Pular para o conteúdo principal

DE QUAL ENERGIA HUMANA NOS NUTRIMOS?

Se a matéria é energia, conforme a descoberta de já mais de um século, de Einstein, então nosso corpo é energia e emite energia de formas das quais não estamos conscientes. Sabemos também da física que há várias formas de energia: estática, cinética... e hoje se faz sempre mais evidente que é preciso reconhecer que há outra. Esta outra dimensão da energia não é mensurável pelos meios da ciência tradicional mas sua presença é indiscutível se somente prestarmos um pouco de atenção a como nos sentimos.

Se conseguirmos ir além dos gostos e preconceitos pessoais (tanto positivos quanto negativos) e observarmos o que nos acontece na relação com outra pessoa, vamos notar o seguinte efeito: nos sentimos mais leves ou mais pesados, energizados ou sugados e cansados. Esta sensação se transforma depois em sentimentos e pensamentos: se houver energização nossa visão de mundo tenderá a ser mais rosadas, por assim dizer; se tivermos sido sugados as coisas assumarão um aspecto mais sombrio. 

Essa ideia, familiar a muitos, encontrou um precário mais interessante respaldo indireto pela ciência. Membros do grupo de pesquisa biológica do Professor Dr. Olaf Kruse da Bielefeld University na Alemanha fizeram uma descoberta surpreendente que foi publicada dia 20 de novembro de 2012 no jornal online Nature Communications da renomada revista Nature. Como toda criança sabe, as plantas usam a luz para obter energia da terra e da água: este é o processo da fotosíntese. O que foi descoberto é que na falta desses recursos, uma planta – no caso a alga verde Chlamydomonas reinhardtii – tira a energia necessária das plantas vizinha. Soa familiar? 

Agora, segundo a médica Dra. Olivia Lee Bader, da qual não consegui seu texto original porém, o que acontece com as plantas marinhas se aplica também aos seres humanos. Faz todo sentido, não faz? Todos conhecemos essa sensação. Como partes de um sistema – família, amigos, trabalho, escola – estamos imersos nas redes invisíveis mas perceptíveis com um pouco de auto-observação de troca de energia. Nós mesmos somos como uma bateria carregada com voltagem diferente, que estejamos ou não conscientes disso. Quando nos concentramos na relação com uma pessoa, por exemplo estamos conversa com ela e portanto focados nela, nossa energia está também toda concentrada lá. 

Toda vez que duas pessoas interagem se produz uma troca de energia. Esta troca é maior quanto maior for o tempo que passamos em contato com a outra pessoa. Imaginem só o que acontece numa família! A energia trocada, ou seja nós mesmos na nossa dimensão energética, tem níveis diferentes de “qualidade”: é como qualquer “produto” do mercado, há os de alta qualidade e os de baixa. Nem sempre enconomizar, como bem sabemos, compensa. Assim como nem sempre  manter uma companhia para não ficar só compensa.

A qualidade energética depende do grau de consciência da pessoa. A consciência é algo que produz ordem e harmonia. Mesmo que num primeiro momento doa tomar consciência de algo, este é o único caminho para “botar ordem” na nossa casa interna e tomar as rédeas de nossa vida, que inclui nossos pensamentos, crenças, sentimentos, escolhas, etc. Consciência não tem nada a ver com crenças. A pessoa pode acreditar e declamar todas as melhores frases do universo e de todos os textos sagrados da terra e mesmo assim fazer mal aos que estão perto delas. 

Concluindo: ao ouvir outra pessoa, quem quer que seja, prestem atenção não só nas palavras e não só nas intenções conscientes da pessoa mas em como ela lhes faz sentir. Que tipo de horizonte se abre a partir do encontro com ela: é alegre e positivo ou é sombrio e desanimador?

Adriana Tanese Nogueira
Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Parenting Consultant, Mentor, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente, individual e de grupo – Presencial, Skype, por telefone, Facebook. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …