Pular para o conteúdo principal

EDUCAÇÃO DOMÉSTICA


Comentários

  1. Oi Adriana, muito bom esse post,mas é agoniante viver no Brasil com essa situação,muito difícil.
    O fato da E.D.não ser regulamentada aqui, faz com que fiquemos com muito medo, imagina o mal entedido e os julgamentos que uma família poderá enfrentar se alguém que não vê a E.D. com bons olhos fizer uma denúncia,é um pesadelo, muita pressão!As vezes dá a impressão de que só saindo desse país para garantir a paz do direito à educação domiciliar.O estado faz questão de punir as famílias, para que tenhamos exemplos do que acontecerá com quem ousar escolher a própria educação do filho, é revoltante, é muito triste mesmo.
    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  2. Oi Marina, tudo bem?
    A situação é muito difícil sim. Talvez sair do Brasil seja uma boa idéia. Vai demorar ainda muito tempo para se ter uma E.D. Enquanto isso, vc não pode certamente arriscar ser denunciada por não fazer teus filhos irem à escola....
    Grande abraço

    ResponderExcluir
  3. É verdade, até porque seria muito fácil para a "justiça" daqui me colocar como uma pessoa irresponsável diante às pessoas me fazendo perder os poucos direitos que me restam,é muito fácil para eles, mas sair do país é uma realidade muito dura também,também seria muito arriscado, vender o pouco que se tem, apostando numa única jogada, se ajeitar fora do país também seria muito arriscado,para mim impossível agora, pena eu não ter condição, senão já teria o feito.Talvez não me reste opção, terei que colocar meu filho numa escola onde eu terei de brigar para participar ao máximo, ou isso ou arriscar uma situação muito pior, onde não haverá ninguém a favor do meu direito de decisão, e ainda poderiam me tirar a guarda das crianças.Meu sonho acabou, fui vencida pela opressão do estado, ditadura é isso.
    abraço....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marina, mudar o social e as leis não é um processo simples e fácil. Seus filhos não vão poder se beneficiar de uma educação doméstica. Talvez seus netos... se vcs batalharem para mudar a lei e educar a opinião pública. O que resta é vc usar uma escola, participando dela e INTEGRANDO sua educação doméstica àquela escolar. Vc não para de ser uma educadora e isso é o mais importante. Seus filhos vão ter que lidar com o que tem e vc irá orientá-los. Não tem tarefa mais elevada do que essa para um pai e uma mãe. Beijo

      Excluir
  4. Duas perguntas: Este metódo já foi usado em países subdesenvolvidos? Se já foram os resultados foram bons?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Matheus, é uma boa pergunta. A resposta é: não sei. Provavelmente, não foram usados em países subdesenvolvidos porque as pessoas lá sequer tem educação suficiente para assumir essa responsabilidade para com seus filhos. O Brasil é uma mistura de subdesenvolvimento e primeiro mundo e o ministério da educação nivela por baixo. Se a educação doméstica fosse uma opção haveria famílias que tirariam os filhos das escolas para mandá-los trabalhar. Por isso, os que querem e tem condições de fazer essa opção se vêem limitados.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…