Pular para o conteúdo principal

SOFIA, A MENINA QUE QUERIA SAIR DE CASA

Sofia é uma menina de quatro anos, a filha mais velha de três, as outras duas são gêmeas de um ano e pouco. Sofia tem uma mãe muito paciente e amável, que teve as filhas de cesáreas por complicações que eram mais da ordem da desinformação e insegurança sua do que fisiológica. Hoje ela trabalha em função da humanização do aprto, do empoderamento da mulher, da promoção do aleitamento materno e de todas essas coisas bonitas.

Entretanto, a mãe de Sofia está casada com homem que está com dificuldades para se adaptar ao papel de homem adulto e de pai. Ele chega do trabalho nervoso e desconta sobre Sofia suas frustrações. Em particular, ele parecer querer retirar de Sofia o que para ele são “privilégios”, e que numa análise mais aprofundada vemos que se trata da vida alegre de criança tratada bem e amada por sua mãe. O pai de Sofia então é tão crítico e mal-humorado com a filha porque está, por trás das desculpas esfarrapadas, com ciúmes dela.

O pai que Sofia não é mau, mas é filho único de uma mãe que o considerou até a idade adulta como preciosidade, e ele estava costumado a ser bem tratado pela esposa, a qual é tão disponível e boa com as filhas quanto com o marido. Entretanto, com a chegada das meninas a administração dos afetos na casa precisou ser modificada e o novo equilíbrio desconcentrou o pai de Sofia. Ele parece espernear por não ser mais o “filho predileto”, o centro das atenções da esposa, e de se encontrar, ao invéz, no lugar de pai provedor, educador, paciente, generoso e cuidador.

Mas Sofia não sabe de nada disso, e não cabe a ela compreender o pai. Uma criança de quatro anos não tem essa obrigação. Cabe aos adultos a obrigação de compreender a criança e de se adaptar às necessidades dela. Portanto diante desse homem “grande” que vive colocando-a para baixo e espizinhando-a, Sofia um dia desses chega para mãe e diz: “Mãe, eu quero ir embora desta casa.” Em sua sabedoria, Sofia percebe que não tem perspectiva dela ser feliz e de crescer bem num ambiente como aquele. Sentindo-se ameaçada, lhe parece que a única solução é sair de casa.

Sofia está rejeitando o bulling do pai. Sua reação demonstra que ela é uma criança totalmente saudável, com sentidos em perfeito funcionamento, com boa autoestima e amor próprio e conhecimento do certo e do errado. Sofia merece nosso respeito. Damos os nossos parabéns a ela e a sua mãe, porque certamente sua mãe contribuiu para que Sofia preservasse sua saúde psicológica.

Mas tem um elemento não saudável na casa, o pai. O que fazer com ele?

É comum as crianças perceberem os limites do ambiente no qual “cairam de paraquedas”. Infelizmente, porém, não podem tomar as atitudes que seguiriam à sua clara percepção. Sofia não pode ir embora de casa. Nenhuma criança pode jogar sua mochilinha nas costas e dar tchau aos pais. Ela depende deles – ainda.


Crianças precisam de pelo menos um adulto responsável que assuma o lado delas, enxergando sua sabedoria e se dispondo a ajudá-las. Não é culpa de Sofia se ela tem somente quatro anos e se ela é uma menina feliz, inteligente e sensível. Cabe, neste caso, à mãe da Sofia tomar as providências e... proteger a filha da imaturidade emocional do marido ao mesmo tempo em que o educa para que ele se torne um homem adulto e responsável. Isso também é ser mãe. Isso é maternidade ativa. Isso é crescermos juntos.


Adriana Tanese Nogueira

Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente – Presencial, Skype, por telefone e por escrito. Boca Raton, FL +15613055321. www.adrianatanesenogueira.org

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…