Pular para o conteúdo principal

SEU FILHO FINGE QUE NÃO TE OUVE

Ignorar seu filho quando ele não te ouve não é uma boa ideia. É aliás tão ruim quanto gritar para ele para que te ouça. Vivemos hoje na gangorra entre autoridade zero e autoridade autoritária. Filhos ouvem sim, eles porém às vezes fingem.

Da cozinha a mãe diz, “Felipe, dá uma ajeitada no teu quarto antes que as visitas cheguem.”

Felipe tem 8 anos e continua brincando com os seus carrinhos, ou está assistindo a televisão e continua sentado. Após 15 minutos, a mãe repete a mesma injunção. Nada acontece. Ela repete novamente, nada. Está atrasada, bufa, solta um “Quando seu pai chegar, quero ver...”. Felipe continua jogando seu video-game e a mãe continua na cozinha preparando o jantar.

Resultado: Felipe acabou de demonstrar que pode fazer o que quer e a mãe de Felipe perdeu mais uma batalha no fronte do respeito.

Comportamento alternativo:

Da cozinha a mãe diz, “Felipe, dá uma ajeitada no teu quarto antes que as visitas cheguem.”

Felipe finge que não ouve. A mãe de Felipe para o que está fazendo, olha pro filho, confere se ele está por acaso tão distraído ao ponto de não ter mesmo ouvido. Uma mãe conhece seu filho, mas é preciso sempre dar um pouco mais de crédito. Ela se dá conta que Felipe está simplesmente desconsiderando o que ela fala. Então ela sai da cozinha e vai até ele. Isso tudo tem que acontecer nos primeiros 2 minutos no máximo após a primeira chamada.

Vai até a sala, olha pro filho. Ele continua na frente da TV. Ela se aproxima, se agacha na frente dele – isso para estar à altura dele, assim podem fazer contato olho no olho. Pega na mão do filho, ou no braço – isso porque estabelecer contato físico faz com que sua presença seja impossível de ser ignorada, por outro lado amortiza o medo da violência (você vai bater nele?) nos dois. Uma vez que você tem a atenção do filho, repita o que lhe pediu antes. Sua fala tem de ser séria, tranquila, segura. E continua no mesmo lugar, ou seja marca seu território. Fique nessa posição, de olhos nos olhos dele, até ele se mexer, o que eventualmente vai acontecer.

A criança pode rapidamente se levantar, demonstrando que foi um descuido e que está pronta a alinhar-se ao pedido da mãe; ou ela pode se arrastar até o quarto. Nesse caso, você, mãe, continue na sua posição, deixe seu filho se levantar sozinho e ir na direção do quarto e... vá atrás dele. Você precisa se certificar que o pedido será levado adiante.
Por que a criança se arrastou? Ela pode estar com algum problema na escola, pessoal dela, e todos nós temos dias assim. E quando temos dias assim precisamos de um suporte, não? Dê esse suporte a seu filho acompanhando-o até o quarto e mantendo sua postura firme-e-calma enquanto ele começa a arrumar o quarto. Vendo que tudo procede bem, encoraje-o, mostre sua apreciação (sem exageros!) e volte ao que estava fazendo. Ao permanecer um momento no quarto, você faz o papel de uma bengala: a força de vontade e disciplina de seu filho se apoia em você para se fortalecer e vencer a tendência depressiva e inerte que certas emoções produzem.

Ou – e isso é mais comum – seu filho está bravo com você, com ou sem razão (ele pode ter razão, sim). Nesse caso, você continue em sua posição-bengala na entrada do quarto e preste atenção ao comportamento dele. Sua firmeza deve ser redobrada, sem virar autoritária. Porque o quarto precisa ser arrumado de qualquer jeito!
(a continuar...)

Adriana Tanese Nogueira

Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente, individual e de grupo – Presencial, Skype, por telefone, Facebook. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org e www.atnhumanize.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…