Pular para o conteúdo principal

DEIXEM AS CRIANÇAS EM PAZ

Recentemente li um artigo sobre a questão do silêncio na infância. Pensei na importância do silêncio para as crianças e lembrei de todas as vezes em que se colocam palavras na boca das crianças. Quantos adultos encontro que não conseguem sustentar o silêncio delas, seu olhar penetrante e silencioso ou mesmo sua falta de interesse no que estamos falando e em nossa pessoa. E por que deveríamos ser o centro do mundo sempre?

As crianças, quando pequeninas e ainda não “estragadas” pelo “politicamente correto” dos pais, são genuinas e reagem conforme sua interioridade, não de acordo com as expectativas alheias ou as regras sociais. É importante mantê-las nessa condição o mais possível.

Para proteger sua individualidade e seu processo de “encarnação” e conscientização, eu nunca disse para minha filha, “Dá tchau pro fulaninho ou pra sicraninha”. Seu ir embora silencioso não é sinônimo de falta de educação.

Deixemos as crianças em paz. Elas estão observando o ambiente, sentindo a realidade, tomando conhecimento do lugar onde nasceram, das pessoas que estão à sua volta, de como “funciona este mundo” no qual chegaram. Dêem-lhes tempo para fazer sua avaliação e aos poucos sair de sua toca interior e começar a interagir, no seu sagrado rítmo e modo. Permitam que as crianças criem suas próprias respostas, originais e únicas, mas também fruto das informações que colheu em sua vida conosco. Deixem, enfim, que as crianças sejam elas mesmas. Ninguém nasce para ser clone de um modelo social, ou estereótipo de “filho ideal”.

Temos tempo, tempo demais, para nos formatármos aos requisitos do grupo e da sociedade. A família, lugar da primeira educação, haveria de ser o espaço onde o pequeno ser humano desenvolve sua personalidade. Isso é um processo. É como escrever um livro. Um autor precisa deixar as ideias surgirem em sua mente e não falar delas, não escrevê-las, até ter encontrado as palavras certas para cada uma. Se quiser botar no papel um pensamento mal construído e pouco claro irá perder a pérola contida na ideia original. É preciso deixar que a ideia assuma uma certa clareza e possa se definir em palavras inequívocas para então expressá-las, materializá-las com tinta e papel. E mesmo quando tivermos todas as palavras reunidas numa bela história, ainda precisamos de tempo, temos que deixar amadurecer, digerir e processar, rever e avaliar... Só depois publicar. Antes disso é o mesmo que tirar um fruto verde da árvore: desperdício.

Com as crianças ocorre algo parecido. Há um tempo de processamento da realidade interna e daquela externa (das duas!) durante o qual elas não deveriam ser apressadas para se tornarem boas relações públicas. É falta de consideração com elas. Precisaríamos deixar que elas amadureçam até sentirem necessidade de falar e, então sim, ajudá-las respeitosamente na expressão.

Ao botarmos palavras na boca de nossas crianças, forçando-as a ter interações sociais para as quais não estão prontas, nós estamos ensinando-lhes a triste lição do desrespeito para com seus tempos e ritmos interiores. Alimentamos nelas a desconexão do que realmente sentem e damos as condições para uma série de problemas se desenvolverem.

Um desses problemas é a falação constante: falação interna, dentro da própria cabeça (quem não a conhece?) e falação externa. Falar por falar, para preecher o espaço de algo (e fugir do vazio que sentem). Que com o tempo significa falar em voz sempre mais alta... alta por que? Para ser ouvida. Mas a criança, o adulto responde, está sendo ouvida! A falação dela está sendo ouvida, sim, mas o que ela realmente precisa falar, aquilo que está trancado dentro dela, inacessível, não está sendo ouvido.

Daí nasce o medo do silêncio. No silêncio ficou o que calamos, incluindo nossa necessidade dolorosa e indispensável de silêncio!

Adriana Tanese Nogueira

Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente, individual e de grupo – Presencial, Skype, por telefone, Facebook. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org e www.atnhumanize.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …