Pular para o conteúdo principal

A LIÇÃO DA BOA EDUCAÇÃO

Somos todos educadores. Tudo que nós fazemos a cada dia é, querendo ou não, uma forma de educação. E infelizmente “educação” não quer dizer necessariamente educação para o bem, para o conhecimento, para os valores (do bem), para o melhor, para o conhecimento. É ingênuo pensar que educar seja simplesmente a conversinha sobre o certo e o errado que se faz aos filhos à noite antes de ir dormir, ou a aulinha de matemática e os deveres de casa de história.

Educar é TUDO o que fazemos, absolutamente tudo. A forma como nos portamos pelas ruas, como dirigimos, como conversamos com os vizinhos, os assuntos sobre escolhemos conversar, as pessoas que valorizamos, as regras que seguimos e aquelas que não seguimos... O que deixamos passar, o que elogiamos, o que criticamos, o que acatamos e o que rejeitamos, onde gastamos nosso dinheiro e tempo e o onde evitamos gastar nosso dinheiro e tempo. Observe onde gasta seu tempo e dinheiro e... saberá quem é, seus verdadeiros valores e interesses.

E com “valores” não quero dizer: o valor da amizade, da justiça, da ética.... Há o “valor” do oportunismo, da mentira, da preguiça, do conformismo, do comodismo. Valor, infelizmente, não equivale necessariamente a coisa boa. Valor é o que “vale”... para uma determinada pessoa e num determinado contexto social. Portanto, podemos educar para a estupidez, o medo, a ignorância, a violência, a omissão...

O pai que agrede o filho o está educando para a violência e para a insensibilidade.  O pai ausente está ensinando a rejeição. A mãe omissa está ensinando a omissão e com ela a mentira e a hipocrisia. O amigo traidor está educando para a desconfiança. O vizinho ladro também. A polícia violenta e abusiva para a injustiça. O governo corrupto para a impotência assim como os pais violentos e impunes. O sorriso gratuito educa para a gentileza. O gesto sincero para a ternura. O amor pelo conhecimento para o conhecimento e assim vai.

Nos cabe tomar consciência do que fazemos e assumir nossas escolhas. Intencionalmente ou não, todos exercemos um papel no ambiente no qual vivemos, todos somos educadores e oferecemos exemplo. Portanto, a pergunta que temos que nos colocar é: que ambiente queremos cirar e promover?

Isso começa na família. Relacionamentos não são fáceis. Outra gigantesca ingenuidade é achar que ter um relacionamento romântico é para nos fazer sentir bem, relaxados, felizes. Isso também, mas não só: relacionamentos dão trabalho. Todos eles, com o/a parceiro/a e com os filhos. Logo precisamos ter consciência e escolher os “sim” que damos e os “não” que utilizamos. O fato de você não topar ver certos programas na televisão é educação. Tomara que você esteja excluindo programas que fomentam a violência gratuita e a sexualidade barata. Mas, e se for o contrário?

Uma mulher que permite que seu marido a agrida o está educando para a impunidade e a si mesma para a submissão. Uma mãe que permite que o pai de seus filhos os agrida o está educando para a violência e está educando os filhos para uma normalidade abnormal, e para o medo e a infelicidade.

Mudar a realidade começa tomando consciência do poder das nossas ações, gestos, olhares, sims e nãos. Se você não gosta de uma forma de relação não se deixe encaixotar. Agora, claro, requer trabalho! O trabalho de mudar o próprio comportamento e sustentar a tensão que irá produzir. Educar conscientemente para o bem é empenhativo e é por isso que poucas pessoas o assumem, preferem seguir inconscientes, sem perceber que assim fazendo fortalecem a própria realidade da qual depois reclamam.

Adriana Tanese Nogueira

Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente – Presencial, Skype, por telefone e por escrito. Boca Raton, FL +15613055321. www.adrianatanesenogueira.org


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …