Pular para o conteúdo principal

SOMOS AS NOSSAS RELAÇÕES

Nossa identidade é a consequência de uma série de relações, começando pelas mais importantes, a com a mãe e, logo em seguida, a com o pai. A forma como nossa personalidade, tendências e atitudes inatas são moldadas, encontrando desenvolvimento ou frustração, depende exclusivamente das relações nas quais crescemos. Nós somos relação.

Desde recém-nascidos vivemos inseridos numa teia de vínculos. As pessoas à nossa volta se relacionam conosco num determinado modo e este modo se torna o modelo para nos relacionarmos com os outros. E sobretudo com nós mesmos, porque a forma como lidamos com nosso mundo interior (pensamentos, sentimentos e emoções) é o reflexo de como os adultos lidaram com o que pensamos e sentimos. A forma como interpretamos o que acontece com a gente e os papeis que exercemos são o resultado de como fomos “educados”, ou seja das interpretações e dos papeis que os outros nos deram.

É verdade que cada um nasce com sua individualidade única. Entretanto, como essa realidade interior irá se manifestar depende diretamente das relações nas quais crescemos e das quais nos nutrimos.

Vejamos um exemplo: quando o adulto não dá importância ao que a criança sente, esta criança aprendará a desconsiderar o que ela sente e a se sentir “errada” e “culpada” por sentir o que sente. E vice-versa, quando o adulto dá importância ao que a criança manifesta, esta aprendará a entender-se e não se sentirá “deficiente” por ter algo dentro “que não vale”, porque estará vivenciando seu pai ou mãe valorizando o que ela sente.

O padrão das primeiras relações da nossa vida é geralmente repetido na vida adulta, isso porque ele representa a única referência que possuimos. Com o tempo, a racionalidade se sobrepõe e mascara a realidade interior dos sentimentos. Assim, se chega a acreditar que “somos diferentes”, “fazemos certo” e etc. Até o momento em que entramos numa relação e após os primeiros tempos descobrimos que estamos no mesmo padrão antigo, repetindo os mesmos papeis e nos sentindo da mesma forma... Descobrimos que há como uma marca d’água interna que nos molda nos relacionamentos.

O que fazer? Em primeiro lugar, desisitir de fingir. Já é um bom começo. Cair na (nossa) real e começar a encararmos o que de fato sentimos, queremos, pensamos abaixo da camada plastificada que mostramos ao mundo e ao nosso espelho todas as manhãs. Significa aceitar-se e começar a cuidar de nós. Sem dramas e desesperos, simplesmente cuidar e conhecer. Entender o que está acontecendo com nós. Como poderíamos, sem um trabalho de auto-conhecimento, “desmanchar” a marca d’água interna e mudar de modelo de relação?

As relações que temos fazem o que somos, mudanças reais em nós se refletem nelas, os outros são atingidos e criamos um ambiente melhor ou pior conforme o que projetamos nele. Enfim, temos poder de transformação, é só sabê-lo enxergar.

Através dos relacionamentos podemos construir grandes coisas ou destruir coisas preciosas, cabe a nós. Mas, como nós somos tanto os ideadores quanto os fazedores, é preciso que não só saibamos ter boas ideias (e pensamentos corretos) como que tenhamos também os instrumentos para a realização da tarefa...  De nada adianta ter o projeto sem mãos para realizá-lo ou pior tendo mãos que seguem outra agenda.

Adriana Tanese Nogueira


Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente, individual e de grupo – Presencial, Skype, por telefone e por escrito. Boca Raton, FL +15613055321. www.adrianatanesenogueira.org.

Comentários

  1. Olá Adriana!
    Adorei seu texto!
    Percebo que não temos onde nos esconder. Sempre estamos ‘falando’ de nós mesmos, em cada movimento que fazemos, a cada momento.
    Ao desenhar, ao falar, quando não falamos, o modo de vestir, em nossas amizades, na nossa família e tantas e tantas outras coisas... Tudo nos mostra.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  2. É, tudo nos mostra. É saber enxergar. Mas, o verso dessa idéia é que pelas relações (no caso) nos alteramos a nós mesmos ou manifestamos nossa evolução como subjeitos conscientes.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …