Pular para o conteúdo principal

SIGNIFICADOS DO COMER

Adriana Tanese Nogueira

Comer não significa simplesmente botar nutrimento físico para saciar a necessidade do corpo físico. É bem mais do que isso, motivo pelo qual a relação com a comida pode ser tão complicada.

Nosso primeiro alimento é nossa mãe. A vida biológica está programada de modo que todo bebê mamífero está predisposto a procurar um bico de peito de onde sugar o alimento indispensável para sua sobrevivência. Isso é biologia – mas não só. Desde o primeiro início há outras questões envolvidas. Não mamamos somente o leite materno, mamamos também as emoções, crenças, estado de espírito, problemas de nossa mãe.

A mãe é nosso primeiro mundo, algo externo que nos nutre não só no corpo como na alma. Qual será nosso segundo mundo? O ambiente familiar, depois aquele coletivo e enfim aquele social. Quando nos anos seguintes ingurgitarmos alimento estaremos atiçando não só as papilas degustativas mas todos os sentidos ligados à nutrição que é física, emocional, intelectual e espiritual. O alimento físico fortalece o corpo físico, mas o alimento emocional, intelectual e espiritual dá força moral, acolhimento, auto-estima, dignidade, consideração, respeito, valor próprio e etc....

A partir dessa grade de compreensão tentemos analisar alguns dos distúrbios alimentares mais frequentes:

Comer demais.
Abarrotar-se de comida significa preencher um vazio interior. É apostar que a quantidade possa substituir a qualidade. Obviamente, como não é de alimento material que precisamos, cria-se um círculo vicioso porque o vazio nunca é realmente preenchido apesar da quantidade de comida que botamos para dentro. Comer demais também representa uma forma de “fortalecer-se” para enfrentar o mundo. Quando nos sentimos frágeis, pequenos, indefesos e vulneráveis ter um corpo grandão pode dar a sensação de proteção e poder. Por dentro do obeso, portanto, pode se esconder uma criança confusa e assustada. Em ambos os casos vemos aqui a metáfora da comida que preenche e fortalece mas dentro de um malentendido: o que de fato se está buscando é preencher um vazio interior (não do estômago) e fortalecer uma psique fragilizada (não um corpo frágil).

Comer de menos.
Esta atitude é mais comum nos introvertidos tanto quanto a anterior o é nos extrovertidos. Comer pouco equivale a ingurgitar o mundo com muita cautela porque, sabemos!, o mundo não é um lugar seguro. Logo é preciso tomar cuidado com o que pegamos de fora para levar para dentro. Por “mundo” se entende aqui desde a primeira relação com a mãe e a família até a sociedade. Mas a relação com a família tem um peso porque é através dela que aprendemos a lidar com o mundo mais amplo, é a família que haveria de nos dar estrutura emocional e intelectual para encararmos e nos estabelecermos nesse mundo. Agora, é bom lembrar que a responsabilidade não cai só sobre a mãe, mas também sobre o pai e a família mais alargada que inclui avós, tios e primos, dependendo da história de vida de cada um.

Ser difíceis para comer.
Esta é uma característica típica das crianças. Ela estão na fase de adaptação ao mundo e estão assim tentando selecionar as partes de mundo que querem e as que não querem. Obviamente não é excluindo o espinafre que resolverão seu problema assim como não é comendo dois pratos de feijoada que teremos forças para enfrentar os nossos problemas existenciais. Mas assim funciona nossa psique.

O físico e o psicológico se sobrepõem, sempre. Quanto menos o lado psicológico é compreendido mais o problema se torna físico e portanto para resolvê-lo é preciso recuar até sua origem e seu significado simbólico para então desatar o nó e livrar a pessoa de um sintoma que só a prejudica.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …