Pular para o conteúdo principal

POR QUE SEU FILHO NÃO FAZ O DEVER DE CASA

Adriana Tanese Nogueira

Mais uma vez, seu filho “esqueceu” de fazer o dever de casa. Você fica brava. Já havia conversado com ele. Ele continua se esquecendo. Diz que ele é “preguiçoso” e lhe faz uma nova pregação a respeito de responsabilidade, tomando a si mesma como exemplo...

Diante deste e de outros problemas de comportamento das crianças temos três abordagens possíveis.

A primeira é aquela citada acima que vai da bronca à briga, da conversa à punição. Esta abordagem pode levar a criança a se sentir culpada sem por isso melhorar suas notas. Você pode  chegar a aceitar que tem um filho que “não quer nada da vida” e irá ficar sem estudar mesmo. Afinal, há tanta gente que não estudou e mesmo assim se dá bem na vida, é só trabalhar duro... mas será que ela irá “dar duro”? Você não achava que ela era preguiçosa? Não sabendo como solucionar esse dilema, muitos adultos simplesmente param de pensar nele e esperam por dias melhores.

Na segunda abordagem os pais percebem que seus métodos não estão funcionando e recorrem a um “especialista”: a/o psicóloga/o ou o/a counselor nos Estados Unidos. Aqui encontramos a segunda e a terceira abordagem ao “problema de seu filho”.

A psicologia americana, ou psicologia do ego, é baseada no comportamentismo e no cognitivismo (e algumas variantes deles) e é a mais ensinada nas universidades. Ela funciona é comparável à medicina alopática: você vai ao médico do plano e ele te dá um remédio para o sintoma que você apresenta. Trata-se de uma psicologia e de um tipo de medicina “organicistas”. Sua filosofia é a seguinte: o órgão está defeituoso, parou de funcionar direito: precisa ser consertado. Eis o remédio ou a receita para corrigir o erro. A psicologia baseada nessa filosofia vê a criança como o médico vê o órgão doente: defeituoso. Na medida em que o paciente (os pais) se queixam de uma dor (o comportamento problemático da criança) eis que o órgão (a criança) apresenta algum erro de funcionamento. Para isso se faz a terapia: para que a criança entre no padrão de comportamento esperado pelos pais.

A terceira abordagem que é psicanalítica se parece com a medicina holística. A filosofia de ambas está baseada na crença de que se o órgão está doente é porque o sistema inteiro não está funcionando direito. O médico homeopata (ou até mesmo os antigos e bons médicos de família) irá fazer uma série de perguntas ao paciente que englobam desde seu estilo de vida ao que come e a suas emoções e espiritualidade, o trabalho que faz, a postura física que costuma ter, sua infância e seus projetos para o futuro. A psicanálise holística e dialética não irá fazer um diagnóstico com base somente numa parte (a criança) do todo (família, escola e gruppo), mas irá buscar as raízes que produzem o comportamento indesejável. Tanto essa psicanálise como a medicina holística sabem que consertar um comportamento sem ir à origem do problema abrirá o caminho para o aparecimento de um novo comportamento indesejável porque o mal não foi curado na raíz.

Portanto, seu filho não faz o dever de casa?

Abordagem 1: briga com seu filho; põe de castigo; explica mais uma vez, barganha.

Abordagem 2, psicologia americana: monta esquema de treinamento para criar reforços positivos toda vez que a criança faz algo desejável e reforços negativos (punições) quando faz algo indesejável.


Abordagem 3, psicanálise holística e dialética: busca entender o que seu fiho está querendo dizer através desse comportamento, entendido como código a ser desvendado. Acredita na capaciade de superação da criança uma ez que suas necessidades profundas forem satisfeitas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…