Pular para o conteúdo principal

BIANCA, A BEBÊ QUE NÃO ANDAVA

Bianca estava com tem sete meses e havia a pouco começado a ficar sentada sozinha. Aos oitos ela ainda não engatinhava. A mãe observava, um pouco preocupada, mas muita coisa estava acontecendo e, vendo Bianca alegre, considerou que tudo estava bem. Cada bebê com o seu tempo.

Um dia comprou um daqueles tapetes coloridos feito de peças para montar, como um quebracabeça, com os números e as letras do alfabeto. O armou na sala, na frente do sofá, e lá colocou a pequena Bianca, sentada com um pote de brinquedos coloridos para explorar. Enquanto fazia as atividades domésticas, mantinha um olho na filha. Bianca ficou entretida por um bom tempo, ocupou-se, divertiu-se, e observava a mãe – sem nunca sair dos limites do tapete.

A mãe de Bianca olhava sorrindo mas também um pouco perplexa. Deixou o tempo passar. Cada criança precisa ser olhada como uma peça única da humanidade e não comparada a ninguém mais, nem mesmo a si próprias, pois a mãe de Bianca havia começado a andar aos nove meses...

Bianca só foi andar com um ano e quatro meses, andar sozinha, de verdade, completamente autônoma. Sua mãe teve de exercer verdadeiro controle sobre sua própria ansiedade, mantendo as expectativas o mais longe possível da filha que tinha o sagrado direito de seguir seus rítmos internos.

Como explicar a grande diferença entre mãe e filha? Se olharmos somente para Bianca, as más línguas podem dizer: bebê preguiçosa ou fraca... No lugar dessa visão miope e reducionista, vamos ser mais fieis à realidade e ampliar o foco de visão.

Cada bebê tem sua personalidade que se mostra desde o início de sua vida. Mas esta personalidade vai expressar certas características ou não na relação com o ambiente. E por ambiente entendendo desde a vida intrauterina até o ambiente físico no qual um indivíduo nasce.

Dentro da barriga da mãe, Bianca presenciou às agressões do pai contra a mãe, ou seja, contra ela, pois nesse momento mãe-e-feto são uma coisa só. O pai de Bianca é alcoólatra, o que significa que ele está sujeito a ter ataques de agressividade e a estimular conflitos e brigas de forma periódica e constante, sem precisar de nenhum real motivo. Assim funciona com todo dependente de drogas. A mãe de Bianca nunca se submeteu aos atentados do marido mas o clima de tensão e de possíveis atritos tornaram a vida muito complicada e o estado emocional dela sempre no alerta. O nascimento de Bianca foi um dos poucos momentos de harmonia do casal, mas o depois voltou à condição de campo minado. Logo, o ambiente no qual Bianca nasceu não era seguro.

O que faz uma criatura viva diante de um ambiente inseguro? Foge se possível, mas se não for possível, para. É cautelosa e observa para entender o que é que está acontecendo. Somente quando tiver dados suficientes que permitam a segurança, ela se mexe. Num terreno minado precisa pelo menos ter uma intuição de para qual lado ir para evitar o pior, certo?

Tudo diferente do que viveu a mãe de Bianca que nasceu de um casal tranquilo e pacífico, sem brigas, sem conflitos e num lugar muito sossegado. Nada ameaçava sua paz. Logo, ela pôde se lançar mais cedo na exploração do mundo.

Bianca só foi andar solta e autônoma após seis meses que sua mãe se separou de seu pai, após se estabilizarem num lugar tranquilo na proximidade de poucas mas seguras companhias. Inclusive, o ambiente físico também mudou, da cidade caótica, barulhenta e poluída, foram para o interior, uma chácara verde com borboletas, gatos, cachorros, flores e passarinhos.


Adriana Tanese Nogueira


Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente – Presencial, Skype, por telefone e por escrito. Boca Raton, FL +15613055321. www.adrianatanesenogueira.org

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…