Pular para o conteúdo principal

A CONFUSÃO DOS DIABOS

Adriana Tanese Nogueira

Dia-bolos, do grego antigo, quer dizer dividir. O diabo é quem divide. Mas o diabo é também filho de Deus, senta à mesa redonda divina – lê-se no livro de Jó do Antigo Testamento. O que significa então que o diabo é filho de Deus? Significa que dividir faz parte do projeto divino. E o que é dividir? Dividir é o ato necessário para distinguir, o que é indispensável para separar o joio do trigo. Saber discriminar é o requisito indispensável para quem quer pensar com clareza e ter a consciência limpa.

Mas dividir dói. Rompe a harmonia, ou melhor quebra a ilusão de harmonia, porque inserimos um elemento novo, a dúvida, outro ponto de vista e isso perturba o status quo. E gera desconforto. A vida biológica tende ao equilíbrio ou seja à entropia, que em física é a tendência natural dos sistemas quando deixados a si mesmos: estabelece-se o equilíbrio e com ele a morte térmica. Dizem que é para lá que o nosso universo vai... se não fosse pela consciência humana.

A consciência nos transforma em seres capazes de assumir a dor da ruptura por motivos maiores e mais elevados do que a tendência à manutenção do status quo por preguiça mental ou desconforto emocional. Porque quem tolera o que precisa ser discriminado e posto às claras está endossando a “confusão dos diabos” – que é outra coisa.

A “confusão dos diabos” é uma condição na qual os diabos, por assim dizer, tomaram a diantera e comandam o espetáculo. O que significa isso? Significa que se uma pequena dose de “diabolicidade” é indispensável para manter e fortalecer a união, muita produz aquela tempestade de areia na qual nada mais se enxerga fora milhões de graos de areia e em movimento caótico. Quem usa esta arma é quem perdeu o rumo daqueles motivos mais altos e elevados do qual falávamos antes, pois o que o que o norteia é algo pessoal, não assumido. Logo, a confusão é conveniente.

E ela é semeada de forma sutil, disfarçada, pode até agradável. É confusão que desnorteia a lucidez, que põe razão contra sentimento, aparências contra percepção, intuição contra coletivo, o visível contra o invisível, a dúvida boa contra a dúvida destruidora. E assim estabelece-se na cabeça da pessoa ou no grupo uma confusão dos diabos: nada mais é claro, nada mais é seguro. A desconfiança domina e com ela se perdem os laços.

Pior do que nos grupos é quando a confusão dos diabos se instala dentro da gente e isso ocorre nos tempos das grandes transições que são na verdade mutações: quando antigos paradigmas precisam ser superados mas mantêm ainda nas nossa alma que almeja o salto além. Todos os fantasmas, as experiências do passado, as vozes dos ancestrais, os medos e inseguranças conhecidos e desconhecidos afloram e se degladiam entre si. Confusão dos diabos: cada um falando uma coisa, deixando a pessoa numa gangorra às vezes insuportável lançada no mar cheio de sereias que ora parecem cantar o sim, ora o não, ora o certo,  ora o errado. E somos tomados pelo desnâmino.

O que fazer? Aquilo que se faz numa tempestade de areia. Recolher-se (estar em si e a sós), encolher-se (calar ao máximo a algazarra intera e evitar ouvir a falação dos outros), baixar a cabeça (humildade e força para aguentar não ter ainda a solução), fechar os olhos (para olhar para dentro de si), segurar-se firme (no invisível, na esperança) e aguardar vigilantes, desenvolvendo o guerreiro interior. Avançar firmes sem ceder: a confusão dos diabos passa se não nos entregarmos a ela e se nos empenharmos em nosso trabalho interior.


Adriana Tanese Nogueira
Terapeuta transpessoal, psicanalista, life coach, educadora e autora.
Atendimento adulto, casal, criança e adolescente.

Boca Raton, 561-3055321 – www.adrianatanesenogueira.org

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …