Pular para o conteúdo principal

O AMOR É CEGO?

Adriana Tanese Nogueira

Se a união começa por um sentimento de amor, este é só o começo da jornada. O amor precisa encontrar formas de se manifestar no dia a dia, diante dos desafios que cada um traz dentro de si e que a vida apresenta. Assim, amar uma pessoa não é suficiente para estar e se manter com ela.

Se diz que “o amor é cego’: na verdade ele é claríssimo para o que lhe interessa, mas certamente não pode ver todos os aspectos da pessoa que amamos. Ou seja, pode ser cego mas nem por isso é “burro”. O amor é sempre um sentimento profundo que rompe nossas defesas e nos vincula ao outro.

Esta ligação não significa necessariamente que seja para sempre e também ou que não encontraremos dificuldades. Aqui está uma fantasia da qual é preciso se libertar: relações não são sempre cor de rosa para nossa gratificação. Relações dão trabalho. Assim como um filho, quanto mais bem cuidado e acompanhado for mais orgulho e satisfação nos dará, da mesma forma relacionamentos exigem nossa dedicação e empenho.

A paixão nasce porque vemos no outro algo que nos completa: ele é importante para o nosso desenvolvimento. É mais profundo do que parece. Não nos apaixonamos pelo professor de história ou matemática porque ensina bem, nos apaixonamos por quem constitui um profundo “upgrade” em nossa vida. Estamos falando de algo que não é racional, mas é tão importante que se faz indispensável. Porém, a vida nos traz inúmeros desafios diante dos quais cada um tem suas respostas que surgem da  história pessoal, familiar e cultural na qual cresceu. E vêm os conflitos.

Para resolvê-los de forma construtiva é preciso não só de paciência e tolerância, como sobretudo e em primeiro lugar de autoconhecimento. Relações nos questionam. Não se trata de alguém “ter razão”, se trata de criar uma nova verdade, feita do eu + tu.

Portanto, em primeiro lugar é preciso desenvolver uma atitude de autoconhecimento para entender o que está acontecendo conosco. Saber o que sentimos significa ser capazes de elaborar, explicar, falar sobre o assunto. Não basta apontar um fato. Como este se repercute em você? O que você faz das emoções que provoca?

Em segundo lugar, é preciso saber se comunicar, falar de si, traduzir-se para o outro nos compreender melhor e mais profundamente. Amamos mais o que compreendemos do que o que não compreendemos. Você sabe comunicar o que sente? O outro pode nos amar muito mas isso não lhe confere poderes telepáticos ou mágicos.

Em terceiro lugar, é preciso aprender a ser honestos – consigo próprios para começar. Muitos casais negam seus sentimentos reais para colocar uma máscara de fingida harmonia. Nela podem se enrolar tanto ao ponto de nem perceberem mais que estão mentindo. Felizmente, a psique humana não sustenta fachadas e mais cedo ou mais tarde algo irá acontecer que revelará a verdade.

Qual é a verdade? É simples: ou tem amor ou tem mentira.

Pode haver amor e mesmo assim a relação ser difícil e conflituosa. Mas com o engajamento de ambos uma nova harmonia pode ser criada.


E por que um casal manteria a mentira permanecendo casados? Por vários motivos: porque a religião deles fala que casamento é para sempre; porque não querem dividir o patrimônio; porque têm medo de enfrentar a vida sozinhos e coisas do tipo. Mas, como disse um homem num momento de lucidez de seu casamento em crise: “Pode-se fingir o amor, mas não o tesão...”. Neste caso, é bom lembrar que abraçar a mentira pode levar à perda do verdadeiro amor, além de estar certamente bloqueando o próprio desenvolvimento.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…