Pular para o conteúdo principal

PINÓQUIO, OU COMO VIRAR GENTE

A história de Pinóquio esconde uma mensagem intrigante. Vejam bem, Pinóquio é um boneco de pau e toda sua trajetória se reconduz à questão: seguir o que o pai (adotivo) lhe diz ou desviar-se do caminho seguindo suas próprias pulsões do momento? A salvação vem da fadinha (mãe adotiva) que o ilumina sobre o fato que ele deve aprender a assumir em primeira pessoa suas escolhas, sendo responsável e consciente. Esse percurso é marcado por sua relação conflitiva com o Grilo Falante o qual, como todos sabemos, representa aquela coisa “chata” que se chama consciência.
A consciência é aquela voz que questiona as nossas ideias, crenças, pulsões,d desejos. Não todos. A consciência questiona para fazer uma triagem, para separar o joio do trigo. A consciência debate a validade de isso ou daquilo, se algo que antes era válido ainda o é, se aquilo que se pensa se quer de fato se quer, etc... A consciência de Pinóquio põe em discussão duas coisas basicamente: o trabalho, o mundo das obrigações, responsabilidades, aprendizado (que é trabalhoso) e seu se deixar levar pelos outros.
Aprender a trabalhar é trabalhoso. Significa aprender a dedicar-se, manter o foco, a concentração, estar sentado numa cadeira por mais tempo do que se gostaria ou ocupado com algo que não aparenta solução imediata. Aprender é trabalhoso, trabalhar é um esforço. Toda conquista é esforço.
Esforço é recolher a própria energia no lugar de desperdiçá-la em atividades que não produzem trabalho, recolhê-la, canalizá-la e levá-la para outro nível que é o da produção de algo novo, um novo aprendizado ou um novo produto criado.
As crianças precisam ser educadas para conseguir realizar tal esforço, educadas para o trabalho – o que é um trabalho que cabe aos pais. Estes mostram com o exemplo o que é dedicação, responsabilidade e perseverança e ensinam colocando a criança na condição de poder desenvolver essas qualidades. Como? Dando-he responsabilidades e tendo paciência no processo.
Os jovens em geral precisam ter responsabilidades adequadas a seu momento de desenvolvimento psico-físico, se forem demais ou de menos estaremos prejudicando a criatura. Cada passo nesse aprendizado precisa ser suportado pelos pais porque sair do fácil para o difícil não é fácil para ninguém, certo?
A outra coisa que Pinóquio precisa vencer é aquela de se deixar levar pelos outros. Como se ajuda um filho nisso? Dando força para seu Grilo Falante, ou seja investindo em sua consciência. Quando a criança ou o jovem está lá fora com os amigos não há melhor orientação, melhor luz no caminho que sua própria consciência. A consciência fala, alerta, vê, enxerga, denuncia.
Ser boneco significa não ter autonomia. Ser boneco é ser manipulável. De qual autonomia estamos falando? Da autonomia do pensar em primeira pessoa por exemplo, da autonomia do fazer e assumir o que se faz e se escolhe, da autonomia de decidir conforme a própria cabeça.
Para ajudar um filho a ter essa consciência é preciso ensinar que ser diferentes é bom, que não gostar de tudo o que os outros gostam (ou aparentam gostarem) é bom, que as inclinações particulares do filho merecem ser ouvidas, que o que ele sente merece ser acolhido, que o que ele pensa merece ser discutido aberta e livremente.

Tratando um filho como um indivíduo único estaresmos desenvolvendo nele sua unicidade. Sentindo-se tratado como alguém que tem um valor próprio único, um filho se porta no mundo como alguém que pode pensar com sua cabeça, está capacitado a enfrentar os desafios. E o primeiro e maior desafio de todos nós é a inserção criativa no grupo que mantém viva nossa verdade interior.

Adriana Tanese Nogueira
Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente, individual e de grupo – Presencial, Skype, por telefone, Facebook. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org e www.atnhumanize.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …