Pular para o conteúdo principal

SIM, TEM SOLUÇÃO

Se meu computador estiver com vírus ou se houver um vazamento no meu banheiro vou dizer, desanimada:  “Não vejo solução...” De fato, se depender dos meus conhecimentos para resolver esse tipo de coisas, só me resta por as mãos na cabeça, sentar no meio fio da calçada e me deprimir. E por uma razão muito simples: sou ignorante sobre o assunto! É a minha ignorância que me impede de enxergar uma solução para tirar vírus de computador e consertar vazamento de banheiro. Como assumo essa minha limitação sem vergonha alguma, no lugar de me desesperar, vou procurar por alguém que entenda do assunto e possa me ajudar.

A mesmíssima coisa acontece com as questões psicológicas. São elas: dificuldades nas relações de casal, de trabalho, de amizade, de irmandade, problemas de auto estima,  comportamento, dúvida, crises, raiva, tristeza, depressão, ansiedade, criação de filhos... enfim, todos os conflitos e dores internos e externos. Para tudo há uma solução. A solução a encontra quem se dispuser a buscá-la, porque assim como o meu técnico de computador não vai cair do céu a menos que eu não o chame e o pague, também esse tipo de problemas não se resolvem rezando ou dormindo.

Infelizmente, ainda estamos numa época materialista, porque se é óbvio para todo mundo que uma televisão quebrada precisa de um técnico, não é óbvio que precisamos de ajuda quando temos questões interiores e exteriores pendentes. No máximo, conversamos com um ou dois amigos e trocamos seis por meia-dúzia. Mas parece difícil atentar para um fato simples: que nossos instrumentos de compreensão são limitados, por isso concluímos: “não tem solução”.  Mentira: tem solução.

Falta conhecimento, ponto de vista certo e disposição para verdadeiramente mudar. Falta a humilde aceitação de que não temos todos os dados nem todos os instrumentos para compreender, resolver, superar. Falta a visão de conjunto, faltam detalhes importantes que permitem resolver um problema de ordem relacional, existencial e espiritual.

Para completar, ou melhor para piorar a questão, existe um fato chamado negação. Se diante de uma televisão quebrada ou de um computador com vírus todos reconhecem que há um problema, quando se trata de algo psicológico, interior, pessoal, de comportamento e de relação existe a escapatóia que consiste em negar que haja qualquer problema. O que claramente faz com que a situação não tenha solução.

Por que a pessoa nega? Por um lado, porque sua auto-estima é tão baixa que se reconhecer um problema seu se sentirá um zero à esquerda e/ou não conseguirá acreditar em sua capacidade de resolver qualquer coisa. Por outro lado, o interesse em manter a situação do jeito que está pode ser maior do desconforto que a própria situação causa. Ou seja, malandragem psicológica. E, como se quer manter a fachada da pessoa de bem, ou “certa”, o problema é negado.

Entretanto, mesmo nesses casos há sempre alguma solução para os que convivem com esse tipo de pessoas. A forma como nos relacionamos com uns e outros modifica uns e outros. Já fazemos isso, sem querer ou com intenções pouco nobres. Podemos utilizar esse recurso dentro de uma estratégia construtiva voltada para a saúde mental, emocional e espiritual nossa e do ambiente no qual vivemos, no lugar de endossar a impunidade. Novamente, depende de nós.

Então, antes de concluir que “não há solução” vamos ser honestos e humildes o suficiente para reconhecer nossos limites e poder assim buscar ajuda para nos tornarmos pessoas melhores, ou seja mais sábias, fortes, inteiras e construtivas. Toda crise é também uma oportunidade para dar um salto para frente e para o alto. Carpe Diem!


Adriana Tanese Nogueira

Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente – Presencial, Skype, por telefone e por escrito. Boca Raton, FL +15613055321. www.adrianatanesenogueira.org

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…