Pular para o conteúdo principal

8 PASSOS PARA EXERCER GOOD PARENTING

Não há nada de mais precioso na vida dos pais do que seus filhos. Entretanto, esta é uma das relações mais desafiadoras possíveis. Cada adulto carrega consigo as falhas de seu passado, suas dores, decepções, conflitos não resolvidos com seus pais, como também seus sonhos, desejos e fantasias. Enquanto isso, os tempos mudam rapidamente, as crianças vivem entre o nosso passado e um futuro que nós ainda não compreendemos. E precisam de nós.

Como pais, nossa função é ampar, nutrir, proteger e educar. Educar significa orientar, ensinar, mostrar, apoiar, compreender, apontar, silenciar e falar. Tudo na hora e na medida certas. Educar é essencial para o desenvolvimento da criança, para sua inserção na sociedade, sua possibilidade de ser feliz, de se realizar, de criar um dia sua família e seu mundo. Educar é dar os instrumentos do viver. Somente os pais podem fazer isso. Não é a escola, não é a televisão, os video-games, os amigos. Esta é tarefa dos pais.

Para que a relação pais-filhos se realize com sucesso, apesar dos limites individuais inevitáveis, são necessárias algumas condições. Vejamos esses 8 passos.

1. Os pais precisam assumir seu lugar, que é o de comando. Na família há uma hierarquia, os pais estão “em cima”. São superiores não na essência mas na função. Eles são os líderes.

2. Pais precisam ser respeitados. O respeito é algo que conquistamos numa relação. Portanto, cabe aos pais se fazerem respeitar, se colocarem na posição de pessoas de respeito, de valor, de consideração.

3. Pais precisam ser coerentes, à palavra deve seguir os fatos. Pais dão o exemplo. Mostram na vida real o que proclamam em palavras. Este, como sabemos, é o mais poderoso meio de ensino.

4. Pais precisam também ter conteúdo, algo para ensinar, para dar. Ou seja, se se tratar de orientar sobre escolhas de vida, os pais devem ter refletido sobre o assunto. Quando querem educar, se supõe que estão passando adiante algo que eles pensaram antes, aprenderam, elaboraram e do qual extrairam uma lição.

5. Pais precisam passar tempo com seus filhos. Tempo: o mais possível. Como todos sabemos, para conhecer alguém é preciso passar um bom tempo com esta pessoa. O mesmo vale para os filhos. Só porque são filhos nossos não quer dizer que os conhecemos. Somente passando tempo com eles é que poderemos desenvolver um vínculo de amor e intimidade.

6. Pais precisam se interessar pelo que o filho vive, sente, pensa. Isso significa querer ouvir o que pensam, suas histórias e seus dilemas sem julgar, sem antecipar, sem apressar, sem abafá-los. Aguentando o tranco caso a criança esteja sofrendo ou segurando o riso caso seu problema nos pareça bobo. Tudo o que acontece com a criança é importante – certamente o é para ela. Logo, prestando atenção nela e levando-a a sério conquistamos o mesmo para nós: que nos prestarão atenção e nos levarão a sério.

7. Pais precisam saber se questionar e querer se melhorar como pessoas e pais. Ninguém é perfeito e ninguém tem sempre razão. Crianças não são bobas. Melhor bancar um pai e uma mãe que estão em processo eles mesmo de crescimento do que fingir que se está sempre no certo. Pais em desenvolvimento assumido estimulam o mesmo processo nos filhos. O forte é quem sabe se melhorar.

8. Pais precisam bucar sua própria felicidade. Pais felizes fazem filhos felizes. Pais mártires produzem filhos depressivos. Pais que se fingem felizes produzem filhos com sentimentos de culpa e desânimo diante da vida.

Ser pais: a mais difícil e importante tarefa da vida. Pais são os construtores do amanhã. Um mundo melhor depende de pais melhores.


Adriana Tanese Nogueira

Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Parenting Consultant, Mentor, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente, individual e de grupo – Presencial, Skype, por telefone, Facebook. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…