Pular para o conteúdo principal

CONSCIÊNCIA, O VERDADEIRO DIFERENCIAL

De acordo com a física quântica, a consciência é parte essencial da ciência. “Eu considero a consciência como parte fundamental. Eu considero a matéria como um produto derivado de consciência. Não podemos ficar atrás da consciência. Tudo o que falamos, tudo o que nós consideramos como existente, postula a consciência.” Escreveu Max Planck, físico teórico que originou a física quântica que lhe rendeu o Prêmio Nobel da Física em 1918.

O que é a consciência?

O termo vem do latim conscientia, derivado de conscire, ou seja "estar ciente, conhecer, estar consciente" (composto por cum e scire, "saber, conhecer com") e indica a tomada e a experiência de consciência que a pessoa tem de si e dos próprios conteúdos mentais. O conceito de consciência não corresponde ao primeiro estágio de apreensão imediata de uma realidade objetiva, mas é sinônimo da totalidade das experiências vividas, num dado momento ou por um certo período de tempo. O termo assim se refere àquele momento de presença à mente da realidade objetiva sobre a qual intervém a  tomada de consciência que lha dá sentido e significado, de modo a alcançar aquele estado de "unidade conhecida" do que está no intelecto.

Vamos traduzir o parágrafo acima na linguagem e na experiência cotidiana. Consciência não é estar ciente de que você está com um computador na frente ou uma folha de jornal lendo este artigo. Consciência também não é estar ciente do ambiente no qual se encontra agora, mesmo sem focar a atenção nele. Se queremos chamar iss de consciência, devemos admitir que é uma forma muito primitiva de consciência. Qualquer cachorro tem uma apreensão da realidade material muito superior à nossa, pois nós estamos frequentemente perdidos em nossos pensamentos e não nos damos conta de um ou muitos detalhes do ambiente à nossa volta.

Consciência é “um lugar de reflexão e interioridade”, conforme o filósofo neoplatônico Plotino (III século). Nesse lugar interior, o ato de conscientização e presença à mente, ou seja àquilo que “temos na cabeça” (pensamentos, sentimentos, percepções), forma uma unidade de sentido. A consciência está ligada a unidade, sentido e significado. Por isso, não basta ter consciência da realidade material para ser pessoas conscientes, é preciso o trabalho de reflexão interior sobre esta realidade para que ela assuma um significado, um sentido e uma unidade. Sem isso, a realidade, ou seja a nossa vida, parece um amontoado de experiências sem sentido, uma sequência de pensamentos que nos atordoam, sentimentos que nos avassalam, emoções que nos perturbam, e vamos seguindo no automático sem conseguir dar razão disso tudo. E assim, sem conseguir encontrar paz.

Consciência é essencial para vivermos como humanos e sobretudo para melhorarmos nossa vida, para nos erguermos acima do que nos acontece, transformando nossa bagagem em aprendizado, ou seja numa escada que nos leva para o alto. Experiências não processadas, não elaboradas, pesam. Nos fazem literalmente nos sentir pesados, aí vem o desânimo e com o tempo a depressão.

«Não saia de si mesmo, volte em ti: no íntimo do Homem reside a verdade.» Estas são palavras de Santo Agostino (IV século), um dos maiores Pais da Igreja. Voltar para si significa: pare e pense, reflita. Pensar como reflexão, como uma flexão do olhar para dentro, que é diferente da repetição mental de pensamentos sobre os quais não temos controle e que nos controlam. Pensar é refletir, observar, analisar no íntimo do nosso lugar interior, lá onde podemos fazer uma síntese, compreender, religar, unir, dar sentido, respirar, saber quem somos, o que aconteceu, o que queremos – e portanto para onde estamos indo.

Consciência: a alavanca e o termômetro da evolução humana.

Adriana Tanese Nogueira
Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Parenting Consultant, Mentor, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente, individual e de grupo – Presencial, Skype, por telefone, Facebook. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org e www.atnhumanize.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…