Pular para o conteúdo principal

LANÇAMENTO NA BIENAL INTERNACIONAL DO LIVRO DE SÃO PAULO
Sábado, 30 de agosto de 2014 - 12h-14h Stand F698



Uma esplêndida história de amor encarnada nas malhas humanas de seu tempo,
um tempo difícil, conturbado e violento.
 

Comentários

  1. Adriana,

    ainda me lembro quando você fazia as pesquisas iniciais do seu livro e me contatou, acreditando que eu tivesse desempenhado um papel no drama do seu pai. É o que circula na web, tendo como fonte os sites e artigos da extrema-direita.

    Expliquei-lhe que as informações nas quais essa gente se baseia são os célebres arquivos secretos da ditadura: os relatórios das informações extraídas de presos políticos mediante as torturas mais bestiais.

    Mas, a brutalidade não encontrava correspondência na inteligência e na perspicácia: os companheiros, para ganharem fôlego, diziam qualquer coisa aos militares e eles acreditavam. Então, certamente terá sido algum torturado que me apontou como partícipe de um episódio do qual, em 1969, eu nem sequer tomara conhecimento.

    Recomendei algumas fontes úteis para sua pesquisa e acompanhei por uns tempos o seu trabalho de formiguinha, escrevendo aos poucos o livro e lançando cada capítulo num blogue criado especialmente para tanto.

    Depois outras lutas e outras prioridades me absorveram. Até que um dia você me surpreendeu com a notícia de que o "Acorda, Amor." estava pronto e prestes a ser lançado.

    Lê-lo foi, ao mesmo tempo, gratificante e doloroso. Pois você fez voltarem à vida personagens que foram muito importantes para mim quando, mal entrado na maioridade, enveredei pelos difíceis caminhos da luta armada e passei por situações igualmente dramáticas, sofrendo igualmente na pele as piores injustiças.

    Há pontos de contato entre a história do seu pai e a minha; ambos demos o melhor de nossos esforços pela causa e ambos fomos tratados miseravelmente.

    Também com as agruras das famílias dos militantes eu estava familiarizado, mas as que você narra me surpreenderam, principalmente quanto à dificuldade encontrada no exterior. Acreditava que na Europa a solidariedade teria sido maior, o abandono muito menor.

    Da mesma forma que meu "Náufrago da Utopia", o seu livro serve como advertência para os jovens que se dispõem a trilhar os caminhos da libertação dos homens: são árduos, sofridos e cheios de armadilhas. Em muitos casos, a ingenuidade se revela fatal.

    Cabe a cada um decidir, amadurecidamente, se quer correr todos esses riscos. Hoje, diante das mesmas opções, eu faria tudo de novo, pois aquilo por que lutávamos nos anos de chumbo continua sendo extremamente necessário e até fundamental para a sobrevivência da humanidade, ameaçada de ser destruída pela ganância e irracionalidade capitalistas.

    Mas, jamais repetiria os erros bisonhos que a imaturidade e a falta de informações me fizeram cometer.

    Seria providencial eu ter lido um livro como "Acorda, Amor." antes de me aventurar por terrenos tão minados!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Celso, pelas suas palavras! Obrigada pela presença e disponibilidade, pela determinação em nào deixar que a calunia abale sua dignidade e crença em si mesmo! Bravo!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…