Pular para o conteúdo principal

CONSUMIDORES (PSICOLOGICAMENTE) CONSCIENTES

Quando você tem ou quer ter consciência do que come irá prestar atenção à origem do produto, à sua composição, apresentação e validade, certo? Evitará coisas que sabe fazem mal. Fará escolhas baseadas no que seu corpo precisa e fará essa escolha tanto usando conhecimentos genéricos (precisamos de x de proteínas, x de caroboidratos, etc.) quanto no conhecimento de seu corpo, do momento que está vivendo, das necessidades específicas de seu agora.  Parece óbvio, não?

O corpo é um organismo maravilhoso capaz de se recuperar de muitos ataques e agressões. Quando bem tratado, poderá reagir de forma rápida e saudável naquela vez em que você irá comer coisas que sabe não deveria, sua dieta habitual o tornou forte o suficiente para reagir bem ao que não faz tão bem. Se, porém, comer porcaria for o normal, o equilíbrio original do corpo com o tempo se perde por estar sendo atacado constantemente por produtos tóxicos.  

A mesmíssima coisa ocorre no plano psico-emocional. Há “alimentos” que nos fazem bem, que nos fortalecems como pessoas e alimentos que nos prejudicam, enfraquecem. Esses “alimentos” são: pessoas, lugares, trabalhos, pensamentos, ambientes sociais, amizades, relacionamentos, hábitos. A lógica é a mesma. E estes também são ingredientes nutricionais para a sáúde geral do organismo vivo que somos nós. Não nos nutrimos somente de comida e de bebida, mas também de atitudes, escolhas, pessoas e idéias.

Quem tem consciência disso, começa a fazer escolhas e a definir o que quer para si. Assm como restringimos o consumo de alimentos pesados e artificiais, que são atraentes por fora mas danosos quando dentro do corpo, faz-se o mesmo com relações e atitudes, pensamentos e emoções vindos de pessoas e ambientes. A aparência bonita não necessariamente corresponde ao conteúdo saudável.

Ao querer cuidar da saúde física é importante não esquecer daquela psicológica porque sabemos hoje que as emoções intereferem no funcionamento do corpo e todos podemos constatar isso quando temos uma dor de cabeça após uma briga ou a refeição fica parada no estômago quando estamos estressados e apressados.

Hoje em dia temos “consumidores conscientes” de produtos animais e vegetais. Precisamos agora de “indivíduos psicologicamente conscientes”.

Quando um consumidor consciente evita um produto ou devolve outro porque está estragado, ele contribui para a melhora geral da produção de bens ingeríveis, certo? Da mesma forma, um indivíduo psicologicamente consciente ao rejeitar certas companhias, escolhas, atitudes, ideias está contribuindo não somente para com sua saúde mental e emocional mas também para um mundo humano mais saudável, uma sociedade mais harmoniosa e equilibrada.

É importante, portanto, saber dizer “não” a conversas vazias e entediantes, atitudes denigratorias, comprotamentos alheios que nos prejudicam, companhias que não acrescentam, falação vulgar e preconceituosa. Esta orgía psicológica e intelectual produz tensões, ilusões, pensamentos obsessivos e distrações que nos afastam de nosso verdadeiro centro, do que somos de melhor. É essencial para o nosso bem e aquele do mundo que não permitamos que a pior parte de colegas e amigos domine a relação e a situação. Muitas vezes, estas pessoas não se dão conta do prejuízo que causam, ou seja não têm consciência do que fazem. Por isso, quem percebe o mal estar que elas geram tem a obrigação de tomar atitudes saudáveis. Há momentos em que a tolerância é intolerável. Ser “bons” – como escrevi no meu post “Ser Bons, Não Bobos” – há de ser uma escolha sensata. Acatar o que faz mal não é ser bons, é ser tolos. Desta forma, ninguém progride, ninguém cresce e ninguém é realmente feliz. A constante intoxicação mental e psicológica nos deixa grogues e estupidificados. E com o tempo, vem a famosa depressão.

Adriana Tanese Nogueira


Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente, individual e de grupo – Presencial, Skype, por telefone, Facebook. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org e www.atnhumanize.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…