Pular para o conteúdo principal

AMAMENTAR BEBÊS “GRANDES”



Adriana Tanese Nogueira
 
Uma leitora escreveu:

Gostei muito dos livros que vi no site.
Sou mamãe de um baby boy de 15 meses que ainda amamento, mas vejo que as pessoas tem muito preconceito e acham um absurdo amamentar durante todo este tempo. I don't care, ele esta super saudavel e feliz e eu me viro nos 30 para continuar até ele desistir ou acabar o leite.

Parabéns, mãe de um bebê de 15 meses! Você merece uma medalha! Seu bebê tem a felicidade de poder continuar a mamar no peito quando tantos outros foram desmamados antes do tempo ou à força. Imagino como as pessoas lhe olham de cara feia, ainda mais aqui nos Estados Unidos onde tudo é terceirizado e as crianças são colocadas longe da mãe já nos primeiros meses de vida, coisa que nenhuma espécie animal faz.

O aleitamento materno é importante, aliás, é essencial para o desenvolvimento equilibrado, saudável – física e psicologicamente – do bebê. A Organização Mundial de Saúde recomenda o aleitamento exclusivo e sob livre demanda até o sexto mês de vida. Isso significa que durante esse tempo o bebê não precisa de mais nada a não ser de leite materno, nada de água, chás, suquinhos... nada. O leite materno dá tudo o que o neném necessita para estar em plena saúde, oferecendo alimento na hora certa, na temperatura certa e na variedade de nutrientes correta para aquele específico momento de sua vida. O leite materno, de fato muda, ele não tem a mesma composição da época do nascimento. Após a saída do colostro, que é o primeiro leite, que aparenta ser ralo e “fraco” mas que na verdade é super cheio de agentes que sustentam o sistema imonológico, o leite vai mudando conforme as fases de vida do bebê. Poderia existir alimento mais perfeito?

Há um preconceito contra o uso do seio feminino para a função pela qual ele foi criado: amamentar! Faz parte do sistema patriarcal que estigmatizou o seio como objeto sexual e o guarda ciumentamente para si, não querendo dividi-lo com quem tem o direito de “propriedade” sobre ele – o bebê. Sim, bebês deveriam poder mamar sempre e a qualquer hora que o desejarem. Isso não significa obviamente ter um bebê pendurado no peito o dia todo, há de se usar o bom senso.

Até quando deveria ser mantida a amamentação? Idealmente, até quando os dois se “cansarem”. A leitora do comentário acima entendeu perfeitamente, e certamente porque ela está feliz. Dar de mamar é – ou deveria ser – uma experiência gostosa para mãe e bebê, porque nutrir um filho no peito é muito mais que sustentar sua vida física. É troca emocional, é vínculo, é um conhecer-se, um descobrir-se, um comunicar-se. Se tem algo que pode servir para representar amor nessa primeira fase da vida é a amamentação.
Como Freud dizia, essa é a fase oral. A boca é o órgão de contato com o mundo, o bebê põe tudo na boca, não é? O peito da mãe é aquela coisa que ele põe na boca e o enche de vida, de alegria, de paz, de segurança... enfim, é a volta para casa, para o lar, para o ninho querido.

Comentários

  1. Isso é uma maravilha !!! Amamentei os meus também até os 03 anos de idade e até hoje sinto saudades desse momento único e só nosso. Eles não usaram mamadeiras e nem chupetas, tudo foi no nosso tempo, trabalhava fora e em casa, sei que muitas mães não podem viver isso, mas as que puderem, façam com muito amor !!!

    ResponderExcluir
  2. Minha filha tem 01 ano e 08 meses. Ainda estou amamentando... Os momentos em que a amamento são os mais felizes do meu dia! Aqueles olhinhos brilhando e fitados nos meu rosto como quem agradece, não tem preço! Meu marido diz que acha que não terei coragem de desmamá-la aos 02 anos rsrsr, também temo por isso! rsrsr. Muitas pessoas se assustam, outras me olham estranho pois a maioria das mulheres não fazem mais isso, mas nem ligo! O que me importa é a felicidade dela e a minha! Amamentar é uma das melhores coisas da maternidade!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …