatras eles mesmos, ou dependentes de outras drogas, enquanto a chance padrão de todos os outros é de 25%.


Entretanto, acontece que nunca foi encontrado o vírus do alcoolismo. Ou seria uma batéria? É um gene? Onde está? O alcoolismo é uma das raras doenças das quais não se sabe de onde vem, "onde está". Revela-se aqui a contradição que desmascara a ignorância geral na qual ainda nos encontramos: se o alcoolismo é doença, há de ser visível no microscópio.


O segundo questionamento de Trimpey é aquele que muitos contestam a respeito do "poder superior". Os AA dizem que não é necessariamente Deus. Cada um nomeia esse poder conforme sua crença. Pode até ser a "energia" de Einstein. O fato é, porém, que as pessoas são o que são e na hora de idealizar o tal poder encolam nele uma imagem do seu Deus, conforme sua educação religiosa. Agora, entregar-se a um Deus no lugar de entregar-se ao álcool parece inapropriado do ponto de vista de quem está já se sentindo um fraco porque não consegue resistir ao álcool. O raciocínio não é tão ruim assim. O que Trimpey quer derrubar é a idéia do coitadinho. Segundo ele, o alcoólico é o que é porque quer. É uma escolha. Que seja uma escolha idiota, diz ele, é verdade. Mas é melhor ser um idiota do que ser um doente. Um doente não tem poder sobre sua doença, mas uma estupidez pode ser mudada. Surge então a pergunta: por que alguém faria uma idiotice dessas? Por que o alcoolismo é tão forte? Por que ele se origina e é nutrido pela busca do prazer imediato. É o que diz Trimpey.


O retrato que Trimpey traça do processo interno do alcoólico é tão realista, ou melhor, é tão intenso e psicologicamente fundamentado que mesmo quem não tem nenhuma experiência com dependência química parece que consegue ver de dentro da psique do alcoólico como funciona a dependência, como se é constantemente seduzidos, como se cede, como se é vencidos. A luta interna é palpável nas linhas do livro, a vontade, o medo, a derrota, o prazer.

A busca de prazer imediato é o motor do alcoolismo. Para superá-la, o alcoólico deve se dar conta que essa busca atende às necessidades de um "monstro" interno, sua "sombra" em termos junguianos. A besta interior não está nem aí com a saúde, com a esposa ou esposo, com os filhos, com o mundo, com nada. É um "monstro" porque quer fazer seu interesse a qualquer custo. Quando o alcoólico se dá conta que está pondo sua vida e aquela daqueles que ele ama a mercê da besta interior do prazer imediato, besta que é burra e gananciosa, então o alcoólico se divorcia dela, reconhece sua loucura e simplesmente se desfaz dela.


Muitos são os casos de recuperação completa e definitiva - nada de recaídas - que o programa do Rational Recovery permitiu. É um trabalho individual no qual a pessoa toma as rédeas de sua vida, é ela consigo mesma. Essa pessoa descobre que está sendo uma idiota e resolve acabar com isso. Simples.


O método? Desenvolver o que tradicionalmente se chama de "presença" e que Trimpey chama de AVRT (os americanos adoram uma sigla) que está para "Addicted Voice Recognition Technique", ou seja se trata de uma técnica para reconhecer a voz da "besta" interior, daquele alcoolizado interno endoidado de prazer que clama e grita por mais. Apesar de Trimpey não apelar nem por um segundo à psicologia, esse é uma atividade emininentemente psicológica. Fazemos isso toda vez que queremos mudar-nos subvertendo uma dinâmica compulsória interna que nos leva a repetir os mesmos comportamentos. No caso do alcoolismo, essa dinâmica forçada, esse autômata interno que busca o prazer imediato proporcionado pela droga sem pensar nas consequências precisa de uma mão forte para ser parado. A força dessa mão corresponde à consciência do mal que causa, e causa a você, alcoólico. Essa sua vontade de beber não está nem aí com você, com sua saúde, com seu amor e com as coisas mais sagradas de sua vida.


Gostei do livro, achei-o uma excelente alternativa ao AA. O autor escreve das entranhas e para mim esse é um marco de genuinidade. Gosto da idéia que é melhor ser idiota do que ser doente, dá dignidade à pessoa. Estupidez tem cura. Gosto de ver uma pessoa reconhecer a voz interior da besta embrutecida e resolver não ouvi-la mais. De acordo com vários depoimentos contidos no livro, uma vez que a pessoa reconhece a voz da besta a deixa de lado rapidamente e com facilidade. É como se você descobrisse que seu melhor amigo é na verdade seu pior inimigo. Antes você dava importância a tudo o que ele falava, mas de repente, a máscara cai e você, decepcionado e cansado, simplesmente o deixa falar sozinho. 


Enfim, o ganho que a Rational Recovery oferece é a possibilidade de assumir cada um sua escolha e mudar de cabeça alta. Mudar por escolha, não por derrota. O alcoolismo pode ser vencido. É só você querer.


Os outros podem ajudar? Sim, ajudam quando não querem salvar o alcoólico (isso o AA já falava). Chegar à conclusão que há um idiota interno controlando nossa vida não é agradável, deixem que a pessoa se encontre sozinha. Segundo Trimpey, também, a famosa negação do alcoólico não existe. O alcoólatra simplesmente mente. Mente que vai parar, mente que quer parar, mente que é independente da droga. Mente. Não quer admitir que deixou a besta idiota governar sua vida. Você, mãe, esposa, filha, filho, marido, você não pode fazer nada a não ser cuidar de sua vida e não deixar que o monstro do seu amado pai, marido, filho modele sua vida também. Seria estúpido, não? É cruel mas é assim que funciona. Ninguém salva um alcoólico. Só ele pode salvar a si mesmo.



Nota: Para todos os familiares de alcoólicos que sofrem cotidianamente por causa do alcoolismo de um ente querido abri uma página no facebook para dar suporte, favorecer a troca, promover a saúde mental, emocional e espiritual. Este é o link do grupo: https://www.facebook.com/groups/1989245737982482/?source=create_flow. É preciso pedir para entrar, o grupo é fechado.



Para quem busca ajuda, orientação, suporte e esclarecimento porque está lidando com alguém que bebe demais: 

O Vírus do Alcoolismo.
Quando o amor encontra a sua sombra

Guia prático para familiares de alcoólicos
130 tópicos em ordem alfabética
Com indicações de Florais de Bach

Clique aqui para saber mais ou comprar o livro, disponível em PDF, e-book e impresso.

Comentários

  1. Oi Adriana. Este texto acima colocou-me uma nova perspectiva no tratamento de alcoolismo. Tenho um familiar que é alcóolatra e nunca concordou com a visão do AA. Tem uma postura parecida como que é colocado por este autor.

    ResponderExcluir
  2. Com esta postura parou de beber e recomeçou diversas vezes, sendo que uma das pausas durou mais de 15 anos. Mas sempre achou que tinha controle sobre isto. E admite agora que retornava porque queria. Desta vez admite que quer parar definitivamente,depois de muitos prejuízos causados pela bebida.
    Assim, como esta técnica parece adequada, interessei-me em adquirir o livro, porém só o encontrei disponível nas livrarias no original, ou seja em inglês. Estou tentando traduzí-lo, mas como não tenho fluência no idioma, temo que cometa vários "pecados" que podem comprometer o entendimento do mesmo. Por isto pergunto: é do seu conhecimento se existe em andamento ou concluída, a tradução deste livro?

    ResponderExcluir
  3. Complementando: tradução para o português?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente não creio exista em português. Tente procurar em espanhol, quem sabe... É um atraso a editoria no Brasil! Boa sorte para vcs todos.

      Excluir
    2. Obrigada pela sua atenção. Vou tentar encontrar em espanhol. Não havia pensado nesta possibilidade. A propósito,todos os seus textos são ótimos. Parabéns.

      Excluir
  4. Olá, Adriana! Gostaria de informar, a quem se interessar, que o livro (em português) "Tire Proveito dos Seus Impulsos", de Pauline Wallin, um livro de capa amarela, encontrado nas livrarias, utiliza um conceito semelhante ao de "fera interior" para tratar impulsos e vícios e faz referência ao "Rational Recovery", de Jack Trimpey. Acredito que é uma boa opção de leitura em português!

    ResponderExcluir
  5. Oi sou uma sofredora como muitos daqui meu marido não bebe de segunda e terça é uma benção de pessoa um marido maravilhoso,agora chegando quarta meu coração fica sempre em desespero,tenho um filho de 18 e uma filha de 11anos,sofrem muito também com tudo pois o pai qnd bebê vira outra pessoa fica repetindo tudo,irritando a todos xinga as vezes até a quebra coisas se um de nós não concordar com tudo o que fala e ele já disse q não é alcoólatra será q não?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele é. TODOS os alcoólicos negam que o são. Ele é, Dani. Não se iluda. É aqui que você mostra sua co-dependência.

      Excluir
  6. Boa noite ,em uma dessas noite triste ,achei esse POST q amei ,tenho 28 anos tres filhos uma de 10 um de 7 e um de 2 casada a 13 anos primeiro namorado casei e fiquei ,meu marido sempre bebeu mas com o passar dos anos isso pioro ,bebê constantemente,não me agride ,mas chora diz q ninguém ama ele ,briga por qualquer coisa com as crianças ,passa horas e horas na rua ,eu sempre trabalhei aí junta a vida corrida de casa ,familia serviço marido alcoólatra esgota muito a mente da gente.
    Já conversei ,já falei de separar e nada muda ,preciso muito de Orientação estou decidida sair desse relacionamento q hoje só me faz mal ,minha filha de dez anos pede pra mim abandonar o pai já o de sete não quer isso o bebê ainda não entende.preciso de ajuda psicológica ,,sai de casa com 16 anos pra se casar com esse meu marido e meu pai já era alcoólatra tbm já sofri muito com isso não quero q meus filhos sofram oque já sofri apesar deles já estarem sofrendo ,,,
    Por favor preciso muito de conselhos meu e-mail é
    daianefranr@gmail.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…