Pular para o conteúdo principal

COMO CRIAR CRIANÇAS “BOAS”

De acordo com psicólogos de Harvard pais que criam crianças “boas” fazem estas 5 coisas:

1.Passam tempo com seus filhos.
2.Falam com eles.
3.Mostram a seus filhos como resolver problemas sem se estressar com o resultado.
4.Mostram gratidão aos filhos regularmente.
5.Ensinam seus filhos a expandirem a visão.

Acredito que não precisemos de pesquisas científicas para concordar com cada um desses pontos. E vamos especificar cada um deles.

Passar tempo com um filho significa interagir com ele, ou seja se relacionar com ele. Relação é uma via de mão dupla: você está com ele e ele com você, sem celulares e tablets entre vocês. Significa prestar atenção nele, focar e se abrir para ele. Para passar tempo com seu filho você precisa estar emocionalmente disponível. Não adianta estar fisicamente presente se sua cabeça está em outro lugar ou se suas emoções estão num emaranhado interior que não deixa espaço apra mais nada e você não consegue compartilhar a alegria ou a tristeza que seu filho está sentindo.

E aqui passamos para o segundo ponto: é comum ouvir os pais dizerem que seus filhos são “a coisa mais importante de suas vidas”. Será que seus filhos sabem? Ter falado não é suficiente. A criança – aliás, todos nós! – precisa sentir, viver na pele essa afirmação. Então mostre para seu filho que ele é importante. Como? Dando importância ao que seu filho é, precisa, diz, sente, busca, sonha, teme. Observe, acolha, escute – de cabeça e coração abertos. Controle seus pré-conceitos, suas preferências e seus humores. Comunique-se com ele de uma forma clara, honesta e sincera. Não precisa tratá-lo como alguém de limitada capaciade mental: crianças entendem muito mais do que pensamos. Use palavras simples mas fale de verdade com seu filho.

Portanto, ajude-o a resolver seus problemas. Desde as tarefas de escola até os conflitos com os amigos, seja parceiro e guia sem projetar sobre seu filho suas próprias inseguranças. Estressamos os filhos, quando jogamos para cima deles nosso estresse, aquele do trabalho, da vida, do casamento, dos nossos próprios medos. É preciso confiar nas crianças, inclusive que elas poderão fazer bem melhor do que nós na vida. Quem sabe? Não é isso que todo pai e mãe deseja? Todos os dias temos a oportunidade de dar a elas esse crédito.

E aqui chegamos ao quarto ponto: gratidão para com nossos filhos. Gratidão pelo quê? Por existirem! Por serem um pedaço de nós, mais do que nós que nos ensinam a sermos pessoas melhores, nos dão limites, objetivos, força, determinação, foco, paciência, inteligência, desafio. Acredito firmemente que nossos filhos são nossos companheiros de viagem. Iniciamos sendo “donos absolutos” deles na primeiríssima infância e aos poucos vamos deixando espaço para o desenvolvimento de sua independência física e depois daquela emocional e intelectual. Fazendo direito esse trabalho, seremos mestres que formam mestres. Criaremos relações gratificantes, amorosa e mutuamente enriquecedoras que durarão pelo resto da vida.

E assim ajudamos um filho a expandir sua visão: porque nós mesmos estamos num processo contínuo de expansão da visão! Isso significa estar em movimento, Não, não físico! Movimento da consciência: do dar-se conta, do aprender, questionar, mudar de ideia, de ângulo de visão, de perspectiva. Conhecer coisas novas, venturar-se em novas experiências, desafiar nossa identidade antiga empreendendo novos caminhos. Saber mudar de vida. Crescemos como pessoa em qualquer idade. Pais e mães podem mostrar a seus filhos como é possível se questionar sem perder a auto-estima e o respeito. 

“No final, a mais importante chave do sucesso de uma criança é o envolvimento positivo e constante de seus pais.” (Jane D. Hull)

Adriana Tanese Nogueira
Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Parenting Consultant, Mentor, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente, individual e de grupo – Presencial, Skype, por telefone, Facebook. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org e www.atnhumanize.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …