Pular para o conteúdo principal

MÃE, NÃO AMIGA (Ou pai, não amigo)

Os tempos mudaram, o formato das famílias mudou, o estilo de vida e a relação com os demais parentes também. Hoje em dia queremos ser abertos e amigáveis dos filhos, cansamos do autoritarismo e da rigidez do passado. Os filhos entretanto continuam precisando de pais antes de amigos. E muitas vezes os pais não sabem como sê-lo, não querendo repetir o que viveram eles mesmos em suas famílias de origem.
Seguem algumas orientações.

Por mais amorosa e amigável que seja a relação com o fillho, existe na família uma hierarquia. Os pais estão acima dos filhos. Não temos que temer hierarquias, elas não precisam ser ditaduras. Olhemos para o mundo animal: os lobos têm um líder que é o chefe, e comanda. Como é escolhido? Por ser o mais forte e o mais inteligente. Qual é sua função? A de proteger o grupo. Este confia sua vida nas mãos, ou melhor nas patas, do lobo ou da loba chefe. O mesmo é no mundo humano, você é o chefe porque você tem mais experiência e conhecimento de seu filho. Ponto.

Agora, como você vai exercer essa sua chefia?

Você precisa assumir a responsabilidade de dar orientações, que às vezes vão ser imposições. Você vai parecer o “mal” da história. Precisa aguentar isso.



Comandar não significa ser rígido, mas fazer o que é preciso enquanto se mantém a flexibilidade mental, o que não significa passar horas conversando com seu filho sobre a dificuldade de ser pais. Seu filho só precisa saber para que lado é melhor ele ir. O resto é assunto nosso.

Por outro lado, é preciso saber se colocar no ponto de vista da criança e mais especificamente no ponto de vista do momento de desenvolvimento que a criança está atravessando. Muitos pais não compreendem a fase de vida do filho, logo o que ele pode ou não compreender e/ou ouvir.

Os filhos nos pedem para sermos pais e não amigos quando precisam de orientação, de ajuda em seu desenvolvimento. O que significa atitudes nossas. As crianças estão em processo, entre outras coisas, de aprendizado em distinguir o que seguir e o que não seguir dentro delas, ou seja como lidar com o que sentem, com as diversas tendências interiores. Cabe aos pais dá-lhe um caminho e isso se faze muitas vezes tomando atitudes certas na hora certa, calando a boca em outras, relevando em algumas, apontando ou limitando. Mas tudo na hora certa.

Cabe aos pais oferecerem mapas de direcionamento aos filhos, não só no que diz repeito ao mundo externo como também àquele interior: como processar, elaborar, superar, decidir a respeito do que se sente? De vontades, desejos, angústias, buscas que sequer conseguem ser expressas porque embrionais e confusas mas também intensas e urgentes? Os pais deveriam dar o metro e o horizonte.

O desafio da maternidade e da paternidade é acompanhar sem impor, direcionar sem pressionar, estabelecer regras e aplicá-las, mas também saber mudá-las na hora certa. Saber se abrir à voz das crianças que nem sempre se manifesta de forma clara, e aliás está muitas vezes enrolada em outros desejos confusos que parecem nada mais que modas, mimos, coisas sem pé nem cabeças. Entretanto, às vezes esta é a única forma da criança expressar necessidades mais profundas. Ela mesma não tem palavras, porque é tudo novo para ela. Somos nós que precisamos ter a capacidade de saber discernir no “escândalo” infantil ou adolescente o que é joio e o que é trigo para evitar mutilar uma parte da alma de nosso filho e desta forma amputar aspectos importantes de seu desenvolvimento.

Adriana Tanese Nogueira
Terapeuta transpessoal, life coach, educadora, educadora perinatal, autora. Atendimento presencial e via Skype. Adulto, casal, adolescente e criança.

Boca Raton, 561-3055321 – www.adrianatanesenogueira.org

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …