Pular para o conteúdo principal

PORQUE A ANSIEDADE IMPEDE QUE O QUE VOCÊ QUER ACONTEÇA

Há quem acredite que a realidade é a que está fora de nós pode ser tocada, medida e manipulada e existe independentemente da gente que a observamos. Estes são os que enxergam o mundo pelos olhos da física newtoniana. Newton foi um grande fisico, o descobridor da teoria da gravidade, que viveu no século XVIII na Inglaterra. Trezentos anos depois surgiu uma nova física, denominada de Física Quântica, a qual descobriu que a realidade MUDA conforme nossa observação... Pois é... 

Para Newton e seus seguidores o mundo é feito de matéria sólida, estável e separada no tempo e no espaço. A isso se agrega o princípio da objetividade de Aristóteles (IV século a. C.) que preconiza que os objetos existem independentemente de uma mente. O corolário dessa visão é a de uma realidade que, como uma máquina, é regida por leis determinísticas: ou seja, as coisas são como são, nada podemos fazer para mudá-las. 

A Física Quântica vê o mundo como cheio de mistérios e fenômenos que nos colocam numa nova condição, aquela de potenciais criadores da grande sinfonia energética que é o universo. Nesta perspectiva, nós não somos “coisas” entre coisas, detalhes da realidade toda, mas geradores de realidade. 

Vejamos como. Quando nossa mente se encontra numa determinada disposição interna, ou seja com uma intenção, por exemplo que algo aconteça logo, foi-se demonstrado em laboratórios a partir de estudos quânticos que provocamos, sem perceber, um efeito quântico ao seu redor.

Porque os átomos e as partículas subatômicas estão, em geral, num estado contínuo de flutuação energética passando de um nível de energia a outro e retornando ao anterior, acontece que quando observamos com frequência (ou, diría-se em linguagem cotidiana, obsessivamente!) um objeto esperando que mude, eis que parece que ele congela! 

Conforme as conclusões das pequisas do National Institute of Standards and Technology (NIST) a panela vigiada, por exemplo, não ferve mesmo! O ato de observar a panela basta para mantê-la no mesmo estado de energia. Portanto, se você quiser que a água ferva logo para o macarrão não fique lá observando a cada minuto se já está fervendo! Vá fazer alguma outra coisa, deixe em paz sua panela...

Este efeito foi chamado de Efeito Z, e podemos aprender a inibi-lo de maneira a contribuir para a manifestação de mudanças em nossas vidas. Tudo que temos que fazer é NOS observar e NOS questionar sobre os efeitos que provocamos, sobre o que estamos fazendo, nossas expectativas e nossas atitudes em função da ocorrência de um evento.

Quanto mais expectativas gerarmos, mais difícil será alterarmos a realidade para que o objetivo almejado aconteça. Quanto mais atenção damos a um problema, quanto maior a freqüência em que pensamos nele, mais garantimos sua permanência. Concentrar-se em um problema o fortalece.

Portanto, se desejarmos criar uma realidade plena, deveremos focalizá-la e liberar a nossa mente, no lugar de criar expectativas a partir da realidade anterior porque assim congelaremos a realidade anterior que não dará lugar à realidade nova. Todo pensamento carregado de ansiedade faz com que o leque de possibilidades se restrinja a uma única realidade provável.

A melhor postura para aumentar a probabilidade de um evento ocorrer é tomarmos consciência daquilo que objetivamos, abstraindo aquela possibilidade e a liberando sem ansiedade. Tentemos estar em harmonia com o novo antes que este aconteça.
Por este motivo, é importante manter-se com a mente aberta, desenvolver o auto-conhecimento para não nos sabotarmos, ter fé e confiança para ingresssarmos neste novo paradigma científico e existencial: o de sermos co-criadores do universo.


Adriana Tanese Nogueira
Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Parenting Consultant, Mentor, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente, individual e de grupo – Presencial, Skype, por telefone, Facebook. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org e www.atnhumanize.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…