Pular para o conteúdo principal

FLORAIS DE BACH: UMA PRECIOSA TERAPIA COMPLEMENTAR

Graças aos estudos de um médico inglês do século passado, Edward Bach, é possível recuperar aquela paz interior que tanto precisamos e merecemos. Bach se deu conta que quase todos os distúrbios e doenças físicas e mentais têm sua origem na alma. Bach distingue entre alma e personalidade: a primeira é o que verdadeiramente somos, a segunda o que pensamos ser. Em psicologia junguiana seria: Self (ou Si-mesmo) e Eu, ou Eu interior e Ego. Os conflitos se manifestam como desequilibro emocional. Exemplos de desequilibro emocional são: pouca vontade de viver, insatisfação interior, emoções negativas como pessimismo, raiva, intolerância, impaciência, falta de vontade, etc. Segundo Bach, libertando o coração do medo, da culpa, da tristeza, do orgulho, do egoismo, e direcionando-o para a coragem, a serenidade, a compaixão, a alegria de viver e o Amor universal, se pode evitar que as doenças orgânicas encontrem terreno fértil onde afundar raízes.
Para Bach, portanto, a doença e todo desequilíbrio emocional é o resultado de um conflito entre a alma e a personalidade. O importante não é a natureza da doença mas a atitude existencial do ser que a sofre. De fato, a doença deve ser considerada uma campainha de alarme que deve nos fazer despertar de algum estado psico-físico para que reencontremos o caminho que nos religa à nossa alma e às suas necessidades e qualidades. Todo indivíduo adoece conforme como vê e enfrenta a vida.
Ele levou seis anos para encontrar as 38 Flores, buscados entre “as flores e as ervas simples do campo”, através de seus dotes sensitivos e intuitivos. Bastava-lhe apoiar sobre a língua uma pétalda para conseguir perceber o inteiro potencial de energia da planta com base nas reações físicas e/o espirituais que ocorriam nele. Bach sabia que as plantas que esperava descobrir tinham que ser plantas que emanassem fortes vibrações energéticas e que portanto contivessem substâncias ativas benéficas. Nas plantas o potencial maior e mais rico de energia está guardado na flor madura, a qual representa assim o potencial espiritual.
As flores de Bach curam nossas ansiedades, medos, preocupações, defeitos e erros nos tornando melhores.  Têm o poder de devolver a harmonia à nossa vida. A terapia floral de Bach poderia ser definida como uma “Terapia da harmonização e purificação no plano psíquico.”
Há um notável interesse, em diversos ambientes profissionais, por este método de cura altenativo que melhor seria chamar "complementar" porque ele literalmente complementa qualquer outro tipo de remédio ou tratamento. Psicanalistas, médicos, psicólogos, naturopatas, osteopatas, kinesiologos e agentes de saúde em geral experimentaram com sucesso e numa ampla gama de pacientes, os benefícios desta cura que promove uma transformação em positivo da personalidade e das emoções, devolvendo à pessoa o bem-estar psico-físico. Atualmente é um dos sistemas de cura complementar mais usados na Europa e nas Américas, a Organização Mundial de Saúde (OMS) reconhece validade à terapia floral desde 1977.
Se trata de uma terapia absolutamente natural, preparada sem tecnologia alguma, extraída de flores e arbustos silvestres não venenosos. Não tem contraindicações ou efeitos colaterais, e não se contrapõe à ação de remédios alopáticos ou tradicionais. Por isso é considerada Medicina Complementar.
Com os Florais de Bach se obtêm resultados ótimos no tratamento de ataques de pânico, fobias, medos não fisiológicos, estresse, ansiedade, insonia, depressão, dermopatias, desordens alimentares, dependência de cigarro, falta de concentração, apatia, senso de solidão, baixa autoestima, e muito mais. Este 38 pequenos psicólogos estão à nossa disposição: se os soubermos usar da maneira correta podem nos devolver o estado de bem-estar psico-físico em tempos bastante curtos e de forma absolutamente natural. Enfim, uma verdadeira maravilha da natureza!

Adriana Tanese Nogueira
Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente, individual e de grupo – Presencial, Skype, por telefone, Facebook. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org e www.atnhumanize.com


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…