Pular para o conteúdo principal

SOMATIZAR OU RENASCER?

Somatizamos quando transformamos nossos conflitos psíquicos em afecções de órgãos ou em problemas psicossomáticos. São suspeitas de somatizações sintomas sem uma causa médica por exemplo, mas também as idas demais a médicos ou até mesmo a terapias de todo tipo sem obter resultados.

Por que ocorrem as somatizações? Ocorrem para “desabafar” um conflito interior que é inconsciente e que a pessoa tem dificuldade para trazer à consciência, ou seja para encarar de frente. Nenhum problema encarado de frente é somatizado, muito pelo contrário. Somatizamos somente o que não queremos ou podemos ver.

Por que não queremos ver? Porque enxergar o conflito nos coloca na posição de ter que resolvê-lo. Parece óbvio, não? Imagine que você vive numa casa cujo chão da cozinha está constantemente molhado porque há uma perda num dos canos. Imagine que você convive com este problema há anos e meio que “considera normal”. Imagine que um dia entra alguém em sua casa e não topa fazer de conta que é “normal”. E você “de repente” toma consciência de que há uma perda! O que vai ter que fazer? Consertar, chamar um encanador, dedicar tempo e dinheiro a resolver o problema.

Algo assim já aconteceu a todo mundo, uma vez ou outra sempre empurramos certos problemas com a barriga porque não temos tempo/vontade para resolvê-los na hora. Mas infelizmente os conflitos psíquicos são ainda mais complicados do que isso, porque o “conserto” dos mesmos envolve geralmente desafios grandes, como mudar o nosso modo de pensar, nosso estilo de vida, nossas relações, deixar alguém, começar algo, desacatar crenças, tradições, o passado, assumir atitudes ativas, tomar coragem, encarar verdades... Enfim, ufa que esforço!

Para alguns melhor então somatizar... Aí se vai ao médico, o qual prontamente receita umas pílulas – que não vão resolver o problema – e assim a doença serve para mascarar a realidade interna que não se pode ver.

Há uma alternativa a esta triste perspectiva?

Sim e é simples.

Ventilar a cabeça e o peito com novas ideias e pontos de vista. A cabeça precisa arejar, adquirir novos pontos de vista para olhar para a realidade, ou seja: estratégias de comportamento, novos códigos de interpretação, mais criatividade e liberdade. O peito precisa fazer circular as emoções no lugar de estancá-las dentro, na formação de vulcões que certamente irão explodir um dia.

Quem duvida que estresse acumulado, preocupações, sentimentos e pensamentos negativos não nos atinjam e prejudiquem a nível físico? Quem duvida que a tensão psicológica faz ombros doloridos? Você sabe que afecções aos pulmões estão ligadas a tristeza? Você está cuidando de sua tristeza? E sabia que a raiva pode migrar para a cabeça causando violentas dores de cabeça? E ainda que até a infertilidade pode ser o resultado de uma proibição interna inconsciente a engravidar?

Pense somente na liberação ou inibição de hormônios como adrenalina, cortisol e serotonina que estão diretamente relacionados às nossas emoções e vice-versa. Pense nas muitas problemáticas do sistema endocrinológico e imunológico que surgem a partir do que vivemos e sobretudo da forma como vivemos, ou seja de como enfrentamos os problemas. Porque um problema sério para um pode ser um problema pequeno para o outro: tudo depende de como enxergamos, processamos e percebemos as coisas. Tudo está na nossa cabeça!

A realidade é diferente para cada um, não existe algo lá fora igual para todos. Nossos olhos – as lentes que usamos para enxergar o real, e incluo a realidade psíquica, – fazem toda a diferença. Então, bora cuidar da nossa cabeça! Bora arejar um pouco as ideias, refletir, repensar, reavalizar, aprender, libertar-se e renovar-se!

Adriana Tanese Nogueira

Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente, individual e de grupo – Presencial, Skype, por telefone, Facebook. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org e www.atnhumanize.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…