Pular para o conteúdo principal

DEPRESSÃO, COVARDIA, PREGUIÇA

Depressão: o que é? Nossa energia vital se recolhe, se retira do investimento no mundo que não mais atrai, e fica como que “quieta”, num canto. Viramos o rosto para não olhar para a realidade externa, queremos nos afastar dela. Dizemos “não” à vida como a conhecemos ou como achamos que tem que ser. E com que ficamos? Aparentemente, com nada.
Há dois tipos  gerais de depressão: uma natural do processo evolutivo de cada um e outra consequência de uma escolha.

Segundo C. G. Jung, os movimentos energéticos para fora (investimento na realidade externa) ou para dentro (invetimento na realidade interna) fazem parte natural do processo de desenvolvimento da personalidade: ora canalizamos no mundo (trabalho, estudo, carreira, família, projetos...), ora recuamos dele porque precisamos repensar, reavaliar, rever, e quem sabe tomar novos rumos e novas atitudes. (E quando este processo natural não é compreendido e administrado da forma correta pode engendrar um quadro grave de depressão que poderia ter sido evitado se o fenômeno tivesse sido adequadamente abordado.)

A depressão que se instala por uma escolha é de outro tipo. Ela é consequência do fato de não querer dar o passo que já se percebeu ser necessário na situação na qual nos encontramos.

Somos menos e mais bobos do que pensamos. Por um lado nós sacamos muito mais do que estamos dispostos a reconhecer; por outro, insistimos no que não tem conserto ou não vale a pena. E fazemos isso por dois motivos: covardia e preguiça. Por trás das razões românticas e sentimentais, dos apegos que também existem, há a prosáica e banal realidade de que temos medo e não queremos nos dar ao trabalho de enfrentar o que virá pela frente.

Assim, no lugar de agarrar nossa intuição e seguir o caminho, desviamos nosso olhar não da realidade externa mas daquela verdade interior que já percebemos. Damos as costas à porta de saída e nos lamuriamos que não há saídas. Há sempre uma solução: a questão é saber se queremos assumir o esforço, o trabalho, a dor, a determinação, a vontade de viver e de vencer que abrir a porta requer. O rio só não chega ao mar porque não quer.

Se o caminho intuido não estiver claro também não é um problema. Aliás, é comum e normal. Intuição não é ainda realização. Uma coisa é sacar uma saída outra é torná-la realidade, para isso existem profissionais que ajudam na “tradução” e dão uma guia até o “outro lado”. E mais uma vez percebemos que há saídas. Depende de você querer se dar ao trabalho de assumir sua vida em suas mãos e encarar o que é que tiver que ser encarado. É assim, ou nada. Não há meio termos.

Infelizmente, muitos desenvolvem um tipo de hipocrisia consigo próprios e se enrolam tão bem enrolados em suas mentiras que não conseguem mais discernir o joio do trigo. Nesse marasmo, as intuições boas facilmente se perdem. Se a pessoa se aperceber isso, recorra a um profissional para ajudar a encontrar o fio da meada, se não se aperceber disso a realidade irá com o tempo lhe dar oportunidade para despertar de seu transe.

Concluindo, a depressão por covardia e preguiça se instala toda vez que evitamos dar aquele passo, de tomar aquela atitude e decisão que já percebemos temos que tomar mas não sentimos coragem para assumir. Ter medo é normal, duvidar das próprias capacidades e portanto “ter preguiça” só de pensar em começar a obra também é normal. Agora, faz parte da normalidade termos livre arbítrio, ou seja o direito de escolha. Qual é a sua?

Adriana Tanese Nogueira
Psicanalista, terapeuta transpessoal, life coach, educadora, autora. Boca Raton, FL-USA 1-561-3055321

Comentários

  1. Boa noite Adriana!

    Encontrei seu blog por querer saber a diferencia básica entre Freud e Jung. Agradeço pois consegui meu objetivo. Fui estudante de engenharia, mas no momento tranquei meu curso e só trabalho, mas sempre gostei de filosofar e tentar entender um pouquinho de grandes mentes.
    Como achei interessante sua escrita, comecei a navegar em seu blog e fiquei feliz por ver em sua bibliografia o autor Hermann Hesse e Rilke, principalmente os livros que eu li.

    Venho comentar neste postagem por ter superado uma depressão que se estendeu por mais de um ano e pouco, tendo picos (se assim posso dizer) muito fortes. E realmente o grande problema não esta somente no meio externo (que também logicamente influencia) mas sim também em nossas atitudes, no querer mudar, no foco, na determinação, juntar o sonho com a atitude, se assim não o fizer, o tempo inevitavelmente passa e vem a frustração. Por isso hoje me encontro muito mais focado e pronto para recomeçar meus estudos em outra área da engenharia. Foi uma decisão difícil, mas necessária.

    Por último quero parabenizá-la por seu blog e dizer que vou navegar por aqui sempre que der!

    Abraço Carlos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…