Pular para o conteúdo principal

CRIANÇAS PRECISAM DE LIMITES

Um bebê nasce, e é como o Menino Jesus na majedoura: adorado por todos. O bebê se torna o centro das atenções. Do ponto de vista da maternidade, esta é uma necessidade inexorável. Maternidade é estar à disposição do bebê até ele ir ganhando independência e os dois, mãe e filho, irem reformulando sua relação a cada dia. Mas do ponto de vista dos adultos, que seu mundo rode em volta do bebê da casa demonstra que estes adultos estão com problemas de comunicação, vazio existencial, insatisfação...

Infelizmente, muitos bebês se tornam a diversão da casa. Substitui-se o cuidado parental e educacional com a camaradagem, a festinha. O bebê como mini-adulto, alegrando a vida cansada de adultos desbotados, tristes por dentro que cobram o trabalho que o bebê dá pelo seu “entertainment”. “Crianças grandes”, ou seja adultos imaturos cuidando de crianças pequenas: sem horário para dormir, sem pode-não pode, sem “nãos”. Como se chega a isso?

Todos nós adultos sabemos quanto é desagradável receber um não: recebemos muitos na vida, certo? O lá fora está cheio de limites e até a vida em casa: o relacionamento limita, a conta no banco limita, o ser do outro limita, as heranças familiares limitam... Assim, os adultos projetam sobre seus filhos sua sonhada terra-do-nunca, onde nunca há limites e tudo é festa e alegria... Ah, relaxar...

E os adultos estragam as crianças e podem apostar que terão sérios problemas com elas, entre eles: agressividade, defit de atenção, choro fácil, manipulação, controle, distúrbios do aprendizado, dificuldade de socialização e falta de empatia.

A culpa não é da criança, apesar de terminar por ser sua, porque ela de fato se torna insuportável. Profissionais de todo tipo se apressarão a diagnosticá-la e se darão ao trabalho de “re-formatá-la”.

Crianças precisam de limites.

Para começar, percebo uma enorme ignorância a respeito dos processos fisiológicos e naturais do desenvolvimento. Falta a atenção básica para o que o corpo e a sensibilidade de uma criança em suas várias fases da vida (1 mês, 3 meses, 6 meses, 9 meses, 1 ano, 2 anos, etc.) precisam. Falta o cuidado para com os rítmos básicos do corpo: sono, descanso, alimentação, água, sol, ambiente. E falta o cuidado com as emoções/sentimentos: por exemplo, uma criança geralmente não quer dormir à noite porque PRECISA de tempo com seus pais. Ela está recuperando o dia inteiro longe deles. Ela PRECISA dessa relação tanto quanto precisa de comida. Portanto, intensificar a qualidade da relação, na falta de tempo, é uma necessidade que o adulto responsável deve tomar para assegurar-se o equilíbrio psicológico do filho – e físico, pois a criança irá dormir mais facil e rapidamente após ter se abastecido de “mamãe” e “papai”.

A falta de limites gera confusão na cabeça da criança que ainda não sabe nada do mundo dos adultos, onde há nãos absolutos. Sua experiência em casa a leva à falsa conclusão que ela pode tudo e que é amada independentemente do que faz. Uma vez na realidade externa, ela se sentirá desadaptada porque o que aprendeu não se aplica. Os resultados são frustrantes. Sem ter outros recursos, a criança se fica sem saber o que fazer, sente a angústia que surge quando o nosso desenvolvimento está impedido. Daí surge a raiva e a agressividadeava, ou o recuo e o isolamenteo, dependendo da personalidade.

Por ter sido usada para aliviar as tensões adultas, por não ter tido suficiente saudável solidão e por excesso de estímulos (televisão, comida, companhia, diversões, atividades, etc.), a criança está carregada de energia (emoções e tensões internas) e temos hiper atividade, deficit de atenção e distúrbios da aprendizagem.

Difícil ser criança...


Adriana Tanese Nogueira


Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente – Presencial, Skype, por telefone e por escrito. Boca Raton, FL +15613055321. www.adrianatanesenogueira.org.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …