Pular para o conteúdo principal

A GENTILEZA É INSTINTIVA, O EGOÍSMO UMA ESCOLHA

Qual é a natureza humana? É importante atentarmos para o que consideramos ser a natureza humana: somos bons ou somos maus? Ou um pouco dos dois? Quando o mal emerge?

A bondade de alma se manifesta, entre outras coisas, na atitude que temos com os outros chamada gentileza.

Gentileza, conforme o site Significado.com.br, é a qualidade do que é gentil, do que é amável. Gentileza é uma amabilidade, uma delicadeza praticada por algumas pessoas. A gentileza é uma forma de atenção, de cuidado, que torna os relacionamentos mais humano, menos ríspido. Quem pratica a gentileza não tem má vontade, não é indiferente e sim é cuidadoso, distinto e delicado.

Atos de gentileza podem ser praticados no dia a dia por pessoas gentis. Alguns deles são: ouvir música num volume que não incomode aos outros; agradecer às pessoas que lhe fazem favores; cumprimentar as pessoas com um bom dia, boa tarde ou boa noite; pedir licença quando precisar passar na frente das pessoas; dar passagem ao carro de outra faixa que precisa passar na sua frente; elogiar, sempre que possível, as pessoas com quem convive; e muitos outros.

Gentileza é uma qualidade que precisa ser expressa no comportamento, nas palavras e nos gestos com sinceridade e simplicidade, se tiver afetação não há gentileza. O resultado do ser gentil é a melhora do convívio entre as pessoas, o que significa harmonia e paz. E quem não gosta disso?

Agora, você pode pensar: Mas quantas vezes vivemos isso no dia-a-dia? A gentileza não é comum porque as crianças não foram educadas a serem gentis... Seria bom se fosse diferente!

Ao que parece, o inverso é o correto. A gentileza não é mais comum não porque faltou um condicionamento nesse sentido, mas porque houve uma escolha numa certa altura da vida por ser egoísta!

Segundo algumas pesquisas científicas, nascemos gentis, nos tornamos egoístas. Isso significa que gentileza não é uma escolha, e sim um instinto natural do ser humano.
Conforme relatado na Revista Galileu, um experimento realizado em 2012 por professores da Universidade Harvard, confirma esta tese. Eis o experimento:

“Com o objetivo de descobrir se a natureza humana é egoísta ou gentil, os pesquisadores recrutaram universitários e os dividiram em grupos de quatro. Cada estudante recebeu uma quantia de dinheiro e teve a opção de separar um pouco do valor para ser multiplicado e distribuido entre o restante dos participantes. Os participantes ganhariam algo mesmo sem compartilhar, mas apesar da tentação de ser egoísta, a maioria das pessoas escolheu contribuir com o restante.”

Aqui, entre ganhar x e ganhar x+1, os estudantes preferiram ganhar x e compartilhar com os outros. Está excluída desse experimento a luta pela sobrevivência, pois todos ganham algo; o egoísmo seria ganhar mais sem haver necessidade, só para ter mais para si, seguindo aquela ânsia de ter e de acumular que, infelizmente, bem conhecemos.

Para nossa alegria, parece que a gentileza vai além, porque conforme outro estudo, realizado por psicólogos da Universidade de Yale, o primeiro instinto das pessoas é cuidar e salvar os outros: “A maioria das pessoas acredita que somos instintivamente egoístas, mas nossos experimentos mostram que quando as pessoas dependem de seus instintos, elas são mais cooperativas”, explicou o psicólogo David Rand, de Yale, em entrevista ao Nautilus.

A pergunta que não quer calar é então a seguinte: por que nos tornamos egoístas? Como e quando a gentileza é colocada de lado?

Que cada um responda na intimidade de seu coração.


Adriana Tanese Nogueira
Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Parenting Consultant, Mentor, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente, individual e de grupo – Presencial, Skype, por telefone, Facebook. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …