Pular para o conteúdo principal

OS FILHOS DE PAIS QUE BEBEM DEMAIS

É fácil apontar o dedo para as drogas, porque logo se pensam nas que são ilícitas. Mas e o que dizer de uma droga perigosíssima que tem o uso legalizado? O álcool. A droga mais comum, mais usada, a que causa mais mortes no trânsito, a que é promovida por outdoors e comerciais na TV.

O alcoolismo é uma doença séria que engloba aspectos físicos, emocionais, cognitivos e espirituais. Não só, o alcoolismo é uma doença super contagiosa, sobre a qual a omissão coletiva é quase total. Cabe a cada um de nós tomar consciência da brutalidade do alcoolismo e pararmos de ser cúmplices de seu uso indiscriminado.

Na Finlândia uma organização sem fins lucrativos que combate o alcoolismo criou uma campanha impactante. Eles conseguiram chamar a atenção para o problema com um vídeo que pode ser visto no YouTube e que se chama “Fragile Childhood – Monsters” (https://www.youtube.com/watch?v=XwdUXS94yNk).

O alcoolismo marca a vida das crianças para sempre. Ter um pai ou uma mãe alcoólatra (ou ambos!) acarreta consequências terríveis que esses mesmos pais evitam enxergar porque a dor da culpa seria insuportável. E essa fuga da própria responsabilidade só promove o próprio alcoolismo. Bebe-se para esquecer, para não pensar, para amenizar a vida.

E o que significa para uma criança? Significa que ela é órfã todas as vezes em que seus pais estão sob o efeito do álcool. Não só órfa como também em perigo. E quando seus pais não estão alterados, mesmo assim ela não pode estar tranquila porque um alcoólico não é “normal” nunca. O vídeo acima ilustra muito bem essa realidade. Não são necessárias as palavras, basta as expressões perplexas, assustadas, confusas, das crianças.

É preciso se colocar no lugar delas. Nascem e não sabem o que é alcoolismo. Só sabem que seus pais são, de vez em quando ou frequentemente, estranhos e assustadores. Mesmo quando um pai quer se mostrar “calmo” para o filho, sua energia, seus gestos, seu jeito, é esquisito, é altamente perturbado e pertubador.

Uma criança sabe o que é isso, não entende. Por isso fica confusa. Sente o amor dos pais e os ama muito. Mas... como funciona esse “amor”? É normal ter medo de quem se ama? A mesma pessoa que sabemos nos ama nos faz também sentir apavorados e em perigo, berra, fala coisas horrendas, quebra objetos e agride nossa mãe (se o pai for o alcoólatra da família).

Os filhos crescem confusos e tristes. Estão amarrados a um sentimento de culpa que não compreendem e sua autoestima é esmagada. A culpa é um dos traços mais comuns dos co-dependentes, que são os que convivem com os alcoólicos. Culpa por existir, culpa por ter sentimentos contraditórios pela figura dos pais, culpa por querer sumir e ter outra vida em outro lugar. Culpa por não conseguir aguentar... Culpa que bloqueia os movimentos e atrasa suas vidas.

Essas crianças acabam ou por se afastar de casa ou por assumir a responsabilidade por “resolver”, ajudar, cuidar, curar seus pais. Protegê-los de si próprios. Pegam sobre si um fardo gigantesco. Missão impossível, pois não podemos ajudar quem não quer ser ajudado. E enquanto isso, sua vida passa. Enquanto isso são sugadas para dentro do abismo do alcoolismo que é feito de medo, dúvida, insegurança, ceticismo, solidão, fraqueza, tristeza...

O que fazer? O que parece mais difícil: cuidar de si em primeiro lugar. Reconhecer o problema mas salvar-se sendo mais fortes da derrota que o alcoolismo semeia em volta. Estudando mais, trabalhando mais, sendo mais honestos, mais alegres, mais fortes, mais confiantes. Sem culpa e sem culpar. Ser um sol no meio da noite escura.

Adriana Tanese Nogueira

Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Parenting Consultant, Mentor, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente, individual e de grupo – Presencial, Skype, por telefone, Facebook. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org.



Nota: Para todos os familiares de alcoólicos que sofrem cotidianamente por causa do alcoolismo de um ente querido abri uma página no facebook para dar suporte, favorecer a troca, promover a saúde mental, emocional e espiritual. Este é o link do grupo: https://www.facebook.com/groups/1989245737982482/?source=create_flow. É preciso pedir para entrar, o grupo é fechado.


Para quem busca ajuda, orientação, suporte e esclarecimento porque está lidando com alguém que bebe demais: 

O Vírus do Alcoolismo.
Quando o amor encontra a sua sombra

Guia prático para familiares de alcoólicos
130 tópicos em ordem alfabética
Com indicações de Florais de Bach


Clique aqui para saber mais ou comprar o livro, disponível em PDF, e-book e impresso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…