Pular para o conteúdo principal

DEPRESSÃO DO CORPO E DA ALMA

Há dois tipos de depressão, aquela do corpo e aquela da alma. Quando combinadas, o que infelizmente é comum, se potencializam num coquetel de difícil digestão.

Disse Alexander Lowen, fundador da Bioenergética, que o corpo tem suas alegrias e tristezas. Nosso corpo mamífero está sujeito às mesmas leis dos outros mamíferos. Assim, a alegria sem motivo dos filhote é a mesma daquela do bebê: é a alegria da vida, do estar vivo. E como a vida é movimento, então a alegria vem do livre e espontâneo movimento do ser vivo. Basta observar a alegria de animal solto após muito tempo preso para entender que a alegria da vida é a alegria do movimento livre.

O movimento livre é aquele espontâneo e harmonioso, produz leveza de espírito e faz a todos sorrir agradecidos. É o corpo se regojizando de si mesmo, a vida celebrando a si própria, bebendo de sua propria energia vital, orgasmicamente renovadora. A vida celebrando a si propria, numa autorevelacao constante. Alegria de Ser. Alegria do Ser.

Desde cedo, porém, sofremos inúmeras coerções que inibem nossa espontaneadade. Que a crianca seja disciplinada excessivamente ou que seja mimada conforme o gosto do adulto, o resultado é o mesmo. E então surge a depressão do corpo: corpo tolhido em sua expressão espontanea e natural, aprisionado em espacos e ritmos que não o respeitam. Corpo pesado, cansado por falta de descanso, de tempo livre, de comida saudavel, de movimento, movimento livre. Burro de carga de uma mente tiranica, de um coracao amarrado e ao mesmo tempo alienado de seus proprios instintos que como uma guia iriam lhe dizer do que precisa. Corpo esquecido.

A depressão da alma surge pelos mesmos motivos e pode ser potencializada pela depressão do corpo. A mesma liberdade que o corpo demanda para sua felicidade, a alma tambem precisa. O que é a liberdade da alma? É aquela de sentir: ter a liberdade de sentir. Sentir o que? Sentir a vida. O que cada experiência lhe diz, lhe propõe, lhe oferece. Liberdade de seguir as próprias inclinações, as próprias tendências interiores.

Mas para que essa liberdade possa acontecer é preciso que seja possibilitada: pelos pais e pela sociedade na qual a pessoa vive. Cada um de nós é único e por isso é pioneiro de sua própria realidade. Isso significa que o mundo não tem um lugar pronto para nós: o precisamos criar.

Sem orientação e apoi, a pessoa, no lugar de criar, tenta se encaixar num lugar, numa forma pre-constituída. O efeito é duplo: por um lado, se encaixar parece tornar a vida mais fácil, por outro se paga ao preço de silenciar a própria verdadeira individualidade. Calando quem realmente somos, perdemos a espontaneidade real, e com ela o contato com o que sentimos profundamente. E nasce a alienação de si, o que significa que não sabemos mais o que realmente queremos. Aprendemos assim a viver conforme o que querem de nós. Pode-se ser feliz? Tão feliz quanto um leão numa jaula.

Depressão é o nome disso. Depressao por ter desistido de si e perdido contato consigo muito tempo atrás. Depressão por não poder desenvolver a propria natureza. Depressao por ter perdido contato com essa natureza. Depressão por viver sem viver, por perder aquela vida preciosa que lá no comecç foi celebreda com pulinhos de alegria e riso...


Adriana Tanese Nogueira


Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente – Presencial, Skype, por telefone e por escrito. Boca Raton, FL +15613055321. www.adrianatanesenogueira.org.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …