Pular para o conteúdo principal

O AMOR ESTÁ ESCRITO NAS ESTRELAS

Apaixonar-se é um movimento do espírito, não do corpo. O que vemos no corpo é o que os olhos do espírito nos fazem enxergar. Com espírito quero dizer nossa alma, e está tem sua própria agenda de prioridades, valores, buscas e desejos. O outro pode combinar com aquilo que a alma deseja ou com suas prioridades apesar dos olhos do eu estranhar isso ou aquilo, ou mesmo não querer.

De fato não amamos e não nos apaixonamos por quem queremos: as coisas simplesmente acontecem. Como muitos devem observado, pode haver relutância por parte do eu em aceitar o que está acontecendo, porque paixão e amor são de alguma forma uma derrota do eu. Paixão e amor nos faz perder o controle, disto o eu não gosta. Mas é claro, que esta perda de controle é para um bem maior, mas não existe garantia de nada e enquanto isso “perdemos o controle” sobre nossa vida, nosso tempo, nossos desejos.

E uma vez que nos entregamos à paixão, nem sempre as coisas vão como o eu ou mesmo a alma gostariam. Até a alma pode ficar decepcionada porque apesar de as afinidades percebidas serem reais, elas não são a única característica da pessoa que encontramos. Há muitos outros aspectos dela (e nossos) que entrarão em jogo na relação e que vão ter que ser levados em consideração, se que queira ou não. É inevitável.

Cada um de nós é um pacote cheio de surpresas e não tem como saber quais são antes de abrir o pacote. Podemos sentir perfumes, ver coisas bonitas, ler nas entrelinhas, mas mesmo tendo bom julgamente há sempre surpresas que só podem ser reveladas no desenvolvimento da relação. Aos que se decepcionam e dizem “nunca mais” deve servir de consolo o fato que não se tem como ter conhecimento de antemão do que é e do que não é sem experimentar, e que somente tentando temos a chance de vencer.

O amor é um processo de crescimento mútuo. Duas almas se tocam profundamente em algum ponto de seu ser. Quanto mais profundo for o ponto tocado mais intensa será a ligação, e a partir dali os dois são chamados para uma jornadas juntos. Essa jornada não é somente a jornada de viver o dia a dia juntos,  de se comprometer um com outro, mas é sobretudo a jornada interior do crescimento mútuo. Não tem como estarmos numa relação de amor e não mudarmos. Mudar nem sempre é crescer.

Crescer dá trabalho e pode haver relutância em assumir esse trablho, o que é a maior razão dos problemas que ocorrem entre casais. Não se entende a direção do crescimento ou não se quer renunciar ao que parece  mais importante, ou mesmo se termina num jogo de poder. Crescimento aparece ser dominação de um sobre o outro, às vezes é isso mesmo então não é mais crescimento. Outras vezes, crescimento parece ser uma renúncia a algo muito pessoal, importante demais para nós, e então é preciso averiguar se estamos prontos e se conseguimos enxergar o futuro para além do passado. Crescimento é também sempre uma negociação que quanto mais sincera for mais frutos positivos irá produzir. Como diz C. G. Jung, a relação é sempre uma reação química entre dois elementos, ao encontrar-se ambos serão são transformados, formando um terceiro elemento que o produto deles, justamente a Relação.


Adriana Tanese Nogueira

Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente – Presencial, Skype, por telefone e por escrito. Boca Raton, FL +15613055321. www.adrianatanesenogueira.org.


Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …