Pular para o conteúdo principal

CRIANÇAS MIMADAS E PAIS HISTÉRICOS...

Esta reflexão está inspirada num trecho do livro “Vamos acabar com isso!” (“Facciamola finita!”, 2011) do pediatra e professor italiano Paolo Sarti, consultor da Região da Toscana para a educação e capacitador das professoras das creches públicas da cidade de Firenze.

Segundo ele, as próprias crianças com sua inquietação, nervosismo incontrolável, sono perturbado, falta de apetite ou gula histérica clamam por uma mudança radical na abordagem de seus pais.

Temos hoje crianças que crescem com uma raiva e arrogância relacional injustificadas e insustentáveis, capazes de desmoronar por causa de um insucesso escolar ou, o oposto, histericamente agressivas, desafiadoras e ameaçadoras, gesticulando exageradamente mesmo quando festejam um sucesso esportivo, geralmente obtido com tenácia obsessiva, muitas vezes sem regras ou respeito.

Tudo sem regras, limites e imposições, conforme uma pedagogia permissiva e liberal: tudo combinado, avaliado e decidido por elas, e a elas subordinado. Tudo define-se e estrutura-se à medida da criança, uma medida necessariamente estreita e miope sem a organização madura e a perspectiva do adulto. Um mundo-criança mimado, carregado de individualismo e de barulhento protagonismo exibido. Um mundo estático, todo baseado no hoje, onde ao adulto é concedido somente o lugar de espectador e, naturalmente, de servidor.

Vamos acabar com esta absurda e fracassasda pedagogia do mimo e do excesso de justificativas, que visa preservar a criança de todo esforço, empenho, luta ou frustração. Conseguimos fazer de nossos filhos crianças não somente incapazes, mas também insuportáveis e antipáticas.

Por outro lado, temos pais aniquilados numa pseudo-democracia decisória que vê as crianças decidirem por eles, crianças obrigadas a assumirem responsabilidades que seriam e deveriam ser do adulto. Nessa falsa democracia, descarregamos sobre as criança obrigações que são nossas, de adultos com conhecimento e visão. E o fazemos não porque respeitamos a criança mas porque temos medo de não saber sustentar a reação dela se a contrariarmos.

E é assim que são as crianças tomam decisões, que porém só sabem tomar com base no oportunismo e no presente (porque é assim que funciona o pensamento infantil). Portanto, inevitavelmente paguerão no futuro por aquilo que não lhes foi possível prever hoje. “Quer ir na vovó?”, “Quer esta roupinha?”, “Quer ir para a cama?” Pobres crianças, esmagadas pela carga decisória!

Os pais se tornaram tão frágeis e emotivos até serem incapazes de darem regras, de estabelecer com autoridade limites que permitam à criança se orientar na vida: tudo é logo, garantido, gratis, obsesssivamente simplificado.
Vamos acabar com essa história de não ser pais. Temos hoje uma geração de crianças em crise.

Ter abandonado seu papel educacional não tornou os pais mais livres e descansados, muito pelo contrário! Com frequência, hoje além de termos crianças estressadas e disobedientes, temos pais sempre mais histéticos, exaustos, arrependidos de ter tido filhos. Insatisfeitos e atormentados têm como objetivo fazer o tempo passar o mais rapidamente possível para que chegue logo o momento em que a criança terá superado sua “criancice” e terá chegado finalmente à fase adulta, acasalada e com um bom trabalho.

Mas o que acontece são filhos que, apesar de crescidos, prolongam o tempo da dependência, não se sentindo nunca prontos para abandonar seu status de filho, e continuam assim a se apoiar nos pais além de qualquer limite histórico conhecido.

Por seu lado, os pais assumem uma atitude dissociada: se quando os filhos eram pequenos desejavam que eles crescessem rapidamente (evitando administrar as difíceis e complexas questões relacionais daquelas fases), quando crescidos, fazem tudo para mantê-los ligados, vinculando-os com relações confortáveis, fáceis e superficiais nas quais estes são sempre “as crianças”, adultos que não cresceram, eternamente crianças, todos o papai e (sobretudo) a mamãe!

Adriana Tanese Nogueira
Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Parenting Consultant, Mentor, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente, individual e de grupo – Presencial, Skype, por telefone, Facebook. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org e www.atnhumanize.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…