Pular para o conteúdo principal

EDUCAR NO SEU SENTIDO ORIGINAL E MAIS BONITO

O método de ensino Montessori leva a sério o sentido da palavra EDUCAR. Verbo que vem do latim EDUCERE, composto pela partícula “e” significando “da, de, fora” e do verbo “ducare, ducere” para “conduzir, trazer para fora o que está dentro”. Assim, “educar” significa ajudar, com disciplina apropriada a por para atuar e desenvolver as boas inclinações do espírito e as potencialidades da mente. A educação então serve para apreender, expressar e desenvolver qualidades e competências (ainda) não expressas.

Para Maria Montessori (1870-1952) então educar não é um episódio da vida, um momento no espaço e tempo, mas uma forma de se relacionar com a criança para orientá-la na muitas expressões que a vida requer. Nada a ver com mera “transmissão de cultura” (ou de regras!), mas com uma atenção e consideração pelo indivíduo, um olhar sensível e ajuizado sobre o outro no intuito de, levando em consideração sua realidade subjetiva, sua fase de desenvolvimento bio-psico-social e seu contexto, ajudá-lo a encontrar suas respostas para os desafios que a vida lhe oferece. Respostas estas responsáveis. Responsabilidade é uma maravilhosa e difícil palavra que significa: saber dar resposta apropriadas. Não toda ótima resposta é apropriada. Uma “resposta apropriada” significa saber discernir o que cabe, o que funciona, o que irá melhor expressar a solução que condiz com o real.

Quem não conhece o sabor da satisfação de ter dominado um desafio? Quem não conhece aquele sentimento íntimo de orgulho por ter conseguido?  Conseguido o quê, não importa. Para cada um um desafio é um desafio. Saber valorizar o individual e este aprendizado interno, este processo de auto-afirmação diante das dificuldades que a vida (ou melhor, nossa ignorância) coloca traz auto-estima, auto-confiança e positividade. Como dizia Montessori, “Um dos testes que define se o processo educacional está correto é a felicidade da criança.”

Quantas crianças hoje são felizes nas escolas?

Vejo crianças que são consideradas e se consideram “felizes” porque estão numa roda-viva de “diversão”, ou seja de distrações, de muitas atividades, de muitos amigos, de muitos estímulos – o que basicamente serve para “passar o tempo”, para ocupá-las (e desocupar os pais).  Funciona para tirá-las de dentro de si, afastá-las do que realmente sentem e precisam, e para oferecer a todos a ilusão de que “está tudo bem”. Mas não está. E a prova é que quando chega o momento de de fato aprender alguma coisa e de demonstrar o aprendizado (as boas maneiras, o respeito, a atenção), elas “não conseguem ficar paradas ou quietas”.

Por que será?

Elas não foram educadas, falta-lhes a experiência do que é estar consigo quebrando a cabeça em cima de um desafio, aprendendo consigo próprias – graças ao amparo do adulto preparado – a resolver problemas, o que significa a aprender, a descobrir as respostas apropriadas para cada situação. São crianças que não têm autonomia, que não foram instrumentalizadas a interagir de forma competente com o real, pois viveram num mundo de fantasia.

O método de ensino Montessori é uma luz nas trevas do ensino tradicional. Luz acolhedora, apaziguadora, criativa, centradora, promotora de crianças equilibradas, responsáveis, atentas, focadas, em paz consigo... Enfim, de bem.

Crianças de bem porque “se possuem”, aprendem a lidar consigo e com a realidade. As aulas Montessori abrangem todas as atividades da vida, desde lavar os pratos a aprender ciência, porque não só de mente (e video-games) somos feitos! Será um acaso que um método tão com os pés no chão, que promove a capacidade da criança de dominar o real para que ela possa como um ser total atingir metas elevadas, tenha sido criado por uma mulher?


Adriana Tanese Nogueira
Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Parenting Consultant, Mentor, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente, individual e de grupo – Presencial, Skype, por telefone, Facebook. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org e www.atnhumanize.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…