14/07/2014

AMAMENTAR BEBÊS “GRANDES”



Adriana Tanese Nogueira
 
Uma leitora escreveu:

Gostei muito dos livros que vi no site.
Sou mamãe de um baby boy de 15 meses que ainda amamento, mas vejo que as pessoas tem muito preconceito e acham um absurdo amamentar durante todo este tempo. I don't care, ele esta super saudavel e feliz e eu me viro nos 30 para continuar até ele desistir ou acabar o leite.

Parabéns, mãe de um bebê de 15 meses! Você merece uma medalha! Seu bebê tem a felicidade de poder continuar a mamar no peito quando tantos outros foram desmamados antes do tempo ou à força. Imagino como as pessoas lhe olham de cara feia, ainda mais aqui nos Estados Unidos onde tudo é terceirizado e as crianças são colocadas longe da mãe já nos primeiros meses de vida, coisa que nenhuma espécie animal faz.

O aleitamento materno é importante, aliás, é essencial para o desenvolvimento equilibrado, saudável – física e psicologicamente – do bebê. A Organização Mundial de Saúde recomenda o aleitamento exclusivo e sob livre demanda até o sexto mês de vida. Isso significa que durante esse tempo o bebê não precisa de mais nada a não ser de leite materno, nada de água, chás, suquinhos... nada. O leite materno dá tudo o que o neném necessita para estar em plena saúde, oferecendo alimento na hora certa, na temperatura certa e na variedade de nutrientes correta para aquele específico momento de sua vida. O leite materno, de fato muda, ele não tem a mesma composição da época do nascimento. Após a saída do colostro, que é o primeiro leite, que aparenta ser ralo e “fraco” mas que na verdade é super cheio de agentes que sustentam o sistema imonológico, o leite vai mudando conforme as fases de vida do bebê. Poderia existir alimento mais perfeito?

Há um preconceito contra o uso do seio feminino para a função pela qual ele foi criado: amamentar! Faz parte do sistema patriarcal que estigmatizou o seio como objeto sexual e o guarda ciumentamente para si, não querendo dividi-lo com quem tem o direito de “propriedade” sobre ele – o bebê. Sim, bebês deveriam poder mamar sempre e a qualquer hora que o desejarem. Isso não significa obviamente ter um bebê pendurado no peito o dia todo, há de se usar o bom senso.

Até quando deveria ser mantida a amamentação? Idealmente, até quando os dois se “cansarem”. A leitora do comentário acima entendeu perfeitamente, e certamente porque ela está feliz. Dar de mamar é – ou deveria ser – uma experiência gostosa para mãe e bebê, porque nutrir um filho no peito é muito mais que sustentar sua vida física. É troca emocional, é vínculo, é um conhecer-se, um descobrir-se, um comunicar-se. Se tem algo que pode servir para representar amor nessa primeira fase da vida é a amamentação.
Como Freud dizia, essa é a fase oral. A boca é o órgão de contato com o mundo, o bebê põe tudo na boca, não é? O peito da mãe é aquela coisa que ele põe na boca e o enche de vida, de alegria, de paz, de segurança... enfim, é a volta para casa, para o lar, para o ninho querido.

2 comentários:

  1. Isso é uma maravilha !!! Amamentei os meus também até os 03 anos de idade e até hoje sinto saudades desse momento único e só nosso. Eles não usaram mamadeiras e nem chupetas, tudo foi no nosso tempo, trabalhava fora e em casa, sei que muitas mães não podem viver isso, mas as que puderem, façam com muito amor !!!

    ResponderExcluir
  2. Minha filha tem 01 ano e 08 meses. Ainda estou amamentando... Os momentos em que a amamento são os mais felizes do meu dia! Aqueles olhinhos brilhando e fitados nos meu rosto como quem agradece, não tem preço! Meu marido diz que acha que não terei coragem de desmamá-la aos 02 anos rsrsr, também temo por isso! rsrsr. Muitas pessoas se assustam, outras me olham estranho pois a maioria das mulheres não fazem mais isso, mas nem ligo! O que me importa é a felicidade dela e a minha! Amamentar é uma das melhores coisas da maternidade!

    ResponderExcluir