Pular para o conteúdo principal

O CASAMENTO EM CRISE DO IMIGRANTE NOS EUA

Adriana Tanese Nogueira

 

Casamentos são relações complicadas. Os casais, muitas vezes, arrastam para dentro da relação problemas não resolvidos que tinham desde antes se encontrarem. Trazem consigo questões de família, de desenvolvimento atrapalhado, objetivos de vida confusos e desejos abafados. A esse coquetel que, como água parada, polui o ambiente psíquico, se acrescenta, para o imigrante nos EUA, outro: a necessidade de estar juntos por medo da solidão.

Não é pequeno número de casais que mantém o relacionamento porque não têm família ou amigos onde se escorar. Se tivessem os pais por perto, tanto homens como mulheres, já teriam se separado e voltado para o lar natal. Permanecem juntos porque não sabem para onde ir e/ou se conseguirão sobreviver sozinhos num país estrangeiro nem sempre hospitaleiro. Com o tempo, porém, os problemas não enfrentados e tratados se tornam maiores e mais complicados. Como uma bola de neve, a tensão e as incompreensões vão crescendo até que um dos dois, geralmente a mulher, resolve enfrentar o dilema e assumir a solidão. Enquanto isso, anos de dor, briga e sapos engolidos se passaram. Impossível uma resolução rápida de tanto sofrimento, concordam?

Na minha prática terapêutica, encontro casais de diverso tipo. Há os sem solução mas há também os que têm chances de reconstruir sua união – se somente tiverem a boa vontade e a dedicação para consertar o que tem conserto, se engajando no processo de mudança. Nada se consegue sem trabalho e atenção, como para tudo na vida. Deve-se, em primeiro lugar, compreender que muitas vezes as relações mais íntimas são aquelas onde se descarregam as frustrações mais intensas que nada têm a ver com o parceiro. Por não ter onde jogar a tensão do dia-a-dia, se aproveita o fato de alguém estar em casa, à disposição, e se descarrega o indesejável sobre ele ou ela. Isso é infelizmente muito comum mas para o imigrante as tensões se acumulam pelas dificuldades inerentes à adaptação. Logo, o casamento se torna o lugar onde se despeja muito lixo psicológico e emocional sacudindo bases muitas vezes já frágeis.

Além disso, no caso do casamento do imigrante aquela necessidade de estar juntos porque não se sabe estar separados, ou seja a dependência afetiva, tem o efeito colateral de provocar ressentimento. Não tem como ser verdadeiramente felizes e de bem consigo se se passa o dia falando ao celular com o marido ou a esposa e quando em casa não se goza da autonomia de fazer as próprias coisas sem a participação ou a presença da outra pessoa. Se pode parecer “bonitinho” aos 18 anos, aos 30 é simplesmente doentio. Todo adulto precisa de um tempo a sós consigo mesmo. Deve-se poder usufruir da intimidade interior necessária para processar os próprios pensamentos e sentimentos, e somente depois partilhar qualquer coisa com o outro. Caso contrário, o desenvolvimento psicológico está podado e os resultados vão se manifestar com a certeza de um relógio suiço. Não é uma coincidência que haja tamanho consumo de ansiolíticos e antidepressivos entre esses mesmos casais. O preço para manter as coisas do jeito que estão é se drogar. 

O que aconteceria se estivessem no Brasil? Provavelmente, se separariam. Para logo construir uma nova relação, e repetir o padrão. Portanto, não é mudando de local que o problema se resolve. A condição de imigrante acentua questões que existiriam de qualquer jeito, mas que seriam amenizadas na terra de origem. Uma vez que o caminho de volta é cortado (sobretudo no caso do imigrante illegal), a pressão interna cresce exponencialmente chegando a absurdos de sofrimento e tortura psicológicos que inevitavelmente se transformam em doenças psicossomáticas. 

É preciso se conformar com o fato que uma crise não enfrentada só piora as coisas. Crises significam “oportunidades” em chinês. A crise é, pois, uma oportunidade de crescimento, de desenvolvimento e amadurecimento. Frear seu processo é como querer parar um rio. Se não de imediato, uma hora vai ocorrer uma enchente e então… salve-se quem puder. Não serão os bens materiais que poderão salvar um casamento. Se é verdade que muitos permanecem juntos por interesse financeiro, não vai ser dinheiro que poderá segurar a enchente. Tranque um leão na jaula e tente acalmá-lo com verdões. O corpo físico como aquele psíquico vai mostrar os sinais do sofrimento reprimido e envenar a vida de todos.

O casamento haveria de ser uma parceria na qual cada um contribui e apoia o desenvolvimento do outro. Parceiros são aqueles que trabalham juntos, que crescem juntos e expandem seu poder pessoal. Aprendendo a compreender um ao outro e a entender aos desafios que cada um tem como pessoa é possível transformar o que parece um inferno numa relação harmoniosa. Mas para isso, precisa ter vontade e coragem. Para que serve trabalhar feito loucos, adquirir casa própria, ir à Disney ou à Nova Yorque várias vezes ao ano se dentro da própria casa e dentro da própria alma só há desolação e deserto?

Comentários

  1. Tenho uma colega que conheceu um europeu aqui no Brasil e engravidou. Eles se mudaram e ela teve o bebê lá no país dele. A coisa toda foi rápida. Ela largou a faculdade, trabalho, e disse para todo mundo que estava super feliz e que ia embora viver o "amor" dela. Investiu todas as economias dela na reforma da casa dele para pouco depois perceber que ele não era aquilo que imaginava (ele é preguiçoso, acomodado e chantagista) tampouco a vida na Europa é a maravilha que ela sempre sonhou. A vida lá tá difícil, ela não tem amigos, demorou para pegar o dialeto local, viu a família poucas vezes porque não tem dinheiro para vir sempre. E o marido já falou que caso ela venha embora para o Brasil, o filho fica. Ele nem deixou que ela trouxesse o garoto (que é pré-adolescente) na última viagem com medo dela não voltar mais. A previsível cereja do bolo é que ela tá com depressão e toma remédio, justo ela que sempre foi uma pessoa animada e de bem com a vida (talvez porque nunca tivesse sido desafiada antes). Disse que vai juntar dinheiro para, quando o filho fizer 18 anos, pedir o divórcio e voltar com ele para o Brasil. Detalhe que ele nem fala português e tem uma má imagem do país. Enfim, um rolo só. Na época eu achei que ela estava sendo ingênua, descuidada e precipitada, mas ela sempre foi impulsiva, e deu nisso. É uma pena ela ter se enrolado desse jeito.

    ResponderExcluir
  2. Pois é, Liana, sua análise está perfeita. É assim mesmo. Uma vida inteira mal traçada. O caso dessa moça é diferente do que eu descrevi no artigo porque falei de casais brasileiros. Ela casou com o estrangeiro e foi muito ingenua sim. Porque os estrangeiro, européios ou americanos, se sentem superiores aos brasileiros. Logo ela já entrou numa relação desequilibrada. Por outro lada, ela tem a espontaneidade emocional brasileira que é apreciada por lá, mas também usada. E, enfim, ela se comportou segundo o padrão feminino de deixar tudo por um homem... Ela precisa de terapia urgente. Fale para ela que se ela quiser posso ajudá-la via skype. Conheço bem essa situação, porque venho da Europa!
    Meu email é: adrianatnogueira@uol.com.br
    Abraço

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …