Pular para o conteúdo principal

VAIDADE, NARCISISMO E AMOR PRÓPRIO

“Cuidado com a vaidade”,  disse Papa Francisco, “torna a vida uma bollha de sabão.” A vaidade tradicionalmente indica a crença exagerada nas próprias capacidades de atrair os outros. Até o século XIV não tinha nenhuma relação com o narcisismo, sendo considerada simplesmente uma futilidade. Em âmbito filosófico, a vaidade adquire um senso mais amplo englobando egoismo e soberbia. Nietzsche escreveu que “a vaidade é o medo de mostrar a própria originalidade.” Em muitas religiões, é considerada uma forma de auto-idolatria, na qual o indivíduo rejeita Deus e abraça sua própria imagem. Nos ensinamentos cristãos, a vaidade é um dos sete pecados capitais.

A palavra vem do latim “vanitas”, originário de “vanus” que quer dizer vazio mas também inútil, fútil, inconsistente, fugaz. Algo que é mais aparência do que substância, também ausência de corporeidade, ou seja impalpável.

Narcisismo e vaidade não se identificam, sendo o primeiro considerado hoje um verdadeiro distúrbio da personalidade. O narcista apresenta pelo menos 5 dos seguintes traços: um senso grandioso da própria importância; fantasias ilimitadas de sucesso, poder, beleza;  crença que é “especial e único”; exigência de constante admiração; se acha “no direito” e requer tratamento especial; se aproveita dos outros; não tem empatia; inveja o que os outros têm; mostra-se arrogante e soberbo.

A vaidade é um aspecto psicológico que integra a “normalidade” da vida humana. Mas de qual normalidade se trata? A que todos conhecemos hoje em dia: estamos na era da imagem e sobretudo da auto-imagem que não precisa ter necessariamente qualquer vínculo com uma realidade subjacente. O importante é a aparecer. A corrida por postagem de imagens, muitas vezes elaboradas para enaltecer este ou aquele aspecto, é um traço dos nossos tempos.

O que isso esconde? Ou não esconde nada?

O filosofo francês Baudrillard chamava esses tempos de a época dos “simulacros”,  simulacros são imagens vazias que não remetem a qualquer realidade. Não serve para apresentar algo, se justificam por si próprias. O que do ponto de vista tecnólogico e artístico pode até ser uma qualidade, mas do ponto de vista humano?

É interessante colocar-se a pergunta: o que significa esse nosso tempo de selfies? Vamos distinguir algumas ideias: por um lado há claramente uma tendência coletiva a exibir-se. É um mostrar-se para se promover, promover a própria cara basicamente, em termos vaidosos-narcisisticos, seguindo a crença de que quem é visto “existe” e quem é mais visto existe mais ou tem “poder”; popularidade é poder. Não  importa quem você realmente é, o que de fato pensa, faz e promove no mundo.

De que maneira isso se relaciona com “amor próprio”? Eis o desafio. Para ter auto-estima é preciso sermos independentes do aplauso dos outros, é uma condição necessária. Por outro lado, para existir coletivamente e realizar as próprias coisas é preciso também mergulhar nesse mundo de (auto-)imagens. O segredo consiste em não fazer esse mundo imaginário, fantasioso, a própria identidade. Aí é que se cai na “bolha de sabão” da qual falou Papa Francisco: o risco de identificar-se com sua própria imagem (como Narciso) e nela se perder. Como então conviver com o mundo das (auto-)imagens sem cair na banalidade e e vaidade? Quando se tem algo superior pelo qual se trabalha. O Cristianismo chama isso de Deus, psicologicamente o chamamos de valores, centro da personalidade, causa. Assim, na vaidade generalizada hodierna é possível expressar conceitos diferentes na forma como se faz as coisas, como se tira uma foto, como a se legenda e etc.

Temos escolhas. Depende de quem somos, de nossa consistência real, escolher por qual caminho enveredar nesse mundo fantasmagórico e superficial das imagens e então fazer a diferença.

Adriana Tanese Nogueira

Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente, individual e de grupo – Presencial, Skype, por telefone e por escrito. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org e www.atnhumanize.com

Comentários

  1. Muito bem definidos os conceitos, coisa difícil de ser feita com tanta simplicidade e didática. Separar o que se confunde e mistura com esta facilidade e clareza é para poucos. Parabéns.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…