02/04/2013

MULHERES (E HOMENS) EM BUSCA DE "CARINHO"

Adriana Tanese Nogueira


"Quanto se conheceram, o que te fez gostar dele?"

"Ele era carinhoso, me tratava bem..."

Então, assim que se casam, ela descobre que ele bebe todo final de semana, adora um churrasco e volta trêbado para casa, agressivo, vomitando bile e palavras de baixo escalão. Passam dez anos assim e finalmente ela se separa. Isso graça ao fato de ter encontrado outro homem que indiretamente a ajudou a dar o salto. Outro homem...  

"Como ele era?"
"Carinhoso..."

Que toda relação comece no carinho é quase que a regra, e que toda relação seja complicada é uma segunda regra. Entretanto, muitas e muitas relações se limitam à busca surda, cega e muda por carinho. A pessoa já chega na relação com um vazio a ser preenchido. Maria encontra João que estava lá disponível, ele também com um buraco no peito ou talvez com umas cervejas a mais, depende. Os dois buracos se encontram. Como dois buracos podem se preencher e "se fazer feliz"?

Pessoas em busca de carinho são geralmente atenciosas (demais) com seus parceiros e delas a outra pessoa tira proveito. Se você se põe por baixo e aceita ser tratado como mordomo ou como mulher de cama ou como qualquer outra coisa que não lhe valoriza e cria uma relação de mão única, você estará fortalecendo a mão que abusa de você. É inevitável como 2 + 2 dá 4.

O carinho como motor original de uma relação é característico dos relacionamentos adolescentes. São crianças crescidas que procuram satisfazer as falhas ocorridas em seu crescimento. Elas querem um namorado para "tomar conta dele" compensando os cuidados que não receberam. Eles querem uma namorada para que "tomem conta deles" compensando assim os cuidados maternos que não receberam. Um faz a mãezinha e o outro faz o filhinho. Viver a vida toda assim?

A triste notícia para quem começa um relacionamento na base do "carinho" é que não dura e não pode terminar bem. Quando durar é porque os dois ficaram parados no tempo, cada qual vestindo aquele papel originário, protegendo e sendo protegido, cuidando e sendo cuidado - como criancinhas. Para manter a peça sempre igual, os atores não podem mudar de papel e assim o crescimento de cada um está barrado. Nem filhos são muitas vezes permitidos porque eles mudariam o cenário, exigindo do casal ou de pelo menos um uma atitude adulta. E aí a mandinga se quebraria.

O buraco original, a carência devida à falta de amor parental (o "carinho"), não pode ser preenchida mais tarde na vida. O que ficou para trás, ficou. Para não sermos presas da criança triste e insatisfeita que temos em nós é preciso primeiro reconhecê-la. Reconhecer a dor original e o verdadeiro carinho que faltou - e que não pode ser recuperado. Reconhecer e chorar por essa perda. Chorar. Somente abrindo os olhos e encarando a ferida é que podemos superá-la. O que nossa mãe não nos deu, aquele amor incondicional e total que todo bebê e criança merecem ninguém mais pode dar. Assuma com coragem e chore.

Aceitar a perda é um ato de coragem e a única porta que abre para a maturidade. Se o luto pelo que nos foi negado tiver sido processado, então estamos abertos ao carinho adulto e responsável que não confunde o joio com o trigo. Adultos sabem reconhecer a quem pertence a mão que dá carinho e a boca que emite certas palavras e percebem quando por trás não há consistência e integridade. Porque só crianças namoram e se casam por "carinho".

13 comentários:

  1. Então adultos se casam por qual motivo?

    ResponderExcluir
  2. Amor, parceria, maturidade, responsabilidade, objetivos e projetos em comum...

    ResponderExcluir
  3. É muito difícil aceitar que aquele carinho não recebido lá na infância não pode ser suprido. Minha família tem perfil seco, não são muito carinhosos. Bem, pelo menos era assim, até que, chegou um neto por parte de meu irmão. Meus pais (os avós) são só carinhos, beijinhos e afagos, o que me deixa extremamente irada, porque enquanto pais, não foram assim comigo (e continuam secos comigo). Não acho justo e fico na esperança de que isso seja somente porque ele ainda é muito pequeno e que quando ele crescer deixará de ser o centro das atenções e finalmente terá o mesmo tratamento que eu tive (é cruel, mas penso dessa forma).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por que vc não enfrenta esse assunto com seus pais? Eles provavelmente tem sentimento de culpa com relação a vcs filhos e estão se refazendo no neto, na ilusão de que assim paguem sua "dívida". Porém, conversa, esclarecimento, briga, entendimento e enfrentamento são mais efetivos :-)

      Excluir
  4. Só crianças namoram e se casam por "carinho". Maravilhoso este post. Obrigada.

    ResponderExcluir
  5. Sempre acreditei em tratar o outro na relação com carinho. Mas fico com muita dúvida de como agir, quando um trata com carinho e outro não. Exemplo: O namorado trata a namorada com carinho, mas é raro recebê-lo também, seja por gestos, contato físico ou palavras. Apesar de se ter conversado, nada é mudado. Tocar sempre no assunto se tornaria uma cobrança.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pára de dar carinho. Mesmo sendo um "ideal", quando não correspondido gera ressentimento. Vc também merece, não? Até quando vai aguentar se sentir desconsiderado assim? Sejamos humanos!

      Excluir
  6. Na minha opinião algumas pessoas gostam de receber carinho mas as vezes retribui de uma forma diferente, por exemplo na hora de retribuir não se sente a vontade com a namorada, esposa, marido, etc, pelo fato de não ter tido carinho dos pais na infância e acaba ficando com vergonha de demonstrar tal sentimento principalmente em público! Não é que aquela pessoa não ame quem está consigo.

    ResponderExcluir
  7. Amei todos os conomentarios e tudo oque ta acontecendo comigo me ajudou muito..obrigada anonima

    ResponderExcluir
  8. Quando não recebemos carinho não sabemos dar carinho até que realmente nos confrontemos e superemos nossas carências, resolvendo com quem quer q seja, dialogando, perdoando e sendo transparentes a viver o que temos dentro de nós: o amor, mas sem se amar é impossível amar a alguém, dar amor ou carinho a alguém. Precisamos nos encontrar.

    ResponderExcluir
  9. Sensibilidade táctil é o sentido mais baixo, que todo animal tem. O que nos eleva, é a razão lógica, sobretudo, espiritual. Nosso senso de absoluto nos deve levar para as coisas mais nobres da vida. Cuidemos de ter temperança, através de mortificações, que nos afastam dos dos vícios, nos mantém em paz. Rédeas sempre firme nas mãos! Para evitar qualquer má tendência, tenha a sensibilidade e o bom gosto de viver 99,9% da razão, da oração, 100% das graças de Deus!

    ResponderExcluir