Pular para o conteúdo principal

O BULLYING NOSSO DE CADA DIA

O bulling é um fenômeno sempre mais discutido, talvez seja mais comum hoje do que no passado ou então somos nós que o percebemos mais e nos conformamos menos. Fato está que o bulling é um evento corriqueiro nas escolas. E se é verdade que estas, os professores e diretores precisam tomar atitudes efetivas para enfrentar o problema, precisamos também compreender como ele nasce, porque ao entender sua origem nossas chances de erradicá-lo aumentam consideravelmente.

O bullying é uma forma de relação baseada no poder entendido como supremacia de um sobre o outro. Perguntemo-nos: de onde será que nasce a necessidade de colocar alguém para baixo, de se sentir superior? De onde nasce essa vontade de se afirmar, de se fazer ouvir, de ser respeitado a todo custo?

Apesar dos métodos errados, o bullying é a expressão da necessidade da criança ou do jovem de ser ouvido, de ser alguém, de ser respeitado, de ser levado em consideração. Se a criança ou o jovem chega a esse ponto é porque ele não se sente valorizado, se sente um “nada”. Ou seja, não se sente amado. E onde será que ele desenvolveu este problema? Com quem será que ele teve a experiência de não ser ouvido, de não ser importante, de não ser respeitado?

Antigamente, se acreditava que já nascíamos bons ou ruins. Com o passar do tempo, foi se percebendo o quanto o ambiente influencia a construção da personalidade e hoje sabemos que determinadas características genéticas podem ser despertadas ou não pelo ambiente. Portanto o ambiente no qual uma criança nasce é fundamental para o desenvolvimento de suas qualidades, e de seus defeitos. O bullying pode ser lido, portanto, como uma denúncia da má qualidade de relação que a criança tem em casa. O bullying é o sintoma da relação que a criança tem como os pais. Uma criança que foi respeitada conhece o respeito, uma criança que foi desrespeitada conhece o desrespeito.

Infelizmente, é muito comum as crianças sofreram bullying de seus pais. O bullying é uma relação de poder baseada na força do mais florte, onde mais forte quer dizer duas coisas: mais bruto, duro, grosseiro, prepotente e insensível; ou mais brutalmente distante, duramente insensível, desatento e desinteressado. Na ausência de recursos educacionais para criar uma criança se utiliza muitas vezes o bullying para colocá-la “em seu lugar”: deboche, humilhação e mandar calar são muito comuns. Outras vezes, o bullying desenvolvido pelo filho é o resultado de sua revolta contra a desconsideração que os pais têm a seu respeito. A brutalidade da falta de atenção para com uma criança pode se transformar em ódio e vontade de vingança por parte desta. Não precisa bater num filho para machucá-lo. Basta não dar atenção, não levar em consideração as necessidades compatíveis com sua fase de desenvolvimento; basta não ouvir sua verdadeira voz. Uma criança poderá reagir com depressão/inquietação ou com raiva, conforme seu temperamento.

O bully nada mais é que aquele que diz “Eu não gosto disso! Eu não quero isso!”, só que no lugar de tirar satisfação com quem engendrou a relação, a criança aprendeu que ser prepotente é “legal” porque é o que os adultos ensinam, eles que “podem tudo”. Assim, esses jovens repetem nos outros o que viveram, com dois resultados: por um lado se vingam do sofrimento padecido, descarregando a raiva, o desprezo e o ódio que armazeram; por outro, esmagam nos colegas o que aprenderam a considerar “fraqueza”: a sensibilidade, a vontade de aprender, a introspecção, o silêncio, a calma, a reflexão, a diversidade, a criatividade, a espontaneidade, a timidez, a doçura, etc.


Adriana Tanese Nogueira

Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente – Presencial, Skype, por telefone e por escrito. Boca Raton, FL +15613055321. www.adrianatanesenogueira.org.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…